Governo do Distrito Federal
29/06/22 às 17h48 - Atualizado em 6/10/22 às 12h25

Cultura lança FAC Brasília Multicultural II

Texto e edição: Sérgio Maggio (Ascom Secec)

01/07/2022

15:01:00

 

Ouça o resumo da matéria

 

Enquanto as 1676 de projetos inscritos no edital Brasília Multicultural I, seguem o trâmite para a análise de mérito, os agentes culturais podem preparar novas ideias para criar as propostas do segundo bloco do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC), que será lançado em julho, com inscrições imediatas. Serão duas linhas de apoio: Cultura em Todo o Canto, voltada para os territórios das Regiões Administrativas; e Cultura de Todo Jeito, para ideias independentemente de linguagens. Serão aportados cerca de R$ 30 milhões no Brasília Multicultural II.

 

 

Foto de Hugo Lira“Cumprimos assim a execução dos dois blocos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), no valor total de R$ 62 milhões para o ano de 2022, seguindo o histórico de 2021, quando atingimos o valor de R$ 155 milhões, o maior investimento em cultura no país”, destaca o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

 

Responsável por desenhar estrategicamente os editais dos dois blocos do FAC, a Subsecretaria de Fomento e Incentivo Cultural (Sufic) aposta na descentralização cultural, um dos braços da política pública da gestão da Secec (2019 -2022) como cerne do Brasília Multicultural II. Neste edital, os projetos serão inscritos de acordo com a residência dos agentes culturais na linha de apoio Cultura em Todo Canto, dividida em oito macrorregiões fora do eixo central do Plano Piloto. Nessa categoria, as atividades propostas devem acontecer entre as cidades que compõem esses territórios.

 

Arquivo Pessoal“Um dos grandes desafios era descentralizar o recurso, não apenas em relação às Regiões Administrativas (RAs), mas também em relação ao número de agentes culturais contemplados. Assim, criamos a política Meu Primeiro FAC, na qual agentes que jamais assinaram com o FAC tiveram reserva de vagas. Dessa forma, conseguimos aumentar em mais de um terço o número de agentes culturais aptos para concorrer e vencer os editais do FAC”, observa o subsecretário João Moro.

 

Além disso, 32 das 33 RAs tiveram projetos aprovados em 2021, demonstrando uma efetiva descentralização dos recursos. O Cadastro de Entes e Agentes Culturais (CEAC), que habilita as inscrições nos editais, pulou de 2862 no ano de 2019, para 4597 em junho de 2022.

 

Na linha de apoio Cultura de Todo Jeito, a lógica vai ser a apresentação de propostas para execução de produtos culturais para as 22 linguagens. Em todo o edital, haverá reservas de vagas para artistas com deficiência e com mais de 60 anos.

 

“Hoje o FAC-DF é um exemplo de sucesso no país, com reserva de vagas para pessoas com deficiência, pontuação maior para mais ações de acessibilidade e equipes que contenham mais trabalhadores PCDs, além de obrigatoriedade de um mínimo de ações de acessibilidade. Criou-se ainda a categoria específica para Arte Inclusiva, demonstrando a necessidade de atendimento desse público. Nada disso existia no início dessa gestão e foi uma necessidade de atendimento desse público”, destaca João Moro.

 

FAC HISTÓRICO

 

Em 2021, o recurso do Fundo de Apoio à Cultura alcançou R$ 155 milhões (incluindo o saldo remanescente dos anos anteriores, de R$ 91 milhões, que nunca havia sido incluído no orçamento). Foram mais de 1 mil projetos aprovados, com capacidade de geração de 100 mil empregos diretos e indiretos, afetando fortemente a cadeia da economia criativa do DF em 2022.

 

“Além dos artistas, cada projeto contrata técnicos, auxiliares, serviços gráficos e de comunicação. Até o momento, 92% desse valor de 2021 foi executado. Além do impacto local, o FAC de 2021 colocou o DF à frente dos investimentos da Cultura em todo o Brasil, até mesmo de estados locomotivas da cultura, como São Paulo e Rio de Janeiro”, aponta João Moro.

 

A execução do FAC também cresceu nessa gestão de 2019-2022. Até o momento, o percentual chega a 67% do empenho (R$ 243,5 milhões) contra 55% (R$ 172,8 milhões) do governo anterior.

 

ENTENDA O FAC 

O FAC, criado em 1991 e alterado pela Lei Complementar 267 de 1997, é o principal instrumento de fomento às atividades artísticas e culturais da Secretaria de Cultura do DF que oferece apoio financeiro a fundo perdido e seus projetos são selecionados por Editais públicos. Por meio dele, são produzidos filmes, peças de teatro, CDs, DVDs, livros, exposições, oficinas e inúmeras circulações artísticas em todo o DF. A principal fonte de recursos do Fundo consiste em 0,3% da receita corrente líquida do Governo Distrito Federal.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br