Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/03/21 às 19h09 - Atualizado em 9/03/21 às 10h24

Nota de Pesar/Cláudio Falcão

COMPARTILHAR

Ascom/Secec 

08.03.21

19:08

 

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa lamenta a morte de Cláudio Falcão, 49 anos, um dos atores mais talentosos do DF, que desde a década de 1990 lotava os teatros com as mirabolantes histórias de Mary Help, Gorete e Berenice, personagens ambientadas em Brasília. O ator morreu, nesta segunda-feira (08.05) em seu apartamento de infarto.   

 

“Hoje é um dia triste para quem sempre recebeu a alegria desse talentoso ator, que parte tão precocemente”, lamenta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

 

Cláudio Falcão começou a carreira, nos anos 1980, com o grupo A Culpa é da Mãe, que, posteriormente, transformou-se na Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo. Seguiu carreira solo, no qual criou as personagens que caíram no gosto popular do público do DF. Mary, a adolescente tresloucada, nasceu, no “Jogo de Cena”, em 1992, espelhada nas gírias dos jovens do DF. Ela usava “tipo assim” como vírgula e emplacou o bordão “véi”.

 

Divulgação“Brasília é a minha escola de ator. Aqui, aprendi a desenvolver um talento e conheci o sucesso de público. Sempre fui muito amado pela plateia”

 

Ator, diretor e dramaturgo, Cláudio Falcão era filho da atriz Ruth Guimarães. Um dos últimos trabalhos, “Crônico Cômico” esteve entre os melhores espetáculos de 2019 do Festival Sesc Candango. Na peça, Claudio ria da luta como doente renal crônico e da felicidade de ter realizado o transplante de rins.

 

Divulgação“Nesse espetáculo, apareço de cara limpa e abordo a minha vida pessoal. Aliás, tento, porque as personagens querem arrebatar o foco. Essa peça é muito importante porque lanço em cena uma campanha para doação de órgãos.”

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa 

e-mail: comunicação@cultura.df.gov.br