Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/11/20 às 20h40 - Atualizado em 11/11/20 às 20h44

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – Os anos 1990

COMPARTILHAR

Pesquisa e texto: Alexandre Freire a partir dos livros de Berê Bahia e Maria do Rosário Caetano

Edição: Sérgio Maggio (Ascom/Secec)

11/11/2020

20:18:27

 

1990

Na desastrosa Era Collor, Embrafilme e Concine desaparecem, e a produção brasileira entra em transe. Um ator, Chiquinho Brandão por Beijo 2348/72, e um filme, o documentário Conterrâneos Velho de Guerra, de Vladimir Carvalho (melhor curta e diretor da Mostra 16mm) levantam os ânimos.”

 

1991

Com histórica recusa dirigida à atriz Cláudia Raia, a musa dos anos Collor, estrela de Matou a Família e Foi ao Cinema, de Neville d´Almeida (melhor diretor), o público de Brasília ganha fama de mais engajado e participante do circuito festivaleiro. O Corpo, de José Antônio Garcia, é o grande vencedor

 

1992

A produção brasileira, que atingira 80 títulos nos anos de ouro, estava reduzida a cinco ou seis longas. O Festival caçava cineastas a laço. Entrou-se no tempo do vale tudo. A Maldição de Sanpaku (melhor filme), de José Joffily e Perfume de Gardênia, de Guilherme de Almeida Prado, são os concorrentes de peso. Simplesmente, dividiram todos os Candangos. As sessões tinham público recorde.

 

1993

O Festival de Brasília foi palco dos últimos instantes de Grande Otelo em solo brasileiro. Ao sair de Brasília, ele morre em Paris. Alma Corsária, de Carlos Reichenbach, aguardando até o último instante, levantou o nível do Festival, ganhando os principais Candangos (filme, diretor, roteiro e montagem) . As atrizes Norma Bengell, Maria Zilda Bethlen e Lucélia Santos dividiram o Candango de atrizes.

 

1994

Michelangelo Antonioni visitou Gramado e causou furor. Brasília não ficou no prejuízo. Recebeu Bernardo Bertolucci em sua edição de 1994. O diretor italiano homenageou Gianni Amico e recebeu um Candango especial. Louco por Cinema, de André Luiz Oliveira, foi exibido em sessão abarrotada e sagrou-se o vencedor.

 

1995

No ano do Centenário do Cinema, a palavra de ordem no Brasil é a retomada e O Judeu, de Tob Azulay, filme com quase uma década para chegar à finalização, registra os tempos da Inquisição. Desprezado pelo júri oficial, O Mandarim, de Júlio Bressane, ganha o Prêmio do Júri.

 

1996

 

O então secretário de Cultura e Esportes, o cineasta Silvio Tendler promete fazer a melhor edição de todos os tempos e monta um edição robusta com oficinas e mostras paralelas, como a de filmes recuperados da Cinemateca. Na Mostra Competitiva, filmes de primeira linha competem aos Candangos numa disputa acirrada entre Baile Perfumado, de Paulo Caldas e Lírio Ferreira (melhor filme), Um Céu de Estrelas, de Tata Amaral (melhor direção), e Como Nascem os Anjos, de Murilo Salles (Prêmio Especial do Júri).

 

1997

No ano do 30º aniversário do Festival, júri dividiu-se entre dois ganhadores: Miramar e Anahy de las Misiones. Mostra relembrou premiados históricos e homenageou Paulo Emílio com seus filmes prediletos. O Prêmio Unesco para diretor estreante foi dividido entre Sérgio Silva e Aurélio Michiles. O melhor curta foi o metalinguístico e divertido 5 Filmes Estrangeiros.

 

1998

Amor & Cia, de Helvécio Ratton, que ambientou o mundo de Eça de Queiroz nas Minas Gerais, foi o vencedor. Um curta hilariante e muito talentoso, Amassa que Elas Gostam, dialogou com a pornochanchada e levou o Candango. Brasília discutiu política cinematográfica em seu seminário de maior envergadura, preparando as bases do III Congresso Brasileiro de Cinema.

 

1999

Santo Forte triunfa e Brasília reconhece o cineasta [Eduardo Coutinho] que se reinventou no cinema documental. Júlio Bressane ganha mais um Candango de diretor por “São Jerônimo”. Público e júri se encantam com o trabalho de Fernanda Torres em “Gêmeas”, de Andrucha Waddington.

 

Fontes de Pesquisa:

“Festival 40 anos, a Hora e Vez do Filme Brasileiro”, de Maria do Rosário Caetano.

“30 Anos de Cinema e Festival, a História do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro”, coordenação de Berê Bahia.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec) 

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br