Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/09/21 às 11h13 - Atualizado em 5/10/21 às 12h24

Conheça vencedores do Prêmio LGBTQIA+

COMPARTILHAR

Texto: Úrsula Rodrigues / Edição: Sâmea Andrade (Ascom Secec)

23/9/2021                                              

11:45:22

 

 

Com aporte de R$ 150 mil, a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec – DF) selecionou 50 artistas da comunidade LGBTQIA+ para serem premiados com R$ 3 mil cada. A premiação acontece nesta quinta-feira, às 20h, no auditório do Museu Nacional da República, em cerimônia restrita a convidados, respeitando os protocolos sanitários.

 

“Desde que assumi a gestão da pasta de Cultura e Economia Criativa, voltei minha atenção e preocupação para a comunidade LGBTQIA+, simultaneamente uma das mais invisíveis e potentes da cadeia de cultura. Historicamente perseguidos, seja pela ditadura militar, seja pelo preconceito e práticas homofóbicas, acredito que esse segmento precisa de ações afirmativas para mostrar a sua potência”, diz Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa do DF.

 

Marina Gadelha

Secretário Bartolomeu Rodrigues. Foto: Marina Gadelha

 

O reconhecimento se consolidou após a inclusão, pela pasta, de artistas LGBTQIA+ no Cadastro de Entes e Agentes Culturais (CEAC). O Edital Nº 13/2021, por sua vez, buscou democratizar o acesso de novos agentes, com reserva de 20% das vagas para aqueles que nunca haviam sido contemplados por editais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

 

A comissão de seleção do prêmio avaliou 300 fichas de inscrições e portfólios de artistas consagrados no segmento, que concorreram ao certame por suas devidas contribuições ao desenvolvimento artístico do DF e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE).

 

A subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), Sol Montes, explica que o projeto de premiação surgiu a partir do entendimento de que a população LGBTQIA+ é numerosa, potente, criativa, e, ao mesmo tempo, invisibilizada pelo Estado.

 

“Tivemos 300 inscrições de todas as Regiões Administrativas (RAs), trazendo-nos dados e números que permitem pensar futuras políticas públicas mais precisas. Basta ler as histórias de cada um para saber que esse segmento merece cada vez mais nosso apoio”, diz Sol Montes.

 

foto: Marina Gadelha - Secec/DF

Sol Montes. Foto: Marina Gadelha

 

Com o objetivo de prestigiar e dar protagonismo aos artistas, o balanço da Secec é de que o prêmio cumpriu seu papel de inclusão. Segundo análise da SDDC, o índice de contemplados como primeiro beneficiário ultrapassa o número de vagas reservadas. A comissão também optou por premiar seguindo os parâmetros de equidade de gênero.

 

Na publicação dos resultados, a Secec teve o cuidado de prezar pela divulgação dos nomes sociais de cada proponente, conforme política pública estabelecida no Decreto nº 37.982, de 30 de janeiro de 2017.

 

ORGULHO E BEM-QUERER

“Eu já estou com a roupa de ir”, brinca Jéssica Alves, premiada por sua trajetória como produtora cultural, desde 2017 atuando como coordenadora das Paradas de Brasília e Taguatinga. “A verdade é que estou muito ansiosa, com saudades de eventos. Mesmo que seja com poucas pessoas, isso vai ser importante”, completa.

 

Para Jéssica, mulher negra, ceilandense e bissexual, suas produções buscam valorizar, sobretudo, as interseccionalidades artísticas da sigla. Jéssica produz a também premiada Kédma Thaís, a cantora ceilandense de nome artístico Prethaís.

 

“Fico imensamente grata, pelo olhar sincero para com uma das comunidades que mais resiste fazendo arte neste país. Fazer música representando corpos negres LGBTQA+ que amam seus semelhantes e ser reconhecida por isso é importante, sobretudo nesse momento”, diz a cantora e compositora.

 

Entre lentes, câmeras e flashes, Emanoel Nobre, residente da M-Norte, fotografa seres humanos em interações, incluindo a fantasia em seu processo de criação. Ele conta que busca tornar a realidade mais poética e silenciosa.

 

“No começo, não entendia muito bem se o que eu estava fazendo era bom ou ruim, mas com estudos e práticas, eu fui me moldando aos poucos, na verdade, ainda estou em processo. Participei da premiação sem muita expectativa, mas com fé no que eu faço e acredito”, relata Emanoel.

 

Carol Ribeiro, de Planaltina, dedica seu prêmio à mãe Maria Edna Ribeiro, falecida há 3 meses por complicações da Covid-19. Carol é produtora cultural do DF, jornalista, oficineira de um projeto de poesia e atuante em campanhas que reforçam o respeito à identidade LGBTQIA+.

 

Assistente social, e envolvida com a comunidade, Maria Edna convivia com amigos músicos e artistas, o que, desde pequena, chamou a atenção de Carol. Ambas frequentavam a Casa de Cultura de Planaltina.

 

“Falo de minha mãe porque, mesmo com a sua partida, sinto ela viva nesse momento. Porque posso sentir as coisas em que ela acreditava se materializando de alguma forma. Não só para mim como para outras pessoas, e, para fazer um adendo, às pessoas que acreditam que arte é um elemento transformador e inclusivo”, conclui Carol.

 

PRÊMIO LGBTQIA+ 2021

Data: 23/9

Horário: 19h

Local: Museu Nacional da República

Entrada restrita a convidados e selecionados no prêmio

A gravação do evento ficará disponível no YouTube posteriormente

 

Confira todos os indicados para o prêmio:

 

Alexandre Ribondi

 

Amaro

 

Ana Caroline Brito Gonçalves

 

André Luiz Pinto Ferreira

 

Andy Souza Andyva Diva

 

Artur Mello Cavalcante Gedankien

 

Baby Brasil

 

Bruno Henrique Coelho de Oliveira – K-Halla

 

Caio Handel

 

Carol Voigt

 

Carolina Ribeiro

 

Debora Rita da Silva Pereira – MC Debrete

 

Emanoel Porto Nobre

 

Edilene Colado (Didi Colado)

 

Elvira Retriever

 

Emerson da Ponte Lima Kelly Queen

 

Fábio Martins

 

Fetxawewe Tapuya Guajajara Verissimo

 

Gherald George Raikka Rica

 

Guylherme Almeida

 

Haynna Jaciara Mendes e Silva

 

Iris Marwell

 

Isadora Santos de Jesus

 

Jéssica Alves Silva

 

Kaio Kimera

 

Kédma Thais Prethais

 

Larissa Hollywood

 

Larisse Lopes

 

Leandro Lira

 

Lélia de Castro Gramignolli

 

Lucas Miguel Salomão Meireles

 

Lu Shonda

 

Luiz Gustavo Amorim Nunes – Bonnie Butch

 

Pablo Hércules Larô

 

Paulo Cesar Bastos da Silva – Rubi Ocean

 

Madison

 

Marcus Alexandre Torres de Souza

 

Marcus Vinícius Azevedo de Mesquita

 

Maria Eduarda Kona

 

Mary Gambiarra

 

Mel Mesquita – Medro

 

Rafael Veiga dos Santos

 

Rafaelly Godoy Brito (La Conga Rosa)

 

Ricardo Caldeira de Souza

 

Ronnalty Cordeiro – Ranna Kimera

 

Ruan Ítalo de Araújo

 

Ruth Venceremos

 

Scarlety Vasconcelos

 

Thango

 

Victor Hugo Soulivier

 

 

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br