Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/07/19 às 11h00 - Atualizado em 10/07/19 às 17h39

Usuário da Biblioteca Nacional de Brasília recebe espaço reformado

COMPARTILHAR

Terceiro andar será reaberto dia 9 revitalizado e “área zen”, com cadeiras automáticas de massagem

 

Amanhã (9) será reaberto para a população o 3° andar da Biblioteca Nacional de Brasília, que passou por uma reforma, com substituição do forro de gesso do teto, manutenção de vidros, certificação do sistema elétrico e troca de tomadas, pintura e instalação de persianas. Foram também revitalizados banheiros e copas.

 

“A entrega cairá muito bem porque a BNB é intensamente utilizada pelos usuários da capital”, comemora o subsecretário de Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Cristian Brayner. Em junho, 7284 pessoas foram ao local para estudar e conhecer o espaço.

 

Os números de visitantes, no entanto, podem ser ainda maiores, uma vez que a BNB recebe turmas de alunos das escolas públicas e particulares para visita guiada sem entrar nas estatísticas.

 

O acervo de 30 mil títulos da biblioteca, dos quais 3 mil são infantis, é formado por obras de literatura, ainda que haja muito material técnico, utilizado principalmente por concurseiros, que vão atrás de coisas como “Fundamentos de física” e “Vade-mecum da língua portuguesa”.

 

Esse apreço pelo equipamento projetado por Niemeyer vai ganhar uma recompensa extra, adianta Brayner: “Iremos disponibilizar um espaço zen, composto por poltronas automáticas de massagem, destinadas a reduzir o stress dos estudantes. Afinal, tem gente que passa de seis a oito horas aqui dentro”. Os usuários poderão se utilizar desse conforto durante trinta minutos, monitorados por servidores da casa.

 

Novas intervenções

A Biblioteca Nacional de Brasília passará agora para uma reforma no segundo andar, nos moldes do terceiro, que deve ficar pronto em setembro. O quarto pavimento também receberá obras, de modo que o prédio esteja completamente restaurado para o aniversário de 60 anos da cidade em 2020. O custo total da obra está orçado em cerca de R$ 600 mil.

 

“É bom frisar que este não é um esforço isolado. Faz parte do compromisso da Secec com preservação do patrimônio tombado. Acabamos de entregar o Catetinho calafetado e o diagnóstico para restauração do Centro Cultural Três Poderes está bem adiantado”, afiança o subsecretário.