Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
24/05/19 às 20h37 - Atualizado em 25/05/19 às 19h31

Encerramento do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Cultura é marcado por eleição de nova mesa e carta conjunta

COMPARTILHAR

Na manhã desta sexta-feira, (24) o Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura teve seu segundo dia de trabalho, na Biblioteca Nacional de Brasília. Secretários de Estado de Cultura de todo o país continuaram o debate, acerca da participação e atuação dos estados na formulação de diretrizes de uma política cultural comum, respeitando as características no contexto da diversidade cultural brasileira.

 

Na ocasião, a comitiva de autoridades recebeu o Diretor da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Christian de Castro Oliveira, que falou sobre arranjos regionais e linhas de fomento e financiamento disponibilizadas pela agência.

Castro detalhou a importância de movimentar a economia através do audiovisual, defendendo a potência da cultura no Brasil como um grande indutor de criatividade, gerando emprego e negócios. “O Brasil é um grande consumidor no mercado digital e de entretenimento, precisamos aproveitar de maneira mais decisiva para atrair o público para o audiovisual,” reforçou. 

 

Ele ressaltou, ainda, que o grande foco da agência é fortalecer o audiovisual a partir do empreendedorismo criativo.

Durante o encontro também foi votada a nova Mesa Diretora do Fórum, para o período 2019-2021. A presidente eleita foi a representante do estado do Pará, a Secretária de Cultura, Úrsula Vidal. Já a secretaria executiva ficou com o secretário de Cultura e Economia Criativa, Adão Cândido. Os demais representantes estaduais foram eleitos pelas respectivas regiões brasileiras.

 

Carta Aberta
O resultado dos dois dias de encontro foi consolidado em uma carta aberta do Fórum, assinada pelos participantes da reunião. O documento sintetiza o debate em torno da política pública de fomento e difusão das artes, patrimônio cultural, linguagens e expressões, em suas dimensões simbólicas, sociais econômicas.

 

O colegiado também registrou os 12 pontos considerados prioritários para a garantia das politicas de Cultura já estabelecidas com vistas ao “direito constitucional ao acesso, fomento e difusão das práticas e expressões culturais do Brasil”.

Entre os temas elencados estão o fortalecimento do Sistema Nacional de Cultura, regulamentação da lei que institui os fundos patrimoniais, revisão e aprimoramento da Lei de Incentivo à Cultura, melhoria nos indicadores culturais, aumento no percentual do FSA para arranjos regionais, além do fortalecimento das políticas setoriais e das vinculadas da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania.

 

Confira aqui a íntegra da carta.