Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/06/19 às 15h19 - Atualizado em 10/06/19 às 20h22

Secretário Especial de Cultura visita Teatro Nacional e sinaliza com recursos para reforma

COMPARTILHAR

Subsecretário de Patrimônio avalia que interesse de Henrique Pires mostra que equipamento é importante para o país

 

O secretário Especial de Cultura, Henrique Pires, visitou hoje (10) O Teatro Nacional Claudio Santoro, na companhia do secretário executivo de Cultura e Economia Criativa (SECEC), Cristiano Vasconcelos, e o subsecretário da pasta para o Patrimônio Cultural, Cristian Brayner. O objetivo da visita de cortesia foi o de avaliar como o governo federal pode ajudar na recuperação do espaço, fechado desde 2014.

 

“A reforma em módulos é uma saída perfeita, com foco na solução de problemas pontuais e adequações para atender às demandas acessibilidade e segurança”, avaliou Pires, que acenou com a possibilidade de recursos federais para ajudar a reabrir o cartão postal de Brasília. “Há a possibilidade de usarmos o orçamento federal ou recursos do Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos, onde a Cultura tem assento”, disse o representante do governo federal.

 

O Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, ligado ao Ministério da Justiça, é constituído por verbas de condenações judiciais, multas e indenizações. O secretário executivo da SECEC informou que a pasta vai entrar com um projeto para acessar o recurso. “Estamos revendo valores do projeto original de revitalização e já solicitamos uma atualização das demandas do Ministério Público e Bombeiros”, disse Vasconcelos.

 

Levantamento da SECEC mostra que os sistemas elétrico, hidráulico, anti-incêndio, maquinários de palco estão funcionando, com necessidade de manutenções pontuais. “A situação é muito melhor do que a impressão que se formou sobre o estado do teatro. A visita do secretário Nacional de Cultura aqui hoje mostra que estamos tratando de um patrimônio que tem importância para o país inteiro, não só para Brasília”, acrescentou Brayner.

 

Os três gestores percorreram os principais espaços do Teatro Nacional, como a Sala Villa-Lobos, de 1.407 lugares, a Martins Penna, com 407 assentos, além de passagens internas, camarins e salas de máquinas dos palcos. A estratégia de recuperação do Teatro Nacional envolve a recuperação do equipamento em etapas, com a entrega da Martins Penna para o aniversário de 60 anos da capital no ano que vem.