Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/03/19 às 0h46 - Atualizado em 13/03/19 às 12h02

Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro celebra 40 anos de existência

COMPARTILHAR

Concerto comemorativo aconteceu nesta terça-feira no Cine Brasília

 

Em comemoração aos 40 anos da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, completos em 6 de março,  foi realizado, nessa terça-feira (12), um concerto que revisitou a primeira apresentação da OSTNCS. No repertório, um programa idêntico ao executado há quatro décadas por Cláudio Santoro, fundador da sinfônica e seu padrinho. O programa trouxe as conhecidas “Uirapuru”, “Bachianas nº 4” e “Choros nº 10”, entre outras do repertório de Villa-Lobos escolhidas pelo maestro Santoro quando regeu na inauguração da sala batizada com o nome do erudito nascido no Rio em 5 de março de 1887.

 

Para o Maestro Cláudio Cohen, um dos primeiros músicos da sinfônica e atual regente, em comparação a outras orquestras do país, a da capital federal tem papel de destaque. “Nesses 40 anos pude perceber um grande desenvolvimento da OSTNCS, temos recebido muitos regentes estrangeiros e o trabalho dos músicos é sempre muito elogiado. Recentemente contratamos outros 25 novos músicos de altíssimo gabarito, e eu tenho certeza que a nossa orquestra tem nível internacional”, ressalta.

 

Norma Lilian, uma das mais antigas musicistas da orquestra, começou a relação com o violoncelo aos 15 anos e nunca mais deixou. Foi a terceira aluna do instrumento da Escola de Música de Brasília, estudou na  École Normale de Musique de Paris, se formou em música na Universidade de Brasília e tem mestrado no instrumento pela Universidade de Londres.

 

Norma já poderia ter se aposentado há cinco anos, mas para ela é um prazer fazer música com outras pessoas e para a cidade.  Ela participou da primeira apresentação da OSTNCS, em 1979. ” Eu participei deste concerto como aluna, mas nesse processo a orquestra foi sendo organizada e então, no verão de 1980, foram realizadas provas para ingresso. Assinei meu contrato em 1º de maio de 1980, dia do trabalhador”, recorda.

 

O cirurgião dentista Christiano Amorim acompanha o trabalho da orquestra há anos e tem percebido o crescimento tanto em qualidade como em público. “Em vários locais que acompanhei concertos da orquestra notei que são sempre muito bem recebidos pelo público, precisamos de mais espaços para receber esses concertos”.

O secretário de Cultura em exercício, Cristiano Vasconcelos, reforça o papel que a OSTNCS desempenha na vida cultural do Distrito Federal, atuando em concertos clássicos, em projetos sociais e mesmo na formação de público. “Celebrar a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro é valorizar o trabalho desses profissionais incansáveis que fazem da nossa cidade mais rica. Esse grupo de seletos músicos é, com certeza, parte da história da capital e um dos nosso principais tesouros culturais”.

A apresentação contou ainda com a participação dos corais Ad Infinitum,  Adventista de Brasília e Supremo em Canto, formado por servidores do Supremo Tribunal Federal, que sob a regência do maestro Eldom soares e do preparador vocal Rodrigo Soalheiro, interpretaram Choros 10.