Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/12/20 às 16h24 - Atualizado em 28/12/20 às 15h57

Fotógrafo Luis Humberto é homenageado no 53 º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

COMPARTILHAR

Texto: Vanessa Castro. Edição: Guilherme Lobão

 

22/12/2020

16:25:00

 

Além de estender um tributo à atriz Nicette Bruno, vitimada pela Covid-19 no domingo (20), e ao diretor artístico do 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Silvio Tendler, a cerimônia de premiação do evento homenageou o fotógrafo Luis Humberto, após o anúncio dos vencedores, no canal da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF (Secec), no YouTube.

 

 

Acesse:
Mostra Paralela On-line é prorrogada até domingo (27)

Festival de Brasília premia a cultura popular
Os ganhadores do 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

 

Com mais de 50 anos dedicados ao universo da fotografia, Luis Humberto acompanhou os bastidores da política em Brasília, desde a ditadura militar. Os ângulos inusitados, que captava dos poderosos em momentos de vulnerabilidade foram nomeados como “liturgia de poder”.

 

Credito: Zuleika de Souza

   Fotos: Zuleika de Souza

Formado em arquitetura pela antiga Universidade do Brasil, atualmente a Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luis foi ainda um dos fundadores da Universidade de Brasília (UnB), onde também participou da criação do Instituto de Fotografia e lecionou por muitos anos.

 

A carreira de Luis até consagrar-se com um dos mais importantes nomes do fotojornalismo nacional começou por um motivo peculiar: o nascimento de seu primeiro filho. “Ser fotógrafo é ser investigador do mundo. Fotografia é feito poesia: tem que sentir. Você olha e dá uma respirada contemplativa”, ensina.

 

Após perder o emprego em 1965 em consequência do golpe militar, quando pediu demissão juntamente com outros 200 professores, mergulhou no mundo da fotografia e foi contratado pela Editora  Abril em 1968. O fotógrafo reuniu passagens nas revistas Realidade, Veja e Isto É, além de ter atuado no Jornal de Brasília.

 

Paralelamente ao fotojornalismo, Luis Humberto ainda registrou a flora do Cerrado, paisagens domésticas e realizou outros projetos pessoais. No ano passado, o curta-metragem documental em sua homenagem, “Luis Humberto: O Olhar Possível” integrou a programação do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Mesmo com as dificuldades causadas pelo Parkinson, o artista continua a sua produção com vitalidade criatividade e a habitual inquietude.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br