Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/12/20 às 11h20 - Atualizado em 19/12/20 às 11h23

Diretor estreante visita campanha de arrecadação de ouro nos anos 60

COMPARTILHAR

Texto: Alexandre Freire. Edição: Guilherme Lobão (Ascom Secec)

 

19/12/2020
11:20:00

 

Gregory Baltz, 26 anos, diretor do filme “Ouro para o Bem do Brasil”, conseguiu emplacar na seleção de curtas-metagens da Mostra Oficial do 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) seu projeto final do curso de cinema da Faculdades Integradas Hélio Alonso, do Rio de Janeiro. A produção pode ser assistida até este domingo (20), pela Plataforma Canais Globo,

 

Acesse:

Programação detalhada  

Linha do tempo do FBCB

Últimas Notícias FBCB

Como assistir ao 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Programação paralela

 

“Pra mim é uma felicidade imensa poder ser selecionado em um festival tão importante. Em um ano tão diferente por dificuldades das mais distintas naturezas, o Festival de Brasília continua sendo uma grande vitrine para novas obras e discussões importantes para se pensar o país”, comemora o cineasta.

 

Apesar da pouca idade, Baltz voa alto em seus planos: “O objetivo é pensar e falar sobre o Brasil. Fato importante dentro de obras cinematográficas de qualquer nação é se fazer pensar e construir um imaginário sobre o que queremos para o nosso país”.

 

Montado com material de arquivo, um dos formatos estabelecidos de documentários, o diretor diz que tentou “fazer um resgate e uma atualização de uma história que ocorreu nos anos 60”. O curta traz uma leitura da marota campanha “Ouro para o bem do Brasil”, de arrecadação de ouro e de dinheiro, iniciada pelos Diários Associados, logo após o golpe de 1964.

 

Gregory destaca no seu filme as falas de Delfim Netto como ‘fake news’ da época. “Até a cena do Mercado Livre onde objetos são vendidos por preços desproporcionais ao que valeram um dia e as recordações das pessoas vivas ou os parentes que escutaram as histórias de perto estão ali”. Ele entende que o curta-metragem “é uma porta para novos realizadores, mas, ao mesmo tempo, não deixa de ser uma obra importante e um registro de um momento da história, seja em uma ficção ou um documentário”.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)
E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br