Governo do Distrito Federal
31/03/22 às 17h33 - Atualizado em 26/04/22 às 12h34

“Sorria, Brasília” brinda 62 anos da capital

Texto Sérgio Maggio. Edição: Sâmea Andrade

08.04.22

12:00:00

 

Ouça o resumo da notícia

 

 

Com 17 equipamentos culturais interligados por um leque simultâneo de atividades artísticas, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) brinda os 62 anos de Brasília, depois de dois anos de interrupção de comemorações presenciais por conta da covid-19.

 

Batizado de “Sorria, Brasília”, o projeto comemorativo envolve amplo calendário de ações entre os dias 19 a 24 de abril. De shows a mostras de cinema; de exposições a feiras de economia criativa; de espetáculos populares a apresentações de orquestras, como a Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS).

 

Foto de Hugo Lira

 

“Com os museus e centros culturais de portas abertas com entrada franca, o GDF celebra democraticamente nosso conjunto de patrimônios culturais preservados e em pleno funcionamento”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

 

As atrações ocupam as Regiões Administrativas do Plano Piloto, Ceilândia, Samambaia, Núcleo Bandeirante, Gama e Planaltina, territórios onde ficam os equipamentos da pasta. A OSTNCS, por exemplo, vai circular entre abril e maio no projeto “Clássicos nas Cidades”, que estará nos Complexos Culturais de Samambaia, Planaltina e Casa do Cantador.

 

“Essa volta às comemorações presenciais é um apontamento de esperança para que a sociedade restabeleça o convívio seguro com as celebrações públicas. Optamos por modelo mais intimista, com a maioria das atividades dentro dos equipamentos culturais e um convívio externo sem grandes aglomerações”, destaca o secretário Bartolomeu Rodrigues.

 

Marina Gadelha/Secec

“Poeira, Lona e Concreto”

Com investimento da ordem de R$ 700 mil, as atividades propostas quebram com a lógica de uma festividade só com o foco no entretenimento e exaltam a preocupação do GDF com a memória cultural por meio de exposições que colocam em dinâmica aspectos históricos, a exemplo da reabertura da mostra “Poeira, Lona e Concreto”, totalmente restaurada e higienizada, que retrata os primeiros tempos da construção da cidade, no Museu Vivo da Memória Candanga; e de desenhos inéditos de Oscar Niemeyer, no Espaço homônimo, além da valorização da história da Via Sacra de Planaltina no Complexo Cultural da RA.

 

Outro destaque é a ocupação externa do Eixo Cultural Ibero-americano, antigo espaço Funarte de Brasília, que terá uma programação de 21 a 24/04 voltada ao encontro das famílias e de amigos em torno do seu vasto gramado e galerias com piquenique, Festival de Orquestras Populares, Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, shows e desenhaço. Essa programação reforça o ano “Brasília Capital Ibero-americana das Culturas”, título mundial outorgado em 2022 à cidade.

 

As ações também são intensas na Concha Acústica, com shows e mostra de cinema, no Museu de Arte de Brasília (MAB), no Memorial dos Povos Indígenas, com festividade no dia do índio. O Cine Brasília, que também comemora aniversário de 62 anos em 22 de abril, segue programação especial e aberta ao público com seleção de filmes emblemáticos e espetáculo comemorativo da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo.

 

EDITAIS DE ABRIL

Street Cadeirante

O primeiro bloco de editais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) vai garantir R$ 36 milhões para, ao menos, 300 projetos de 22 linguagens artísticas. Traz como ênfase o segmento Meu Primeiro FAC para agentes nunca contemplados e entidades carnavalescas. O edital será publicado  juntamente com dois chamamentos públicos para ações em arte urbana. O primeiro certame é para pintar as 28 paradas da W3 Norte, com cota para equidade de gênero e artista com deficiência. Serão selecionados 28 artistas com cachê de R$ 3 mil. O outro chamamento é para selecionar coletivo para intervenção artística no muro principal do Complexo Cultural Samambaia. Juntos, têm aporte de quase R$ 100 mil.

 

VIA SACRA RETOMADA

Marília Lima

Às vésperas da semana do aniversário de Brasília, dia 15/04, às 15h, a Via Sacra ao Vivo de Planaltina volta a ocupar o Morro da Capelinha com a encenação dos julgamentos e crucificação de Jesus Cristo. O fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa na ordem de R$ 800 mil garante o evento que completa 50 anos em 2023.

 

Após a interrupção de dois anos por conta da pandemia da covid-19, a “Paixão de Cristo no Morro da Capelinha” ocorre em formato híbrido, com transmissão ao vivo pelo YouTube do Grupo Via Sacra. No local, haverá um telão Led de 10 por 6 metros, que vai passar a teatralização do Domingo de Ramos e Santa Ceia, a partir das 13h.  A organização aguarda 100 mil pessoas ao longo do dia e de cinco mil acompanhando o espetáculo de forma remota.

 

São 15 estações de cena e o momento mais esperado é o da ressureição, quando por meio de efeitos especiais, o ator que representa Cristo parece flutuar no ar. A organização reúne 1,4 mil participantes entre elenco principal e figurantes voluntários. Fechando o espetáculo, um show pirotécnico ao som do “Aleluia”, de Handel.

 

“Será um momento de exaltação à fé e de renovar esperança na volta à normalidade. Nossas tradições religiosas e culturais permaneceram inabaláveis e agora voltam com toda a energia, criando um clima de grande expectativa no segmento da economia criativa”, destaca o secretário Bartolomeu Rodrigues.

 

SORRIA, BRASÍLIA

 

♦ Mostra “Poema em Cartaz”, 19/04, às 11h;  contação de histórias do espaço infantil e inauguração de grafite “Livro da Rua”, no dia 23/04, às 10h.  

♦ Maratona de seis filmes emblemáticos (em curadoria) em sessões gratuitas no dia 22/04 em comemoração aos 62 anos do equipamento, nas sessões de 10h, 12h, 14h, 16h 18h e 20h. No dia 21/04, tem espetáculo comemorativo da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo.

♦ Atividades diversas com exibição de filmes diversos. Shows, exposição digital de fotografias, entre do dias 21 a 24 de abril.

♦ Atividades artísticas diversas entre 21 e 24 de abril, com apresentação da OSTNCS (21/04, às 20h); Festival de Orquestras Populares (22 a 24/04, das 18h às 22h), com ações lúdicas no gramado como desenhaço, piquenique cultural e atrações infantis.

♦ Reabertura da Gibiteca, que será batizada de TT Catalão, 21/04, às 15h. Já são quase dez anos que a Gibiteca do Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, está fechada. Importante na formação de ilustradores e quadrinistas brasilienses, o local voltará a ser espaço de efervescência. A Gibiteca foi fechada em 2013 para reforma, que só foi concluída em 2019, garantindo acessibilidade e um sistema de prevenção a incêndios. No segundo semestre daquele ano começaram os trabalhos para desencaixotar o acervo. Com a pandemia de covid-19, ficou impossibilitada a continuidade dos serviços, que foram retomados em 2022, com seleção e catalogação dos 25 mil gibis do acervo atual.

♦ Exposição permanente “Plano Piloto de Brasília”, projetado pelo urbanista Lúcio Costa. Como uma verdadeira viagem ao tempo, o visitante tem acesso a fotos e informações históricas, além de uma grande maquete da capital federal.

♦ “O Mestre e o Aprendiz”. Exposição de objetos e documentos pertencentes a Gervásio de Oliveira, que trabalhou como estagiário para Oscar Niemeyer no planejamento e construção de Brasília. Abertura 22/04, às 17h.

♦ Início dia 19/04, às 10h, com festividade em comemoração ao Dia do Índio, com canto da etnia tupinambá chamado “Oração para a Lua”, com a cantora Nívia Tupinambá, seguido por workshop de pintura corporal indígena.  Exposição “Artes e Cultura Indígenas” e feira étnica na área externa com shows. Atividades seguem até 24/04.

♦ O Museu que comemora um ano de reabertura terá ciclo de feiras criativas no hall com ênfase em moda, gastronomia. Será lançada a versão virtual do livro do MAB “Arte e Design em Brasília: 1950 a 2022” no site da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, no dia 21/04, quando um MAB comemora um ano de reabertura.

♦ Expositivo Principal: “Xingu 57″, fotografias de Domiciano Pereira de Souza Dias. Mezanino, “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”, de Raquel Nava.

♦ Exposição permanente, com frases talhadas no mármore branco que contam a história de interiorização da capital federal, desde o século 18 até sua inauguração.

♦ “Brasília Museu Aberto”. Exposição digital realizada por meio de projeção mapeada de obras de ícones artísticos da história de Brasília na fachada externa do Panteão da Pátria. Dia: 21/4, das 19h às 22h. Há ainda exposição sobre a vida e trajetória política de Tancredo Neves, além do “Livro de Aço dos Heróis da Pátria”, o “Mural da Liberdade de Athos Bulcão”. O público ainda vai conferir o painel “Inconfidência Mineira”, de João Câmara, e o vitral de Marianne Peretti.

CASA DO CANTADOR – Festival “Circularte”, festival de música brasileira, 23/04, às 19h.
MUSEU VIVO DA MEMÓRIA CANDANGA – Reabertura da exposição “Poeira Lona e Concreto” (20/04, às 15h), após restauro e higienização. Com acervo composto pelas edificações históricas, peças, objetos e fotos da época da construção de Brasília, a exposição permanente  narra a história da cidade, desde os projetos até a inauguração em 1960.
MUSEU DO CATETINHO – Reabertura, no dia 21/04, às 9h, da primeira residência oficial do presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek, durante a construção do novo Distrito Federal. O espaço ficou fechado desde o início da pandemia, em março de 2020, e agora reabre com manutenção de pintura externa e interna, limpeza do forro e troca de peças de madeira da estrutura, eliminação de orifícios no telhado, forro e paredes, revitalização do piso de pilotis, limpeza dos pisos do banheiro, num aporte de R$ 400 mil. A abertura de exposição memorial terá quarteto da OSTNCS.  Em seguida, segue a cerimônia de entrega da Medalha de Mérito Cultural “Seu Teodoro”, com apresentação do grupo homônimo.
COMPLEXO CULTURAL DE PLANALTINA – Exposição “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.  Mostra fotográfica, figurinos, cartazes e outras peças do acervo. Abertura: 20/4, às 20h.
COMPLEXO CULTURAL DE SAMAMBAIA – Ação de grafite na fachada (com lançamento do edital de chamamento público dia 20/04) e apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro dentro do projeto “Clássicos nas Cidades”, no dia 19/4, às 20h.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

 

Museu da Cidade 

9h às 18h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 18h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 18h – Exposição permanente.

Memorial dos Povos Indígenas

10h – Festividade do Dia do índio com canto da etnia tupinambá  “Oração para a Lua”, com a cantora Nívia Tupinambá. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas” Indígenas. Feira étnica.

Biblioteca Nacional de Brasília

11h – Poema em Cartaz.

Complexo Cultural Samambaia

20h – Concertos nas Cidades com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro no projeto “Clássicos nas Cidades”.

Museu da Cidade 

9h às 18h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 18h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 18h – Exposição permanente.

Biblioteca Nacional de Brasília

9h às 20h – Poema em Cartaz.

Memorial dos Povos Indígenas

10h – Exposição “Artes para Descobrir as Culturas”. Feira étnica.

Museu Vivo da Memória Candanga

15h – Reabertura da exposição “Poeira Lona e Concreto”.

Museu de Arte da Brasília

9h – Feiras étnicas, exposições.

Complexo Cultural de Planaltina

20h – Abertura da Exposição “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Museu do Catetinho

9h – Reabertura do espaço cultural revitalizado e cerimônia de entrega da Medalha “Seu Teodoro”, com quarteto da OSTNCS.

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “O Mito de Brasília”, gravuras de Pedro Garcia.

10h às 12h – Contação de histórias.

13h30 às 15h30 – Coisa Nossa

14h às 20h – Feira Colaborativa.

16h às 17h – Ellen Oléria.

18h às 20h – OSTNCS.

20h às 20h30 – Ballet dança by Juan Carlos Vega.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

Museu da Cidade 

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 17h – Exposição permanente.

19h às 22h– “Brasília Museu Aberto”.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h –  Exposição “Poeira Lona e Concreto”.

Complexo Cultural de Planaltina

9h às 19h – Exposição “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Nubia Batista, Eliaquim Camilo, Natasha Barros e Gilberto Cruz. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas”.

Espaço Cultural Renato Russo

15h – Reabertura da Gibiteca TT Catalão.

Concha Acústica

17h – Digão (Raimundos).

Cine Brasília

20h – Especial Os Melhores do Mundo.

Planaltina

9h – Troca da Pedra Fundamental.

 

Eixo Cultural

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “O Mito de Brasília”, gravuras de Pedro Garcia.

10h às 12h – Brincadeiras infantis com a Cia. de Teatro Mapati

14h às 20h – Feira Colaborativa.

16h às 17h30 – Banda Imagem

18h às 20h – Orquestra Popular do Recife.

20h às 22h – Orquestra Popular Quadrafônica.

Museu da Cidade 

9h às 17h – Exposição permanente.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 20h – Poema em Cartaz.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h –  Exposição “Poeira Lona e Concreto”.

Complexo Cultural de Planaltina

9h às 19h – Exposição  “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Mirim Ju Yan Guarani, Ian Wapichana, Gilberto Cruz e Oziel João Filho. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas”.

Cine Brasília 

10h às 22h – Sessões de mostra de filmes emblemáticos.

Espaço Oscar Niemeyer 

17h – Abertura “O Mestre e o Aprendiz”.

Concha Acústica

18h – “As Duas Faces”.

20h –  “Protegendo o Inimigo”.

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “O Mito de Brasília”, gravuras de Pedro Garcia.

10h às 12h – Palhacaria com os Irmãos Saúde.

14h às 16h – Desenhaço.

14h às 20h – Feira Colaborativa.

18h às 20h – Orquestra Popular Salve Glória.

20h às 22h – Orquestra Popular Rockfônica.

Museu da Cidade 

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – Exposição “Poeira Lona e Concreto”.

Complexo Cultural de Planaltina

9h às 19h – Exposição “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Kumuu Dan Wapichana, Heloísa Cruz de Araújo, Nívia Costa e Kessia Daline. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

11h – Contação de histórias no Espaço Infantil, inauguração do grafite “Livro da Rua”.

Concha Acústica

18h – “Trolls”

20h –  “Saída de Mestre”.

Casa do Cantador

19h – Festival “Circularte”

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “O Mito de Brasília”, gravuras de Pedro Garcia.

14h às 20h – Feira Colaborativa.

17h às 18h – Banda Terminal Zero

18h às 20h – Orquestra Alada Trovão da Mata.

20h às 22h – Orquestra Marefreboi.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

Museu da Cidade 

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República 

9h às 18h30 – Exposição “Xingu 57” e “Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria 

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – Exposição “Poeira Lona e Concreto”.

Complexo Cultural de Planaltina

9h às 19h – Exposição  “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Waurá, Ybá Sanenawa, Fernando Gomes e Javier. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas”.

Concha Acústica

18h – “Como Treinar o Dragão”.

20h –  “Cinema Paradiso”.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br