Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/07/21 às 12h18 - Atualizado em 15/07/21 às 12h36

Cordel da Covid-19 é doado à Cordelteca

COMPARTILHAR

Texto: Alexandre Freire /Edição: Sérgio Maggio (Ascom Secec)

14/07/2021

11:30:20

 

Como uma narrativa poética e cotidiana, o cordel reflete as pelejas do homem em seu tempo. Assim, o jovem autor brasiliense Davi Mello teve a ideia de misturar Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, e membros de seu bando, como Maria Bonita e Volta Seca, na pandemia da Covid-19. Na trama, os cangaceiros armam-se até os dentes, incluindo uma seringa com vacina, para enfrentar o coronavírus numa batalha literalmente de vida ou morte.

 

“A Peleja de Lampião com o Coronavírus, ou o Grande Rei do Cangaço contra a Micro Besta Fera” tem ilustrações da designer Nara Oliveira e cria uma alegoria que convoca as forças do cangaço e da resiliência do Nordeste contra o insidioso adversário. O cordel inédito acaba de ser doado à Casa do Cantador. A obra chegou à “Cordelteca João Melchiades Ferreira”, que conta com 1200 títulos originais e se tornou um centro de referência para a arte em Ceilândia, maior enclave nordestino no Distrito Federal.

 

crédito: Amanita Hunikuin

Davi e a peleja da Covid-19

“Quando a realidade não nos contempla, o universo do fantástico abre as suas portas, para assim entrarmos em novas perspectivas de esperança. E em meio ao caos pandêmico, os caminhos desse universo se abrem, com versos, estrofes e rimas”, aponta Davi.

 

Dessa forma, Davi faz surgir uma luz: “Lampião, o famoso Rei do Cangaço, que entra na história para suprir essa pesada demanda”, poetiza Davi, que se apresenta como “pesquisador e amante das culturas populares e tradicionais brasileiras”, autor de dez títulos na arte do cordel e brincante com pifes e batuques.

 

 

Davi faz parte de dois grupos de Brasília relacionados ao cordel. O “Cordel Passarema”, junto com os cordelistas e amigos Sabiá Canuto e Fernando Cheflera, e o coletivo Literatura de Cordel do DF, que foi organizado a partir das ações do IPHAN e do registro do cordel como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro em 2018.

 

“Nesse coletivo, reunimos vários praticantes do cordel da cidade, como escritores, ilustradores, declamadores e vários outros fazedores da cultura. Estamos em fase de organização e entendimento das nossas ações para traçar estratégias de salvaguarda desse tipo de literatura”, explica ele.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

e-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br