Governo do Distrito Federal
17/06/22 às 11h27 - Atualizado em 17/06/22 às 12h04

Fomento da Cultura, festival traz 36 bandas

Texto e edição: Ascom/Secec. 

17/6/2022
12:01:00

 

Ouça o resumo da notícia

 

 

Com fomento de R$ 600 mil da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), o festival “Música Viva e Permanente” reúne artistas novos e veteranos de diversos gêneros musicais para uma maratona de shows on-line. São 36 atrações transmitidas pelo YouTube da Associação dos Músicos e Artistas Populares do DF e Entorno (Asmap/DF-E). Até o momento, as lives foram visualizadas por 75 mil pessoas.

 

Com termino previsto para esta sexta-feira (17.6), o festival gerou 150 empregos diretos e 40 indiretos. Entre equipe de som, montagem de palco, intérpretes de libras, copeiros e seguranças, impactando na cadeia da economia criativa do DF.

 

Monica Torres

Sol Montes

“O Música Viva e Permanente tem o conceito de circulação para distribuição de trabalho e renda à classe artística. A ação envolve vários setores da economia criativa, mas, principalmente, os artistas que lidam diretamente com o público, além dos profissionais dos bastidores. Projetos desse tipo conseguem levar o recurso público do centro para as pontas do território. Essa é uma das maneiras que a Secec tem para descentralizar e democratizar as políticas culturais“, destaca a subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural, Sol Montes.

 

Presidente da Associação dos Defensores das Culturas Regionais do DF, Arkson Rangel, relata que o festival nasceu com o objetivo de promover ações que divulguem e desenvolvam as carreiras de artistas, fortalecendo e valorizando trabalhos representativos e relevantes no cenário nacional, além de promover, por meio da arte, reflexões sobre a descentralização dos eventos culturais.

 

 

“O festival é uma oportunidade para a formação de novos públicos e para fruição cultural em cada gênero musical representado pelas atrações previstas no festival”, aponta Arkson, revelando que a ação priorizou a equidade de gênero, com 50% de profissionais mulheres envolvidas em todas as etapas.

 

FORÇA FEMININA

Monica Torres

Trio Fulores

Componente do “Trio Fulores”, a cantora e zabumbeira Hellen Barbosa conta que foi incentivada pelo pai, Carlinhos Barbosa, a admirar a cultura nordestina. Atração desta sexta-feira do Música Viva, Hellen, Marie (vocal) e Lili Leon (sanfona) começaram em 2020. O trio impulsionou as carreiras.

 

“O Trio Fulores carrega a capacidade de transmitir alegria e a nossa paixão pelo forró tradicional pé de serra,” conta Hellen.

 

Atuante nos bastidores culturais, a produtora Agda Freitas relata o prazer de trabalhar com bandas que não conhecia, além de rever parceiros de longa data.

 

“Estou no meio artístico há 23 anos e não foi nada fácil ser aceita em um território dominado por homens. Temos uma grade artística com 36 bandas, com uma boa participação de mulheres no palco e fora dele, à frente e atrás das câmeras”, comemora.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)
E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br