Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/07/12 às 12h29 - Atualizado em 13/11/18 às 14h37

Cena Contemporânea – Brasília respira Teatro

COMPARTILHAR

 

a cena contemporanea

 Que marcas a África deixou nas veias abertas da América Latina? Ou o que as veias abertas da África transfundiram da cultura latino-americana?

Eduardo Galeano, o escritor uruguaio de quem foram emprestados os termos acima, talvez consiga responder sob um ponto de vista mais político. Não é o caso aqui.

As respostas podem estar bem mais próximas de nós. Pelo menos até o dia 29 de julho, quando o continente africano e a América Latina serão destaque na 13ª edição do “Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília”.

Durante 13 dias serão apresentados espetáculos de teatro, dança e música do Benim, Argentina, Colômbia, África do Sul, Chile, México, Cuba e convidados especiais da Espanha e da Alemanha.

Entre os destaques internacionais estão Kofi Kôkô, um dos maiores nomes da dança moderna na África; a argentina Lola Arias e sua mistura de ficção e realidade; a cubana Yusa, da nova geração musical da Ilha; e o chileno Guillermo Calderón, apontado como o mais original de sua geração no país.

Ao todo 20 montagens e shows compõem o Festival Cena Contemporânea. Entre elas, “Mi vida después”, da Argentina, em que seis atores nascidos na década de 1970 e começo dos anos 80 reconstituem a juventude de seus pais a partir de fotos, cartas, roupas usadas, relatos, lembranças apagadas. Cada ator faz um remake das cenas do passado para tentar entender o futuro. Como dublês de risco de seus pais, eles representam uma história familiar, que pode ser a de um pai militante de esquerda morto pela ditadura militar ou a de um pai soldado da inteligência do governo na mesma época.

Os espetáculos serão encenados na Sala Martins Pena do Teatro Nacional, Teatro Plínio Marcos na Funarte, Teatro Goldoni, Espaço Cultural Renato Russo, na 508 sul; CCBB e Espaço Petrobras, na praça do Museu da República.

Detalhes dos espetáculos podem ser conferidos na página do festival: http://www.cenacontemporanea.com.br/

Encontro Internacional Cultura de Rede

O Cena também realiza, em parceria com a Secretaria de Economia Criativa do MinC e diversas entidades nacionais e internacionais, o II Encontro Internacional Cultura de Rede – Gestão e Cooperação Cultural na Ibero-América e a segunda edição do Encontros do Cena (Espaço Internacional de Cooperação Cultural e Artística), com o objetivo de fomentar o intercâmbio entre os criadores e instituições da América Latina e África, reunindo cerca de 20 especialistas e profissionais no tema.

a aids


A Aids na Cena Contemporânea

Paralelo às apresentações teatrais, foi montado na praça em frente ao Museu da República, o Primeiro Festival Internacional de Humor em DST e Aids.

Uma iniciativa do Ministério da Saúde e do Instituto Memorial de Artes Gráficas (IMAG), o Festival conta com 300 cartuns, selecionados de 1.500 trabalhos de 50 países.