Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/06/19 às 22h55 - Atualizado em 19/06/19 às 22h56

Escola vai ao Cinema promove debate entre cineasta e estudantes

COMPARTILHAR

Na manhã de hoje (19) o Cine Brasília foi palco de um debate sobre mercado de trabalho no serviço público e o mercado do audiovisual para estudantes do ensino médio da rede pública do DF. O cineasta brasiliense Santiago Dellape, estreante em longas-metragens exibiu seu filme “A Repartição do Tempo” e desenvolveu um debate didático pala os alunos inscritos no projeto Escola Vai ao Cinema, fruto da parceria da Secretaria de Cultura e Economia Criativa com a Secretaria de Educação.

 

Cerca de 270 alunos do Centro de Ensino Nº 16 de Ceilândia, Centro de Ensino Médio Paulo Freire da Asa Norte e Centro Educacional Zilda Arns assistiram ao filme nacional e participaram de um debate informal do cineasta com os adolescentes sobre as experiências com o mercado de trabalho de audiovisual em Brasília e no Brasil, além de como ingressar neste ramo.

 

Dellape contou detalhes de caracterização dos personagens, estilos de roteiros, locais públicos de Brasília que foram gravadas cenas do longa, referências e paradoxos temporais utilizados para a produção da comédia.

Entusiasmados, os alunos perguntaram sobre os cursos oferecidos, estágios e trabalhos no serviço público, tema central da trama, além de dicas de capacitação e experiências para se chegar a produzir um longa-metragem.

 

Santiago deu um breve panorama sobre os recursos utilizados na produção, participações de editais e como conseguir apoio do governo, tendo em vista que o filme foi financiado com recursos do FAC- Fundo de Apoio à Cultura, linha de apoio de iniciativa da Secec.

 

De acordo com Santiago Dellape, despertar o interesse dos alunos pela produção audiovisual e pela cidade, valoriza as produções cinematográficas feitas na cidade. Sobre o filme, o cineasta declarou que o espaço do Cine Brasília é um local muito simbólico e importante para proporcionar esse contato entre os alunos, com um filme produzido em Brasília. “A iniciativa proporciona mais do que vir passar o filme para os alunos, ela estabelece um contato direto para esclarecer dúvidas sobre a concepção do filme, consequentemente despertando o interesse pelo o audiovisual, fazendo com que os estudantes encarem também como uma possibilidade profissional”, completa.

 

De acordo com a coordenadora do programa da Secec, Ilane Nogueira, a escolha do filme “A Repartição do Tempo” integra os o currículo pedagógico exigido pelas escolas com as turmas de adolescentes, onde a trama retrata as cenas do cotidiano do funcionalismo público e as relações mantidas numa repartição, entre concursados, terceirizados e as burocracias da máquina pública.

 

Ilane declara esta programação do EVC, em especial feita com adolescentes contribui para a formação de um público de opinião e incentiva os estudantes a ampliarem o pensamento sobre os filmes feitos em Brasília. “O debate de um cineasta sobre um filme feito em Brasília com os alunos do ensino médio proporciona um amplo conhecimento sobre o cinema brasileiro e como ele é produzido, além de ser um grande evento social e uma possível escolha de trabalho por eles,” ressalta.