Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/11/18 às 14h36 - Atualizado em 13/11/18 às 14h36

Produção musical no DF se fortalece como política pública

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Cultura lançou mês passado a Política Setorial da Música do Distrito Federal, que visa estimular o mercado criativo neste setor com objetivo de posicionar o DF como polo de criação, produção, pesquisa, formação, inovação e difusão de variadas linguagens e segmentos musicais.

Os objetivos desta política pública foram apresentados à comunidade artística, no dia (23), no Espaço Cultural Renato Russo – 508 Sul. O evento contou com as presenças de Robert Singerman, Eli Moura, Dani Ribas e Higo Melo em mesas redondas sobre a situação dos mercados da música no Distrito Federal, no Brasil e em outros países.

Ao todo, seis políticas setoriais compõem a Política Distrital das Artes do DF: Política de Estímulo e Valorização da Dança; Política de Audiovisual do DF; e Política Cultural de Leitura, Escrita e Oralidade, Política de Artes Visuais (já lançadas) e Política Setorial do Teatro, que será publicada até o final do ano.

Confira a seguir algumas das estratégias previstas na Política Setorial da Música:

  • – Incentivo à formação, qualificação, capacitação especializada e aperfeiçoamento continuado dos agentes sociais e econômicos da música;

  • – Apoio contínuo a festivais musicais, feiras, seminários, encontros e outros eventos;

 

  • – Sensibilização de novos públicos para conteúdos, bens e serviços musicais do DF, contribuindo para a inserção da música nos processos e nos espaços educativos;

  • – Estímulo ao empreendedorismo, à inovação e ao desenvolvimento sustentável dos empreendimentos, cadeias e arranjos produtivos da música;

  • – Valorização de espaços culturais que propiciem a criação e fruição musical, especialmente a partir de produções autorais, contribuindo para a criação de um ambiente artístico dinâmico;

  • – Adoção de políticas inclusivas e afirmativas em todos os elos da cadeia produtiva de música, respeitando a diversidade e os direitos culturais de grupos historicamente excluídos;

  • – Incentivo a programas e ações de acessibilidade para garantir a presença de pessoas com deficiência na produção e fruição de obras e atividades musicais.

Retrato do Mercado da Música no DF”, com Dani Ribas e Higo Melo. Mediação de Gustavo Vidigal, assessor especial em Economia Criativa