Governo do Distrito Federal
28/06/22 às 12h03 - Atualizado em 29/06/22 às 14h10

Cultura tem recurso recorde em patrimônio

Texto: Ianca Gomes e Sérgio Maggio (Ascom Secec). Edição: Déborah Gouthier 

28/6/2022

16:40:00

 

Ouça o resumo da notícia

 

 

O clima é de manutenção no Teatro Plínio Marcos, sala principal do Eixo Cultural Ibero-americano. Com aporte de R$ 432.365,24, o equipamento cultural passa por revisão no circuito elétrico, impermeabilização e pintura nas paredes internas, instalação de novo sistema de incêndio, troca de carpetes, novo layout da sala, projeto luminotécnico, revitalização de palco e banheiros.

 

Foto de Hugo Lira

 

“Estamos trazendo o Teatro Plínio Marcos de volta à sociedade civil com a qualidade que esse equipamento merece pelo valor simbólico de ter sido uma casa que abrigou tantos artistas amadores. A ideia é retornarmos com os concertos presenciais da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro”, adianta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

 

No ano passado, o Eixo Cultural Ibero-americano já tinha recebido um investimento de R$ 485 mil para revitalização externa da fachada.

 

Conheça os equipamentos da Secec

 

“Após a reforma, o Teatro Plínio Marcos estará pronto para receber pautas diversas, algumas já agendadas, ainda para este segundo semestre. Essa reforma também beneficia o Galpão Robson Graia e a Sala de Dança”, aponta a gerente do Eixo, Mariana Abreu, que coordena intensas ações na área externa e na Galeria Fayga Ostrower. Num segundo momento, a Secec vai trazer de volta a Sala Cássia Eller.

 

“Os investimentos em patrimônio, como este da Plínio Marcos, são uma marca dessa atual gestão de cultura. Isso demonstra o quanto a Secec está comprometida em garantir que os espaços culturais atendam de maneira satisfatória e com qualidade os nossos usuários, além de preservar, é claro, nossos os equipamentos culturais”, destaca o subsecretário de Administração Geral, Tiago Gonçalves.

 

 

Só na gestão de 2019-2022, o investimento de orçamento direto da Secretaria de Cultura e Economia Criativa vai atingir R$ 16,8 milhões. Se comparado à gestão anterior, o investimento supera em 280%. Só a execução do ano de 2021, superou os quatro anos do governo anterior. Nesse período, o Museu de Arte de Brasília (MAB) teve reforma concluída. A Concha Acústica, o Espaço Oscar Niemeyer, o Museu do Catetinho e a Gibiteca foram reabertos.

 

“Não existe, hoje, nenhum equipamento que esteja na carga administrativa da Secec que esteja em abandono. A maioria funciona em perfeitas condições físicas. Os que estão fechados aguardam processo de licitação, como é o caso do Teatro Nacional Claudio Santoro, que, em 11 de julho, abriremos os envelopes para saber qual a empresa vencedora da obra de R$ 54 milhões da Sala Martins Pena, quebrando assim quase uma década de descaso”, aponta Bartolomeu Rodrigues.

 

Dos equipamentos fechados, além do Teatro Nacional que segue para essa primeira etapa de execução, a Fazendinha, após ações emergenciais, está em estudo técnico para restauro. O Cine Itapuã, atualmente, define seu projeto técnico, em uma ação para definir o projeto arquitetônico interno que vai equipará-lo em tecnologia ao Cine Brasília. Recuperado, o Polo de Cinema Grande Otelo segue em tratativa para ser um campus avançado da Universidade do Distrito Federal, que terá cursos de artes.

 

Com equipamentos abertos e atrações de qualidade, a Secec oferece à população uma programação gratuita para o espectador, além de movimentar a economia criativa já que parte dos projetos que ocupa esses espaços são fomentados pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e outras políticas da Secretaria.

 

“A nossa missão enquanto gestores na área de cultura é expandir cada vez mais o alcance destes equipamentos para uma maior diversidade de usuários, especialmente aqueles que ainda desconhecem a potencialidade dos espaços culturais da Secec”, explica o subsecretário de Patrimônio Cultural, Aquiles Brayner.

 

PRINCIPAIS AÇÕES EM PATRIMÔNIO ENTRE 2019 -2022

 

Foto de Hugo Lira

Biblioteca Nacional

Biblioteca Nacional

Reforma interna, com substituição de forro, impermeabilização, manutenção do sistema de iluminação, rede lógica, manutenção do sistema de iluminação rede lógica, manutenção e pintura da fachada.
Investimento: R$ 4,8 milhões.


Biblioteca Pública de Brasília
– Manutenção diversa (pintura, elétrica, hidráulica, estrutura).
Investimento: R$ 249 mil.

 

Casa do Cantador – Manutenção diversa (pintura, elétrica, hidráulica, estrutura).
Investimento: R$ 450 mil.


Cine Itapuã
– Manutenção geral estrutura.
Investimento até o momento: R$ 370 mil.

Obras seguem com elaboração do projeto interno.

Atenção: equipamento veio para a carga da Secec em 2021.

 

Complexo Cultural de Planaltina – Manutenções diversas, como a instalação da vestimenta cênica.
Investimento: R$ 77 mil.

 

Complexo Cultural Samambaia – Manutenções diversas.
Investimento: R$ 715 mil.


Conjunto Fazendinha
– Ações emergenciais e manutenção corretiva da Casa Ampare.
Investimento: R$ 300 mil.

Atenção: equipamento veio para a carga da Secec em 2021 e está em fase de estudos para licitação.


Concha Acústica
– Manutenção geral do equipamento.
Investimento: R$ 439 mil.

 

Eixo Cultural Ibero-americano – Manutenção da fachada e ações externas.
Investimento: R$ 392 mil.
Agora, segue obra interna na Plínio Marcos

Atenção: equipamento voltou para a carga da Secec em 2021 como Espaço Funarte e houve troca de nome.

Foto de Joel Rodrigues/ Agência Brasília

Gibiteca

 

Espaço Cultural Renato Russo – Manutenção e volta da Gibiteca.
Investimento: R$ 55 mil


Espaço Oscar Niemeyer
– Manutenção geral.
Investimento: R$ 220 mil


Memorial dos Povos Indígenas
– Manutenção e troca do sistema de incêndio.
Investimento: R$ 940 mil


Museu Nacional da República
– Manutenção geral, obras de acessibilidade, pintura da fachada e troca do sistema de incêndio.
Investimento: R$ 1.9 milhão.


Museu do Catetinho
– Projeto de sistema de combate a incêndio e manutenção.
Investimento: R$ 107 mil.


Museu Vivo da Memória Candanga
– Projeto de sistema de combate a incêndio e manutenção.
Investimento: R$ 277 mil.

 

Polo de Cinema Grande Otelo– Manutenção da estrutura. Equipamento em tratativa para ser campus da Universidade do DF.
Investimento: R$ 399 mil.

 

Teatro Nacional – Manutenção geradores e refrigeração, foyer e Dercy Gonçalves.
Investimento: R$ 266 mil.

Atenção: equipamento em licitação para recuperação da Sala Martins Pena de R$ 54 milhões.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br