Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/11/20 às 11h59 - Atualizado em 16/11/20 às 19h53

Por três edições, Leila Diniz foi musa absoluta do Festival de Brasília

COMPARTILHAR

Texto e edição: Sérgio Maggio (Ascom/Secom)

04/11/2020

09:38:27

 

Em 1966, a mulher brasileira contemporânea fazia a sua revolução nas telas do cinema. E nenhum nome representava tão bem esse levante de comportamento contra o machismo do que o de Leila Diniz. Na II Semana do Cinema Brasileiro, que, no ano seguinte, transformava-se em Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB), a musa de todas as estações subiu ao palco do Cine Brasília para a apresentação da película “Todas as Mulheres do Mundo”, do cineasta e então companheiro, Domingos de Oliveira. Ali, estreante, arrancava os sapatos e os atiçava para o alto.

 

Era o sinal de que, mesmo sob a mira da ditadura militar, Brasília podia ser feminina, debochada e progressista. Os sapatos de Leila Diniz voaram sob gritos, gargalhadas e aplausos. Um deles caiu sobre o colo de um espectador que o pegou como se fosse um cobiçado Candango. A ex-professorinha e agora atriz não estava para brincadeiras. Ali, descalça e olho no olho com a plateia, erguia seu corpo como arma contra as estruturas arcaicas de poder e de comportamento que amordaçavam o país.

 

“Sobre minha vida

e meu modo de viver

não faço o menor segredo,

sou uma moça livre!”

Leila Diniz

 

Com inscrições abertas até 10 de novembro, o FBCB segue sua continuidade na 53ª edição, que acontece de 15 a 20 de dezembro, com exibição no Canal Brasil e streaming Play Brasil. Em apenas dez dias de inscrições abertas, 398 obras foram cadastradas para a seleção das mostras Competitiva e Brasília.

 

Leia mais:

ENTREVISTA/BARTOLOMEU RODRIGUES: “Teremos o melhor festival de cinema já realizado em tempos de pandemia”

Curador do 53º FBCB, Silvio Tendler ergueu, nas telas, um Brasil “utopias e barbáries”

Abertas as inscrições de filmes para o 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 

Cineastas brasileiros comemoram a continuidade do Festival de Brasília

Festival de Brasília nasceu do sonho de um humanista louco por cinema

Festival de Brasília foi o ninho para o Cinema Novo voar

 

Inscreva-se na 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB)

Mostra Competitiva

Mostra Brasília

 

MENÇÃO HONROSA

Naquele ano de 1966, Leila Diniz combinou como ninguém os sentidos da vida. Protestou, militou pela educação e encheu de felicidade os bastidores da Semana de Cinema. Como uma mulher política, integrou a comitiva que se encontrou com autoridades do DF para discutir educação pública. Saiu daqui com uma Menção Honrosa do júri oficial pela atuação em

“Todas as Mulheres do Mundo”. Coube a Helena Ignez, outra beldade, o Candango de Atriz.

 

“Todo mundo ficou

encantado com Leila.

Ela era uma atriz

em começo de carreira,

mas estava tão bem no

filme que a gente

esquecia que era

uma iniciante

Domingos de Oliveira

 

Arquivo/FBCB

Leila Diniz em “Edu Coração de Ouro”: Atriz encheu a edição de luz

 

Antes do trágico acidente aéreo que a matou em 1972, Leila Diniz voltaria ao Festival de Brasília mais duas vezes. Aportava em Brasília cada vez mais mítica e ícone da liberdade da mulher brasileira. Separada de Domingos de Oliveira, veio em 1967 com “Edu, Coração de Ouro” (de 1967), filme que teve críticas mornas.

 

Com luminosidade e carisma, atraia as câmeras da imprensa. Foi vista em eventos paralelos, como uma cerimônia no Itamaraty e em um badalado encontro de artistas no Iate Clube. Os jornais atribuíram à atriz o papel de ter tirado a edição de um certo marasmo.

 

 

Em 1970, na exibição de “Os Deuses e os Mortos”, de Ruy Guerra, grande vencedor do Candango, a passagem de Leila Diniz por Brasília foi colossal. Ela foi clicada se divertindo na piscina do Hotel Nacional, um dos espaços preferidos dos artistas. Em uma das fotos de Orlando Britto, aparece de biquíni deitada numa cadeira de sol a se espreguiçar de felicidade. A imagem de 1970, um dos piores e mais sangrentos anos da ditadura militar, é uma crônica da vida intensa.

 

“Naquele ano, as estrelas da festa eram o diretor Ruy Guerra e as atrizes Ana Maria Magalhães e Leila Diniz. Eu era um jovem fotógrafo do jornal “O Globo” e fui pautado para cobrir o festival. Ia à noite para o Cine Brasília, onde havia as projeções dos filmes e, durante o dia, para o Hotel Nacional. Foi lá que fiz essa foto dos três artistas na piscina”, conta Orlando Brito.

 

Já em sua quarta edição, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro era um dos raros espaços para debates e contestação ao regime militar. Estava na mira da censura e da repressão. Não demoraria muito para ser interditado entre 1972 e 1974. Leila Diniz, infelizmente, já não estava mais entre nós. Mas sua festa feminina e revolucionária segue viva até os dias de hoje, onde a luta da mulher contra o machismo brasileiro segue no front.

 

Fontes de Pesquisa:

“Festival 40 anos, a Hora e Vez do Filme Brasileiro”, de Maria do Rosário Caetano.

“30 Anos de Cinema e Festival, a História do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro”, coordenação de Berê Bahia.

Blog “Com a Palavra, a Fotografia”, de Orlando Brito.

“Pasquim”, entrevista de Leila Diniz

Edições do “Correio da Manhã”, “O Globo” e “Correio Braziliense”, de 1966, 1967 e 1970.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec) 

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br