Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/10/19 às 16h18 - Atualizado em 22/10/19 às 16h23

Secretário discute projetos culturais para Samambaia com o administrador Gustavo Aires

COMPARTILHAR

O secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec) Adão Cândido recebeu nesta segunda-feira (21), o administrador da Região Administrativa (RA) de Samambaia, Gustavo Aires. O encontro teve como pauta a discussão sobre as políticas públicas de cultura e a gestão do Complexo Cultural de Samambaia.

 

Também estiveram presentes na reunião, os conselheiros de cultura da RA, Ricardo Zen, Demontiez Marques, Jadiel Teles, Ronald Marques, Nilson Souza e Paulo Atos, que falaram sobre a representatividade cultural que Samambaia possui para a cultura do Distrito Federal.

 

Com a cena do rock muito fortalecida na RA, os agentes culturais convidaram o secretário para participar do evento que marca as comemorações de 30 anos de Samambaia, a 21ª edição do festival “Samamba Rock”. Com apoio do Fundo de Apoio à Cultura – FAC, o evento reúne bandas do rock nacional, também realiza uma ação social, através da doação 1 quilo de alimento em troca do ingresso para os shows.

 

Outro ponto discutido pelo administrador e pela comunidade cultural foi o desempenho da gestão dos espaços culturais da RA. Para o administrador Gustavo Aires, o Complexo Cultural Samambaia é um dos espaços mais privilegiados para a cultura do Distrito Federal. “Fui surpreendido com a força cultural de Samambaia e quero apoiar e ouvir o movimento cultural local” declarou.

 

Adão Cândido endossou a importância em estabelecer um bom diálogo com o movimento cultural das Regiões Administrativas. O líder da pasta destacou os investimentos feitos para o espaço, assim como as políticas públicas aplicadas. Cândido destacou o edital do FAC Ocupação, que tem por objetivo promover a democratização, através da seleção de projetos culturais para ocupação de espaços e equipamento públicos. “A nossa preocupação é acertar no fluxo de investimento para o equipamento, fazendo com que a comunidade usufrua. O diálogo entre a Secec e o movimento cultural está sempre aberto”, reforça.