Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/08/21 às 21h22 - Atualizado em 28/09/21 às 14h48

Após manutenção, Secec reabre a Concha Acústica

COMPARTILHAR

Texto: Loane Bernardo/ Edição: Sérgio Maggio (Ascom Secec)

13.8.21

00:01:10

 

OUÇA RESUMO DA NOTÍCIA

 

 

Dedicada às apresentações artísticas ao ar livre, a Concha Acústica volta a fazer parte do cenário cultural do DF a partir da  quinta-feira (19.8). A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) executou uma reforma de manutenção no valor de R$ 422 mil, e o equipamento cultural ressurge, nesse cenário de retomada presencial, com uma programação que envolve cinema, oficinas e apresentações artísticas dentro do projeto “Complexo Cultural Beira Lago”, Termo de Fomento celebrado com a Organização da Sociedade Civil (OSC) Amigos do Futuro, no valor de R$ 500 mil, com geração de 25 empregos diretos e 210 indiretos.

 

As últimas apresentações da Concha Acústica foram em dezembro de 2019. O equipamento estava funcional, apesar apresentar necessidade de manutenção. Em março, o espaço entrou na quarentena da pandemia da Covid-19 e foi traçado um planejamento para a reforma.

 

“Dentro da nossa política de reativar os nossos espaços culturais, a Concha Acústica está pronta para a sua reabertura, com uma grande festa e eventos que promovem a cultura e a economia criativa em todo o DF. Teremos de volta esse grande patrimônio da cultura de todo o Distrito Federal”, celebra o secretário Bartolomeu Rodrigues.

 

Leia mais

Dez shows históricos da Concha 

 

COMPLEXO CULTURAL

Foto: Clarabóia Filmes

Palco consagrado de grandes nomes da música e da arte nacional, como o antológico show da Jovem Guarda, de 1967, que reuniu Roberto, Erasmo Carlos e Wanderléa, o espaço ganhou melhorias entre março e agosto deste ano.

 

O investimento incluiu a pintura completa e regularização das placas de concreto danificadas que compõem o piso; a revitalização do alambrado; pintura das estruturas; instalação de refletores; substituição de vidros e aplicação de película; pintura dos batentes de proteção da guarita; limpeza das lajes; pintura nas faixas do estacionamento; roçagem e reparos hidráulicos/elétricos.

 

“A Secec visualizou a Concha e o MAB abertos e bem-cuidados de volta a fomentar a economia criativa de Brasília. É dessa ideia que nasceu o Complexo Cultural Beira Lago, envolvendo os dois equipamentos públicos”, destaca o secretário-executivo, Carlos Alberto Jr.

 

Essa é mais uma ação do projeto Brasília, Cidade Patrimônio, da Secec, que investiu, só no primeiro semestre de 2021, R$ 2 milhões em melhorias de equipamentos gestados pela Secec.

 

No comando do Museu de Arte de Brasília e da Concha Acústica, o gerente Marcelo Gonczarowska considera que a pandemia acabou por mostrar a importância de conservar os espaços de cultura a céu aberto no Distrito Federal.

 

“A retomada da programação na Concha Acústica é o primeiro passo para a reapropriação desse local pelos brasilienses e pelos turistas. Assim, a Concha forma, com o MAB e os restaurantes da Orla do Lago Paranoá, um novo polo cultural de Brasília”, complementa.

 

ABERTURA EMOCIONADA

 

Para embalar os ritos da reabertura do dia 19.8, haverá uma programação que mistura música clássica, popular, dança e cinema. A entrada é gratuita, mas limitada por conta do decreto de segurança de retorno presencial aos espaços públicos. Todas as medidas sanitárias serão obedecidas. Por essa razão, o limite de público corresponderá a 30% (1.500) da capacidade de 5000 lugares. Os ingressos já podem ser reservados no site oquevemporai.com.

 

As apresentação começam, às 18h30, com os grupos de dança Orbital e o Ballet Mylene Leonardo. Integrante do Orbital, Luciana Pacheco destaca o entusiasmo da equipe em participar dessa reabertura de um dos espaços mais emblemáticos do DF.

 

“Nesse momento, no meio de tantas dores em função da pandemia, essa reinauguração significa também a possibilidade concreta de levar um respiro e mais leveza para a cidade”, celebra.

 

Na sequência, o grupo de balé de Santa Maria, Mylene Leonardo, apresentará um número inspirado em vivências nordestinas de raiz, que contempla desde os indígenas da região, o movimento cangaceiro e a literatura de Ariano Suassuna.

 

“Meu intuito é colocar Santa Maria no mapa em relação à cultura erudita. Nessa oportunidade, com um tema sobre cultura popular erudita brasileira, acredito que conseguirei”, aponta a bailarina Mylene Leonardo.

 

A noite segue com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, que sobe ao palco numa composição de cordas e bateria de 25 músicos. A OSTNCS fará um concerto com obras que variam do erudito ao popular, com Mozart, Astor Piazzolla, John Williams e Ennio Morricone. Haverá ainda um destaque para temas da Jovem Guarda com a participação do cantor Fábio Viana.

 

“Será uma grande emoção para a Orquestra retornar ao palco da Concha Acústica. Temos ótimas recordações das apresentações nos anos 1980, sob a direção do maestro Claudio Santoro. Eram concertos que reuniam milhares de pessoas para ouvir música clássica”, comemora regente da Orquestra, maestro Claudio Cohen.

 

 

O filme “O Outro Lado do Paraíso”, de André Ristum, o último filmado no Polo de Cinema e Vídeo Grande Othelo, em 2013, fecha a noite. O longa-metragem de R$ 8,8 milhões recriou uma cidade cenográfica de 15 mil metros quadrados para reconstituir a periferia de Brasília em 1964, num rigor estético e artístico impressionantes. Baseado na obra homônima de Luiz Fernando Emediato, o filme ganhou sete prêmios na Mostra Brasília do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB).

 

PROGRAMAÇÂO 19/8

18h30, Grupo de Dança Orbital

18h40, Balé Mylene Leonardo

19h, OSTNC

20h – Filme: O Outro Lado da Paraíso

Ingressos: oquevemporai.com

Entrada gratuita

Somente serão distribuídos ingressos para 30% da ocupação do espaço

Uso de máscaras será obrigatório

 

OFICINAS E FEIRAS

Com programação que vai até dezembro, o Complexo Beira Lago oferece gratuitamente 24 oficinas de capacitação e formação gratuitas nas áreas de arte, história tecnologia, introdução à escultura, desenho, gravura e pintura, dentre outras. Ao todo, serão 96 horas de ações formativas na Sala Multiuso do MAB. Cada aula será independente, e os interessados podem optar por fazer várias oficinas. As inscrições estão abertas e são feitas por telefone no (61) 3306-1375.

 

Veja a lista de oficinas

OFICINAS

 

Além disso, o público poderá aproveitar as feiras colaborativas de artesanato, literatura, moda e gastronomia.

20/8 a 22/8 – Circuito de Feiras Colaborativas da área cultural (Artesanato)

27/8 a 29/8 – Circuito de Feiras Colaborativas da área cultural (Literatura)

3/9 a 5/9 – Circuito de Feiras Colaborativas da área cultural (Moda)

10/9 a 12/9 – Circuito de Feiras Colaborativas da área cultural (Gastronomia)

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br