Governo do Distrito Federal
22/05/23 às 12h31 - Atualizado em 22/05/23 às 12h31

Carnaval fora de época traz de volta desfile das escolas de samba no DF

Texto: Giselle Chassot / Edição: Sâmea Andrade

 

Foto: Caio Marins

Vai ter Carnaval em tempos de São João em Brasília! Este ano, o desfile das escolas de samba será entre os dias 23 e 25 de junho, na passarela que será montada no Eixo Cultural Ibero-americano. O show de gala, como define o secretário Bartolomeu Rodrigues, será encerrado no terceiro dia, com a apuração das campeãs.

 

Para comemorar, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) vai contar a história das principais agremiações e mostrar que Brasília tem samba no pé, muito ziriguidum e até tradição.  A cada semana, será contado um pouco da trajetória do samba em Brasília sob a ótica das comunidades que fazem o espetáculo dos grupos especial e de acesso.

 

A série tem início com a mais antiga das escolas do DF, a Associação Recreativa e Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc). Os amantes do samba também poderão conferir as histórias da União da Vila Planalto e da Capela Imperial de Taguatinga, que luta para voltar ao grupo Fespecial.

 

O Gavião

A maioria das escolas do DF nasceu das saudades de cariocas que se sentiam exilados das festas de Momo com a transferência da capital para Brasília, ainda na década de 1960.  A Aruc foi fundada em outubro de 1961. “É a mais antiga em atividade”, comemora o jornalista Moacyr de Oliveira, ex-presidente da agremiação e espécie de enciclopédia viva do carnaval brasiliense.

 

Foto: Caio Marins

O Gavião do estandarte remete ao antigo nome da Região Administrativa do Cruzeiro – sede da escola até hoje. Fundada para reunir os moradores, a associação recreativa e cultural foi campeã do carnaval do cerrado pela primeira vez em 1965. Hoje, acumula 31 vitórias, sendo oito seguidas. O sucesso garantiu à Aruc o título de patrimônio cultural e imaterial de Brasília, em 2009.

 

Embora não tenha havido desfiles por quase uma década, a escola se manteve em atividade junto à comunidade, por meio de ações como as feijoadas, eventos esportivos e culturais. Em 2015, a Aruc chegou a lançar um enredo para o desfile que acabou não acontecendo. Seria uma homenagem à Cia de Comédia Os Melhores do Mundo. “Sem o desfile, a Aruc seguiu com as atividades em sua quadra, como a Feijoada do Gavião que contou com várias edições”, ressalta o presidente da escola, Rafael Fernandes. Ele também destaca a parceria com alguns blocos carnavalescos e lembra que os integrantes da agremiação desfilaram  pelas ruas do Cruzeiro nos carnavais de 2018 até 2020.

 

“Em 2018 lançamos o primeiro CD com sambas históricos da ARUC, gravados por nomes como Dhi Ribeiro, Marcelo Sena, Teresa Lopes e outros sambistas que interpretaram sambas campeões na avenida. Quando veio a pandemia, a Aruc foi a primeira escola de samba a realizar uma live, em outubro de 2020, transmitindo o concurso do samba-enredo para 2021 diretamente de sua quadra para a internet. Em 2021, voltou a desfilar, mas desta vez no mês de abril e também em outubro para comemorar os seus 60 anos. Em 2022, participou ativamente das lives  e atividades carnavalescas promovidas pela Secretaria de Cultura e do projeto Escola de Carnaval”, detalha Fernandes.

 

Este ano, a escola traz para a avenida o enredo Levanta, Sacode a Poeira e Dá a Volta por Cima – uma homenagem a todos que ajudaram a escola.

 

Escola coirmã

Coirmã e afilhada da Aruc, a Capela Imperial de Taguatinga foi fundada em 1976, por sambistas e amigos que trabalhavam no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e vieram transferidos do Rio de Janeiro. Eles foram alojados nas últimas quadras do setor QNJ.

 

Foto: Galera na Foto/ Redes sociais

“Após alguns encontros de organização, esses primeiros integrantes passaram a se encontrar no Bar do Zezão, em Taguatinga, onde até hoje fazemos os nossos ensaios juntamente com o apoio dos comerciantes e comunidade, e fundaram o Grêmio Recreativo Bloco Carnavalesco Capela Imperial de Taguatinga”, narra a presidente da escola, Lili Gaspar.

 

A Capela é uma das escolas de samba mais tradicionais, já que é a terceira agremiação mais antiga do Carnaval do DF. O nome faz alusão a Tião Padre, em cuja residência aconteceram muitos dos encontros. O apelido veio da paixão pelo samba e pelo vinho. “De Padre veio Capela e o Imperial veio para dar uma certa formalidade”, conta Lili.

 

Ela relata que, desde o ano 2019, com o auxílio do vice-presidente Geovanny Silva, trabalha na preservação dos ensaios e na modernização do contato com a comunidade e os integrantes da escola por meio de lives.

 

Em 2023, a escola traz o enredo Taguatinga, a Ave Branca e espera, com ele, voltar ao grupo especial. A Capela foi para o grupo de acesso em 2012.

 

Foto: Redes sociais

União da Vila

Uma borboleta com as cores azul, vermelho e branco é o símbolo da escola, fundada por moradores da Vila Planalto. Neste Carnaval, a agremiação vem com o enredo Plunct, Plact… venha você também na magia da infância, porque a Vila Planalto volta a ser Criança  e espera conquistar o título de campeã.

 

A presidente, Denise dos Santos, é também líder comunitária. Ela fala dos oito anos sem desfiles como um dos momentos mais difíceis por que a escola passou. “A comunidade cobra muito, sempre cobrou, até porque a escola sempre foi um polo de geração de empregos, especialmente para os adolescentes”, detalha.

 

Denise diz ainda que a escola também é uma forma de manter os idosos ocupados e ajudá-los a garantir uma renda extra. Ela diz que a situação ideal seria ter um barracão onde a comunidade pudesse não apenas ensaiar, mas ter acesso a cursos, capacitação e treinamentos profissionais.

 

Leia mais https://www.cultura.df.gov.br/desfile-das-escolas-de-samba-tem-data-marcada/

 

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br