Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/06/18 às 12h20 - Atualizado em 28/06/18 às 12h20

Seminário marca avanço histórico para o desenvolvimento cultural

COMPARTILHAR

A Secretaria de Cultura, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), abriu na manhã desta quinta (28) a primeira edição do Seminário de Informações e Indicadores Culturais do DF, com participação de profissionais, pesquisadores e gestores da área cultural, reunidos na Biblioteca Nacional de Brasília para trocar experiências sobre como dados, indicadores e sistemas de informação podem fazer a diferença na elaboração de projetos, ações e políticas públicas culturais.

 

Acompanhe o seminário por meio de transmissão via streaming aqui

 

A construção de um sistema de indicadores e informações para a cultura do Distrito Federal é um dos compromissos prioritários desta gestão da Secretaria de Cultura desde 2015. Com a aprovação da Lei Orgânica da Cultura (LOC), no ano passado, o primeiro passo neste sentido foi dado. “Este seminário é a consolidação de todo esse trabalho para que, até o fim do ano, implantemos o sistema e que possamos então caminhar pra ter dados, informações e indicadores para nortear a política pública daqui pra frente. É uma grande vitória do setor cultural”, avaliou o secretário de Cultura, Guilherme Reis, na abertura do evento.

 

Para Isabel de Paula, coordenadora de Cultura da Unesco, a organização advoga pelo direito da cultura e realiza cooperações técnicas internacionais, como a que está em curso com a pasta, no sentido de se haver mecanismos claros e eficazes para se medir o impacto do setor na cadeia produtiva. “A cultura é um pilar muito importante do desenvolvimento urbano e sustentável. Do ponto de vista da ONU, ter estes indicadores ajuda na mensuração das políticas promovidas em defesa da diversidade cultural, por exemplo, como o mapeamento de terreiros do Distrito Federal”, observa.

 

Presidente da Codeplan, Lúcio Rennó apresentou as surpresas das últimas pesquisas da empresa pública, que apontaram um crescimento notável de empreendedores culturais, a partir das análises das atividades dos microempreendedores individuais que atuam no setor criativo do DF. “Fica muito clara a pujança da cultura. Ela mobiliza uma quantidade significativa de pessoas e de recursos. Nossa crença é muito forte de que o desenvolvimento do Distrito Federal passa pela indústria criativa”, diz.

 

O seminário

 

Com o tema central “Cultura na era da Informação e do Conhecimento”, o 1º Seminário de Informações e Indicadores Culturais do DF terá uma programação dinâmica com convidados nacionais e internacionais até a sexta (29). Serão dois dias com mesas redondas, palestras, diálogos em formato de entrevista e oficina para interação, produção colaborativa e trocas de experiências sobre usos de dados, elaboração de indicadores, construção de narrativas, redes e tecnologia no monitoramento e avaliação da produção cultural.

 

ÀS 19h de quinta (28), será apresentado d ID Cultura, cadastro único de todos os agentes culturais do Distrito Federal. O serviço vai funcionar como uma espécie de identidade digital, agregando todos os dados cadastrais dos profissionais que fazem cultura no DF. O ID Cultura é um importante passo para a implementação do Sistema de Informações e Indicadores Culturais do Distrito Federal, previsto na Lei Orgânica de Cultura (LOC).

 

A ferramenta vai trazer uma série de benefícios para os agentes culturais, entre eles a simplificação do cadastro no banco de dados da Secretaria de Cultura. O artista e produtor cultural poderá solicitar a qualquer tempo seu Certificado de Ente e Agente Cultural (CEAC) de forma rápida e desburocratizada. Não haverá mais necessidade, por exemplo, de fazer pessoalmente a entrega da documentação para esse cadastramento.

 

Além disso, o próprio agente cultural poderá manter dados pessoais e documentos sempre atualizados. O ID Cultura também está atrelado ao Mapa nas Nuvens, plataforma que agrega as informações de quem faz cultura em todo o Distrito Federal.

 

Serviço:
1º Seminário de Informações e Indicadores Culturais

Data: 28 e 29 de junho, das 9h às 19h
Local: Biblioteca Nacional de Brasília
Inscrições: https://goo.gl/forms/eldOvaJXJ1Ig9wJZ2
Mais informações: (61) 3325-5212 ou 3325-6108

 

Programação Completa

 

1º Seminário de Informações e Indicadores Culturais

 

28/06 (quinta-feira)

 

8h30 às 9h – Credenciamento

9h às 10h – Abertura

10h às 12h – Mesa “Fontes integradas e qualidade de dados na gestão cultural”, com Maria Luzia Zacharias, Hesley Py (IBGE) e Bruno Cruz (Codeplan)
Mediação: Daniele Dantas

14h às 16h – Mesa “Referenciais para monitoramento, avaliação e tomada de decisão”, com Enrique Saravia, Jainite Rueda Ramos (Subdiretora de Avaliação e Monitoramento de Programas da Secretaria de Cultura da Cidade do México) e Álvaro Santi (Observatório da Cultura de Porto Alegre/RS)
Mediação: Martina Rillo Otero (Instituto Fonte)

16h30 às 18h – Diálogos sobre sociedade do conhecimento: teias, redes e dados nas tomadas de decisão – José Murilo (IBRAM) entrevista Clorisval Pereira Junior (Departamento de Artes e Design da PUC/RJ)

18h às 19h – Diálogos sobre cultura, tecnologia e futuro – Sérgio Amadeu (UFABC) entrevista Cissi Montilla (México)

19h– Apresentação do ID Cultura

 

Dia 29/06 (sexta-feira)

 

9h às 10h30 – Diálogos sobre o papel da participação social na produção de dados – Leonardo Germani (UFG) entrevista Gilberto Vieira (DATA LABE/RJ)

10h30 às 12h – Oficina sobre produção colaborativa de dados e indicadores locais e comunitários: uma perspectiva para produtores culturais, com Gilberto Vieira (DATA LABE/RJ)

14h às 16h – Provocações sobre “Inovação Social Digital: controle social e cidadania ativa”, com Ricardo Poppi (Instituto Cidade Democrática)

16h às 17h – Networking Coffee: “Você usa dados em suas ações estratégicas na cultura?”, com facilitação de Daniele Dantas

17h às 18h – Palestra “Sociedade Pólen: trabalho cultural em rede e capitalismo cognitivo”, com Giuseppe Cocco (UFRJ)