Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/08/20 às 11h34 - Atualizado em 21/08/20 às 12h41

Caldeirão cultural, Planaltina comemora 161 anos com arte em ascensão

COMPARTILHAR

Texto: Loane Bernardo/ Edição: Sérgio Maggio (ASCOM/SECEC)

 

No meio de toda a riqueza histórica e religiosa, Planaltina é considerada um caldeirão cultural e faz escola para toda a comunidade artística do DF. Forte nas artes cênicas, a cidade é pioneira neste segmento. Celeiro de grupos premiados, Planaltina conta com mais de três mil atores e figurantes envolvidos nos espetáculos locais de dramaturgia. O seu aniversário, de 161 anos comemorado nesta quarta-feira (19.08), é motivo de orgulho para o DF e o Brasil.

 

Diante da alta demanda dos segmentos culturais em Planaltina, os artistas e a população clamavam por um espaço onde pudessem ser realizados e assistidos os belos espetáculos realizados pelos fazedores de cultura da cidade. Em outubro de 2018, o desejo foi atendido com a inauguração do Complexo Cultural Planaltina (CCP). O espaço público cultural, regido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF (Secec), beneficiou a comunidade com um significativo papel de difusão do acesso à arte e à cultura como estratégia para minimizar situações de vulnerabilidade social e promover cidadania.

 

 

MENSAGEM DO SECRETÁRIO DE CULTURA, BARTOLOMEU RODRIGUES

 

 

 

 

CULTURA DE FÉ

 

 

 

De acordo com o gerente do Complexo Cultural de Planaltina, Júnior Ribeiro, Planaltina abriga as maiores manifestações culturais religiosas do Distrito Federal, além de ser celeiro de grandes expoentes da cultura em todas as linguagens artísticas. Segundo ele, o elemento mais marcante presente na construção cultural da cidade é a pluralidade de ideias e de identidades em todos os segmentos.

 

Ribeiro destaca o papel que Planaltina exerce como “mãe da Capital”, abrigando a Pedra Fundamental de Brasília, além da

contribuição histórica e artística como um todo. “Nasci em Brasília e cresci em Planaltina. Foi nessa cidade que descobri a arte como uma ferramenta de transformação humana. Estar à frente do CCP é poder contribuir não só com o fomento da arte e cultura, mas também construir diálogos com os agentes culturais que compõem a história da cidade”, completou o gerente do espaço.

 

PALCO DE TALENTOS

 

 

 

Cenário de festivais tradicionais como o “Parque Sucupira de Música Popular Brasileira”, a “I Mostra de Dança de Planaltina” e o “Encontro de Folias de Reis do Distrito Federal”, o complexo também atuou como pólo de descentralização do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em 2019. O gestor do equipamento reforça que atividades culturais desenvolvidas no CCP fortalecem a cadeia produtiva e oportunizam o consumo à periferia. “Antes da inauguração do Complexo, a nossa comunidade precisava sair da sua origem para consumir cultura no Plano Piloto. Hoje é possível consumir cultura em Planaltina”, contou Júnior.

 

 

Referência de efervescência cultural, tanto para a comunidade local quanto para os agentes culturais, que exercem sua influência com destaque, o espaço recebeu 35.836 pessoas desde sua inauguração. O público pôde conferir espetáculos de música, dança, oficinas de capacitação e diversas outras manifestações culturais que contribuíram para a inserção de uma programação diversificada e qualificada, totalmente acessível à comunidade.

 

Diante da pandemia, as ações do complexo acontecem no formato on-line. Entre as ações desenvolvidas, o público pode conferir pela internet o projeto “Ocupação Horizontal”. Patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC), a iniciativa oferece oficinas sobre produção cultural e cultura popular. O CCP também moderou recentemente o projeto “Lives de Quinta”. As transmissões, realizadas pelo Instagram do equipamento, abordaram de modo descontraído a valorização do patrimônio cultural com convidados considerados tesouros vivos para a cultura local.

 

Para o segmento do drafite e hip hop, será aberto um Edital de Chamamento Público promovido pela Secec. Nomeado de “Planaltina Arte Urbana”, o certame selecionará grafiteiros da cidade para desenvolver um painel na parede externa do CCP, em frente à Avenida Uberdan Cardoso. A ação homenageará os 161 de Planaltina e também a força do Complexo Cultural.

 

MESTRE D’ARMAS

 

 

A Região Administrativa mais antiga do Planalto Central já existia muito antes da delimitação de cada um dos quatro cantos do quadrado que distingue o Distrito do estado de Goiás. Originária do povoado chamado Mestre d’Armas, o local foi o ponto de partida para a execução da ideia visionária de construir a nova capital federal.

 

O povoado que mais tarde se tornou Distrito Mestre d’Armas, por meio de uma lei publicada pela Assembleia Provincial de Goiás em 19 de agosto de 1959, hoje se chama Planaltina, que teve sua história dividida entre antes e depois do Distrito Federal. A partir da vinda da Missão Cruls em 1982, o então Presidente da República Epitácio Pessoa determinou o assentamento da Pedra Fundamental de Brasília na região, sendo finalmente afixada, no dia 7 de setembro de 1922, onde se pretendia construir a central do País.

 

Com o significado de “Coração do Planalto Central”, Planaltina não carrega só o título de Região mais antiga do DF. Ao longo de todos estes anos, antes da inauguração da sexagenária Brasília, a cidade conta com características que a tornam única. Ainda quando era apenas um povoado, Planaltina já se destacava no contexto cultural, histórico, religioso e turístico que influencia toda a população do DF.

 

Mesmo com toda a modernidade fornecida por Brasília, Planaltina preserva muitos valores antigos. Com equipamentos culturais e históricos, a cidade também atrai muitos turistas. Com cartões postais que se destacam entre a Igreja de São Sebastião e o Museu Histórico e Artístico da Cidade, Planaltina também é muito procurada pela história do templo religioso Vale do Amanhecer. Fundado em 1969 e comandado pela clarividente Neiva Chaves Zelaya, conhecida como “Tia Neiva”, o local se tornou o maior centro espiritualista do Brasil. A cidade também é palco da maior celebração católica realizada no DF, a “Via Sacra”, no Morro da Capelinha, além da Festa do Divino Espírito Santo, que marcam as cavalgadas realizadas na cidade.

 

Leia amanhã (20.08) mais sobre o Aniversário de 161 anos de Planaltina

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (ASCOM/SECEC)

e-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br