Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/12/20 às 9h11 - Atualizado em 16/12/20 às 9h16

Longa de Orlando Senna aborda mito bíblico no interior baiano

COMPARTILHAR

Texto: Lúcio Flávio/Edição: Guilherme Lobão (Ascom Secec)

 

16/12/2020

09:11:00

 

Foram mais de 30 anos longe das câmeras, desde a realização do documentário “Brascuba” (1987), uma coprodução entre Brasil e Cuba, até o lançamento de “A Idade da Água” (2018). Nesse intervalo, o cineasta, roteirista e jornalista Orlando Senna se dedicou à formação de novos diretores, escrita de roteiros e assessorias. Nos últimos dois anos finalizou um projeto para a televisão paga, “Sol da Bahia”, sobre a Guerra de Independência do Brasil, e o drama “Longe do Paraíso”, com a qual concorre na Mostra Oficial do 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em exibição nesta quarta (16), às 23h, no Canal Brasil. Dos seis concorrentes, é a única ficção em competição.

 

Acesse:

Programação detalhada  

Linha do tempo do FBCB

Últimas Notícias FBCB

Como assistir ao 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Programação paralela

 

“Fiquei surpreso e, ao mesmo tempo, contente pelo fato de o Festival de Brasília abranger o cinema como um todo, sem a dicotomia, ficção/documentário”, comenta o veterano cineasta de 80 anos (foto). “Sempre fiz filmes híbridos, com exceção dos trabalhos em que participei como roteirista ou dirigidos por outros cineastas”, lembra. É verdade. Uma prova concreta desse estilo de criação está no marco “Iracema – Uma Transa Amazônica”, dirigido a quatro mãos, nos anos 70, com Jorge Bodanzky.

 

Em “Longe do Paraíso”, Senna decidiu “ficcionar” tudo, trabalhar com atores profissionais, apoiar-se em uma grande equipe e não se afastar muito do roteiro. Na trama, o mito bíblico de Caim e Abel é misturado com a realidade dos camponeses no interior da Bahia, onde líderes são assassinados; o choque com os grandes proprietários de terras, intenso; a impunidade, latente; e o descaso das autoridades, evidente.

 

“Quis fazer uma experiência comigo mesmo. E aí vem a surpresa. O filme foi selecionado para concorrer com documentários! Achei uma maravilha. Tudo é cinema, filme é filme e ponto final”, resume. “No Brasil, os assassinatos desses líderes crescem dia a dia e, em sua maioria, os pistoleiros são ex-camponeses que se perderam na vida. É com essa história que pretendo comover as pessoas e acho que o filme pode conseguir isso”, torce.

 

No elenco, além de nomes consagrados da cena baiana, como Heraldo de Deus, Sonia Dias, Bertrand Duarte e Caco Monteiro, há participação da cantora Emanuelle Araújo, que divide as telonas com o estreante Ícaro Bittencourt. “Minha expectativa com relação à premiação de 2020 é que, mesmo on-line, o Festival de Brasília sairá fortalecido como o mais importante evento artístico-político do cinema brasileiro”, defende.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)
E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br