Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/08/19 às 14h41 - Atualizado em 7/08/19 às 9h57

Mostra Henri-Georges Clouzot traz “Hitchcock francês” à tela do Cine Brasília

COMPARTILHAR

Programação começa na quarta (7) com filme documentário; filmes franceses entram na quinta (8)

 

Nomeado às vezes como a versão francesa do genial diretor britânico Alfred Hitchcock, o francês Henri-Georges Clouzot (1907-1977), cineasta abordado pela mostra que entra no Cine Brasília na quinta (8), é conhecido por seus filmes do gênero “noir”, com gosto por “thrillers” de tramas intrincadas. A seleção que vai às telas com entrada franca é uma parceria da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), com o “Institut Français” e a cinemateca da Embaixada da França no Brasil.

 

São quatro filmes do diretor e dois documentários sobre ele, que é um dos mais aclamados cineastas europeus das décadas de 1940 e 1950. Para quem gosta de curiosidades, foi casado com uma brasileira, Véra Clouzot, nome artístico de Véra Gibson-Amado, prima de Jorge Amado. Véra atua em “As Diabólicas” e “O Salário do Medo”.

 

Fora da mostra, os cinéfilos de Brasília poderão ver dois documentários sobre assuntos diferentes – um filme ecológico (ingressos gratuitos aqui) e outro sobre a civilização andina (ingressos pagos aqui). Confira programação e sinopses abaixo.

 

Programação Cine Brasília (7 a 11/agosto)

 

Quarta, 7
18h – “Amanhã”
20h – Debate sobre o filme

 

Quinta, 8, início da Mostra Henri-Georges Clouzot
16h – “Amanhã”
18h – “O Escândalo Clouzot”
20h – “O assassino mora no 21”

 

Sexta, 9
16h – “Amanhã”
18h – “O inferno de Henri-Georges Clouzot”
20h – “As Diabólicas”

 

Sábado, 10 (fim da mostra Henri-Georges Clouzot)
16h – “Amanhã”
18h – “O mistério de Picasso”
20h – “O Salário do Medo”

 

Domingo, 11(filme comercial, entrada paga)
16h – “Inka: Uma travessia”
18h – “Inka: Uma travessia”
20h – “Inka: Uma travessia”

 

Mostra Henri-Georges Clouzot

 

“O Salário do Medo” (Le Salaire de la Peur)
De Henri-Georges Clouzot (1952, ficção/thriller, França/Itália, 148 minutos, 14 anos)
Sinopse: Em Las Piedras, um pobre vilarejo na América Central, uma companhia de petróleo dos Estados Unidos contrata quatro imigrantes europeus para transportar dois caminhões carregados de nitroglicerina por 500 quilômetros de estradas perigosas. O objetivo é apagar um incêndio em um poço de petróleo.

 

“O mistério de Picasso” (Le Mystère Picasso)
De Henri-Georges Clouzot (1955, documentário, França, 78 min, 14 anos)
Sinopse: Em 1955, Henri-Georges Clouzot convenceu o pintor Pablo Picasso, amigo do diretor, a participar de um documentário em torno de seu processo criativo. Para o filme, Picasso criou 20 telas. Usando tinta e papel especiais, ele elaborava os desenhos enquanto Clouzot filmava o lado inverso da tela, capturando o trabalho em tempo real. Quando o artista decidiu pintar a óleo, Clouzot optou por utilizar a técnica de animação “stop-motion”. Pelo contrato, todas as telas pintadas deveriam ser destruídas quando o filme fosse finalizado. Em 1956, o longa recebeu o Prêmio Especial do Júri do Festival de Cannes e, em 1982, foi reexibido, fora de competição, no mesmo festival.

 

“As Diabólicas” (Les Diaboliques)
De Henri-Georges Clouzot (1954, ficção/thriller, França, 112 min, 14 anos)
Sinopse: Michel Delassalle dirige com mão de ferro um pensionato para meninos, assistido por sua doce esposa Christina. Ele tem por amante Nicole Horner, professora da instituição. Cansadas do despotismo de Michel, as duas mulheres associam-se para assassinar o odioso personagem. Alguns dias depois do crime, o cadáver desaparece.

 

“O assassino mora no 21” (L’assassin habite au 21)
De Henri-Georges Clouzot (1942, ficção/thriller, França, 85 min, 14 anos)
Sinopse: Um assassino em série deixa sobre os corpos de suas vítimas um cartão de visitas assinado M. Durand (Sr. Durand). O delegado que investiga o caso recebe a pista de que o responsável pelos crimes estaria hospedado em uma pensão familiar chamada “Les Mimosas”. Disfarçado de pastor e acompanhado por uma amiga, ele se hospeda na pensão para tentar solucionar o caso.

 

“O inferno de Henri-Georges Clouzot” (L’enfer d’Henri-Georges Clouzot)
De Ruzanda Medrea, Serge Bromberg (2009, documentário, França, 100 min, 14 anos)
Sinopse: Em 1964 Henri-Georges Clouzot iniciou as filmagens de seu novo longa, que contava com Romy Schneider e Serge Reggiani no elenco, era uma das mais caras produções francesas da história e retratava um conturbado relacionamento afetado pelos delírios ciumentos do marido. Após algumas semanas de trabalho, o ator principal ficou doente, Clouzot sofreu um ataque cardíaco, e a produção foi interrompida. Quarenta anos mais tarde a viúva do diretor libera os registros da época para Serge Bromberg e Ruxandra Medrea.

 

“O Escândalo Clouzot” (Le Scandale Clouzot)
De Pierre-Henri Gibert (2017, documentário, França, 52 min, 14 anos)
Sinopse: Henri-Georges Clouzot tornou-se o mestre do realismo negro e suspense com filmes como ”Le Corbeau”, ”Le Salaire de la Peur”, ”Les Diaboliques”. Considerado um grande cineasta, ele nem sempre gozou das boas graças das críticas. Pierre-Henri Gibert pinta um retrato de um agitador para a vida romântica e tirano nas filmagens.

 

Fora da mostra

 

“Amanhã” (entrada franca)
De Cyril Dion & Mélanie Laurent (2015, documentário, França, 118 min, livre)
Sinopse: Com a situação do meio ambiente exigindo medidas drásticas, esse documentário ecológico decide abandonar um pouco a crise e focar em seres humanos comuns que estão desenvolvendo projetos e dispositivos para tornar o mundo um lugar melhor para se habitar. O filme é dividido em cinco temáticas: agricultura, energia, economia, democracia, educação. A ideia é sensibilizar e promover o debate a partir de “cases” de sucesso.

Debatedores convidados: CSAs de Brasília – Idalécio Barbetta; Projeto Girassol – Ros’Ellis Moraes; Projeto Gaia – Eduardo Weaver; Banco de Tempo – Anaju Zaks.

 

“Inka: Uma travessia” (ingresso cobrado)

De Augusto Pessoa (2018, documentário, Brasil, 90 min, livre).
Sinopse: Este trabalho é fruto de um profundo estudo da civilização andina, que foi desenvolvido pelo jornalista e fotógrafo Augusto Pessoa em pesquisa feita desde 1994. Atualmente trabalha como repórter e fotógrafo colaborador para revistas como “National Geographic” e “Vida Simples” entre outras. Em 2013 lançou o filme que conta a história de 20 anos de expedições à Cordilheira dos Andes, numa produção em parceria com cooperativa que reúne vários núcleos de criação.

Serviço
Mostra Henri-Georges Clouzot (8 a 10 de agosto) e “Amanhã” (7/8) com entrada franca. “Inka: Uma travessia” (11/8), comercial, com cobrança de ingressos.

 

Cine Brasília
Endereço: Asa Sul Entrequadra Sul 106/107 – Brasília, DF, 70345-400. Telefone: (61) 3244-1660. Capacidade: 606 assentos