Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
31/10/22 às 16h17 - Atualizado em 31/10/22 às 16h23

Orquestra traz programação imperdível

Texto: Alexandre Freire. Edição: Ascom Secec

 

Público assiste a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro

OSTNCS se apresenta no Complexo Cultural de Samambaia. Foto: Marina Gadelha

 

Novembro traz muitas atrações com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS), equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec). O penúltimo mês do ano começa com uma adaptação para crianças e adultos do clássico dos irmãos Grimm “João e Maria”, inclui eventos que celebram a escolha de Brasília como Capital Ibero-americana das Culturas 2022, uma celebração ao centenário do rádio no Brasil e ainda revisita clássicos da música universal.

 

“A Orquestra presta mais uma homenagem às crianças, cujo mês foi comemorado em outubro, agora com a ópera infantil João e Maria”, conta o regente da OSTNCS, Cláudio Cohen. Já o Concerto Ibero-americano se soma às ações da Secec na celebração do título concedido pela União das Cidades Capitais Ibero-americanas (UCCI). “Serão 18 países representados com suas músicas neste concerto”, revela Cohen, que comandará essas apresentações.

 

Sobre o centenário do rádio, cuja primeira emissão no Brasil foi em 1922, o maestro lembra que “o veículo sempre foi um poderoso meio de comunicação para difusão de cultura. Basta lembrar da passagem do compositor e arranjador gaúcho Radamés Gnatalli na Rádio Nacional nos anos 1930 e 1940. Radamés criou arranjos elaborados para as músicas populares utilizando formações tradicionais da música erudita como quartetos de cordas e a orquestra sinfônica”, explica. A apresentação será no dia 16, no auditório do Museu Nacional da República, quando Cohen regerá clássicos como “O Guarani”, de Carlos Gomes, “Aquarela do Brasil”, de Ari Barroso, além de outras músicas bem conhecidas, entre Tom Jobim e Milton Nascimento, por exemplo.

 

CONTO ATUALIZADO

Duas pessoas fantasiadas conversam

Ópera infantil revisita clássico “João e Maria”. Foto: Divulgação

Entre os concertos dedicados às crianças em novembro está “A Nova História de João e Maria”, uma adaptação da ópera de Engelbert Humperdinck (1854-1921), assistente de Richard Wagner e um dos últimos compositores alemães do período romântico. Na versão que sobe ao palco do Teatro Plínio Marcos, com direção cênica de James Fensterseifer e produção da Cia de Cantores Líricos de Brasília, o conto de fada traz novidades.

 

A soprano Renata Dourado, que comanda a companhia, fundada em 2008, explica que a ópera é um espetáculo voltado para crianças e para a formação de plateia. “Toda em português, é um espetáculo leve, dinâmico, divertido. As crianças já conhecem a história, mas a montagem traz como novidade duas fadas que foram acrescentadas à narrativa, o que lhe aumenta o encanto”, conta.

 

“As pessoas acham a ópera um espetáculo elitista, mas a gente vem popularizando o gênero, inclusive com apresentações em várias regiões administrativas do DF”, diz Renata. A Cia de Cantores Líricos de Brasília começou com pequenos recitais e óperas com até três personagens, mas cresceu para montagens maiores e já produziu clássicos, como Carmen de Bizet, por exemplo.

 

CAPITAL IBERO-AMERICANA

Brasília celebra, ao longo de todo o ano de 2022, o título de Capital Ibero-americana das Culturas e, com isso, vem promovendo eventos para divulgar a cultura das capitais que fazem parte da UCCI, organização internacional cujos objetivos são de promoção do diálogo intercultural e o entendimento mútuo entre a cidadania ibero-americana e sua abertura ao mundo. Serão dois concertos dentro dessa iniciativa, em 8 e 17 de novembro.

 

O primeiro acontece em colaboração com o Grupo de Países da América Latina e Caribe (Grulac), que é um dos cinco grupos regionais da Organização das Nações Unidas (ONU), composto por 33 países-membros da América Central e do Sul, além de algumas ilhas das Índias Ocidentais, e representa 17% de todos os membros da ONU.

 

“O Concerto Ibero-americano do Grulac, que se encontra sob a coordenação de Barbados junto com Panamá, busca trazer uma experiência única para brasileiros que estejam interessados em conhecer um pouco mais da cultura dos seus países vizinhos, dando visibilidade ao trabalho de músicos latino-americanos e caribenhos”, diz Annais Martinez, embaixadora assistente de Barbados. Dois músicos vizinhos convidados se apresentarão: o contrabaixista Ricardo Zúñigado, do Panamá, e o violinista Gustavo Daniel Barrientos Giménez, do Paraguai. Entre as composições do programa estão El Manisero, de Cuba; Tango em Negro, da Argentina; El Sombrero de 3 Picos, da Espanha; Acuarela, da Colômbia; Urbano, do México; entre outros.

 

Já o segundo concerto com essa temática no mês de novembro acontecerá dentro da Festa Ibero-americana. A apresentação do grupo de metais e percussão da OSTNCS é uma das atrações do evento, que está sendo organizado pela Secec com apoio da organização da sociedade civil Associação de Educação, Esporte, Cultura e Economia Criativa (AECEC).

 

SAMAMBAIA E CLÁSSICOS

O Complexo Cultural de Samambaia (CCS) receberá no dia 10 o concerto “Clássicos Brasileiros e Universais”. O espaço da Secec recebeu a Orquestra pela primeira vez em 2019, na comemoração do aniversário da cidade. Neste ano, em abril, o CCS foi sede de três concertos do projeto “Orquestra nas Cidades”, que descentraliza apresentações da Sinfônica pelo DF. Agora, mais uma vez, em comemoração aos 33 anos do aniversario de Samambaia, a Orquestra retorna ao CCS, para se apresentar no Cine Teatro Verônica Moreno. “É sempre uma grande expectativa receber a Orquestra, é um presente merecido para a comunidade de Samambaia”, comemora a gerente do espaço, Suellem Rodrigues.

 

 

O fechamento do mês revisita autores clássicos da música erudita como Beethoven, Brahms, Wagner, Mozart e Bela Bartok, em dois concertos com maestros convidados. No dia 22, o belo-horizontino Sílvio Viegas, regente titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e da Orquestra Provincial de Santa Fé, na Argentina, além de professor de regência na Universidade Federal do Rio de Janeiro, assume a batuta.

 

“Faremos uma noite com obras de dois dos mais importantes compositores alemães da história: Beethoven e Brahms. De Beethoven, teremos a ‘Abertura Egmont’, inspirada em obra homônima de Goethe, uma das peças mais dramáticas e teatrais do compositor, além do ‘Concerto nº 4 para Piano e Orquestra, em Sol Menor’, tendo como solista a fantástica pianista alemã Corinna Simon. De Brahms, faremos sua ‘Sinfonia nº 2’, talvez a sinfonia mais brilhante e vigorosa deste maravilhoso compositor, que mostrará toda a qualidade da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro”, ressalta.

 

Na semana seguinte é a vez do maestro argentino Luis Gorelik, titular da Orquestra Sinfônica de Entre Ríos desde 2010. Ele tem uma grande carreira internacional, tendo dirigido importantes orquestras e teatros pelo mundo. Sobre o programa de 29 de novembro, composto por Wagner, Mozart e Bela Bartok, ele diz que, “sem dúvida, o trabalho de Bartok é o mais atraente, inovador e desafiador, tanto para a orquestra quanto para o público”. Ele também explica que, escrito entre 1943 e 1944, o concerto apresenta “uma engenhosa combinação de diferentes técnicas de composição que Bartok experimentou desde os seus primeiros anos na música”.

 

Participa dessa apresentação da Orquestra, como solista na peça de Mozart, o músico André Kerver, clarinetista solo da Netherlands Symphony Orchestra por 30 anos. Ele apresenta-se mundialmente como professor, solista e músico de câmara e gravou vários CDs. “Feliz por estar de volta a Brasília. Vou tocar o concerto de Mozart em um belo instrumento, o chamado ‘clarinete basete’, que é um pouco mais longo que o normal e, portanto, tem um baixo espetacular. Uma versão moderna do instrumento tocado no tempo de Mozart”, conta. “Quando me apresentei como solista com a Orquestra do Teatro Nacional, há mais de 20 anos, uma linda mulher sentou na primeira fila e se tornou o amor da minha vida. Mais uma razão pela qual eu amo tanto vir aqui. Obrigado, Brasília”, emociona-se.

 

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

01/11 – Concerto Didático: Ópera João e Maria

9h

Destinado às escolas públicas

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

01/11 – Concerto Infantil: Ópera João e Maria

20h

Com a Cia de Cantores Líricos de Brasília

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

08/11 – Concerto Ibero-americano (GRULAC)

20h

Músicas de 18 países ibero-americanos: Cuba, Honduras, Nicarágua, Bolívia, Colômbia, México, Argentina, Panamá, Portugal, Peru, Paraguai, Chile, Costa Rica, El Salvador, Equador, Espanha, República Dominicana e Guatemala

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

10/11 – Concerto Didático

9h

Destinado às escolas públicas

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

10/11 – Concerto Clássicos Brasileiros e Universais

19:30h

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Complexo Cultural de Samambaia

 

Foto de Hugo Lira

16/11 – Concerto do Centenário da Rádio (ABERT)

10h

Programa:

– Carlos Gomes – Abertura Guarani (Vinheta)

– Ary Barroso – Aquarela do Brasil

– Tom Jobim e Vinicius de Morais – Garota de Ipanema

– Milton Nascimento – Coração de Estudante

– Tribalistas – Velha Infância

– Tom Jobim – Chega de Saudade

– Zequinha de Abreu- Tico Tico no Fubá

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Auditório do Museu da República

 

17/11 – Concerto Didático

9h

Destinado às escolas públicas

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

17/11 – Festa Ibero-americana (UCCI)

20h

Participação do Grupo de Metais e Percussão da OSTNCS

Regência: Maestro Cláudio Cohen

Local: Eixo Cultural Ibero-americano

 

22/11 – Concerto

20h

Programa:

– L.v.Beethoven – Abertura Egmont Op.84

– L.v.Beethoven – Concerto para Piano no.4 em sol maior Op.58

– Johannes Brahms – Sinfonia no.2 em re maior Op.73

Piano: Corinna Simon

Regência: Maestro Silvio Viegas

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

29/11 – Concerto

20h

Programa:

– Richard Wagner – Abertura Os Mestres Cantores de Nuremberg

– W.A.Mozart – Concerto para Clarineta e Orquestra K.622

– Bela Bartok – Concerto para Orquestra

Solista: André Kerver

Regência: Maestro Luís Gorelik

Local: Teatro Plínio Marcos – Eixo Cultural Ibero-americano

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br