Governo do Distrito Federal
15/04/22 às 22h57 - Atualizado em 18/04/22 às 12h12

Via Sacra de Planaltina tem 100 mil pessoas

Texto: Lúcio Flávio (Agência Brasília) e Ianca Gomes (Ascom/Secec). Fotos: Hugo Lira e Tony Venturi. Ediçào: Ascom/Secec

14.04.22

23:00:00

 

 

  • O espetáculo da fé voltou a acontecer em Planaltina e emocionou fiéis que lotaram o Morro da Capelinha e não arredaram o pé nem com a forte chuva que caiu no fim da tarde desta sexta-feira (15).  A dramatização da morte e ressurreição de Jesus Cristo teve, neste ano, fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) de, aproximadamente, R$ 800 mil, assinado com o Grupo Via Sacra. O evento – realizado desde 1973 – completa 49 anos neste ano e teve transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da organização @viasacraoficial, com 126 mil visualizações.

     

    Leia mais

    Conheça a Via Sacra de Planaltina                                                                                                                                   

    Cultura garante a Via Sacra de Planaltina

 

Após dois anos sem a realização da Via Sacra de Planaltina por conta da pandemia, a tradicional festa popular mobilizou moradores de várias partes do DF.  A novidade desta edição foi a celebração da cruz presidida pelo arcebispo de Brasília Dom Paulo César – presente ao local pela primeira vez -, assistida também pelas autoridades que prestigiaram o evento, entre elas, o vice-governador Paco Britto, e os subsecretários da Secec, Aquiles Brayner (Patrimônio Cultural) e Sol Montes (Difusão e Diversidade Cultural).

 

“É importante o retorno de uma manifestação genuína e tão importante como a Via Sacra ao Vivo de Planaltina, patrimônio cultural do DF”, apontou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

 

 

 

 

 

Por volta das 16h, o público era de 20 mil pessoas, segundo informou o comandante Nava, da Polícia Militar. Segundo o militar, até o fim do dia, o total se aproximava de 100 mil pessoas. Os fiéis foram chegando aos poucos, devido à chuva que caiu no local, no início da

tarde.

 

Rafael da Silva Costa, padre da Paróquia São Sebastião, responsável pela missa realizada na Sexta-feira da Paixão no Morro da Capelinha, comemora a retomada da encenação, após dois anos de interrupção. “O pessoal estava com muitas saudades deste evento histórico em Planaltina e é justamente este o nosso tema de 2022. Poder compartilhar essa troca juntos é gratificante”, arrematou.

 

Foram seis meses de preparação para a realização das 15 estações da encenação. Desses, 40 dias só de ensaio com o ator Marcelo Augusto Ramos, que viveu o papel de Jesus. Ao todo, mil atores participaram da dramatização. Outros 400 participantes fizeram a figuração. Gente como a professora, Ingrid Paula, 26 anos, que desde os seis anos de idade atua na Via Sacra. “É marcante essa experiência, não tem como deixar de vivê-la”.

 

Com um terço pendurado ao corpo e uma camisa exaltando o céu, a auxiliar de nutricionista, Kátia Seleno Alves Ribeiro, 39 anos, estava animada por participar pela primeira vez do evento. Deslocou-se de Taguatinga até Planaltina para isso e não se arrependeu. “É a primeira vez que venho, sempre tive vontade de ver, mas ia adiando ano a ano”, conta. “Depois da pandemia decidi que era hora de vir, até como uma forma de agradecer pelas graças conquistadas diante desse grande problema enfrentado pela humanidade”, comenta.

 

Morador de Planaltina, todos os anos o vigilante Silvano Oliveira Lemos assiste à Via Sacra que se tornou num dos maiores encontros religiosos do DF. Só não foi nos últimos dois anos por conta do confinamento imposto e interrupção do evento. Este ano fez questão de ir com a família toda. “Valeu a pena, é hora de agradecer e louvar a Deus e não há lugar melhor para isso do que aqui no Morro da Capelinha”, admite. “Estávamos ansiosos pelo retorno do evento, a Via Sacra já faz parte de nossas vidas”, agradece.

 

Palco de gerações sucessoras, a Via Sacra de Planaltina também coleciona momentos que se repetem a cada nova geração familiar. Hebert Souza, 28, conta que frequenta a Via Sacra há mais de 15 anos e se sente membro do grupo. “Minha família sempre fez parte do grupo e eu nunca deixei de vir. Sempre que participei, não foi pelo espetáculo em si, e sim pelo sentimento que a Via Sacra me passa como cristão”, completou.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br