Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/04/18 às 23h23 - Atualizado em 13/11/18 às 15h31

Brinquedo de Ler inicia apresentações no Panteão da Pátria

COMPARTILHAR

 

Já imaginou juntar teatro, contação de histórias e design em uma abordagem que une Brasília
e a primeira infância a partir do olhar poético presente no brincar? Esta é a proposta do
projeto “Brasília Brinquedo de Ler” que ocupa o gramado do Panteão da Pátria (Centro Cultural 3 Poderes) todos os sábados de 28 de abril a 2 de junho, em duas sessões, sempre às
15 e às 17 horas, com entrada franca.

 

O espetáculo aborda Brasília através do olhar imaginativo do brincar. Dois personagens
experimentam as infinitas possibilidades dos seus brinquedos de papel e compartilham entre
si e com o público os seus sonhos, repletos de humor e encantamento, sobre a cidade onde
vivem.

 

A narrativa trata da relação destes personagens metaforicamente inspirados em Lúcio Costa e
sua esposa Julieta Guimarães, que eram grandes companheiros. O projeto de Brasília,
frequentemente comparado a um avião, foi na verdade inspirado em uma borboleta:
homenagem de Lúcio Costa à sua esposa, a quem o urbanista chamava carinhosamente de
Leleta.

 

Ao refletir sobre esta relação pessoal que se estendeu ao espaço, a diretora Ana Flávia Garcia
provocou o multiartista Gabriel Guirá a pensar na fusão entre dramaturgia e design,
considerando as perspectivas poéticas da criação de Brasília e suas estéticas urbanísticas e
arquitetônicas.

 

“Brasília Brinquedo de Ler” é um dos primeiros projetos contemplados na modalidade
Ocupação de Espaços Públicos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do DF, como comenta
Ana Flávia Garcia: “O FAC apresentou em 2016 essa inovação em seu edital, promovendo
ações de Ocupação Artística em diversos pontos da cidade. Acredito com bastante convicção
que esta é uma demanda representativa da expressão artística contemporânea, oportunizando
tanto a experimentação das obras em espaços públicos, quanto a atualização dos desejos do
público em frequentar estes espaços a partir desse intercâmbio de linguagens.”

 

Gabriel Guirá afirmou estar muito feliz por ocupar espaços públicos com arte. “São espaços
tão lindos, vastos, grandes que tem aqui em Brasília, e estão sempre tão desertos. Ocupar com
um projeto como esse, com crianças, que preenchem qualquer vazio, qualquer monumento
branco elas preenchem com a imaginação, pra mim é muito potente. É uma potência poética.
Fico feliz de estar promovendo isso na cidade. Espero que o projeto seja uma porta para que
as crianças, os pais, todo mundo queira cada vez mais ocupar os espaços de Brasília”, disse.

 

Fernando Gonzáles levou sua filha, Helena Paes, de três anos, para assistir à história. A
pequena interagiu e se divertiu com a possibilidade de brincar com os elementos de cena após
a apresentação. Professor de artes, Fernando mora na Capital Federal há 18 anos, e faz
questão de participar de atividades culturais em espaços públicos. “É mais uma oportunidade
de constatar que Brasília tem inúmeros lugares que convidam pra interação entre a população,
que atualmente é tão carente disso. A peça foi fantástica, muito lúdica, é muito difícil atingir
um publico nessa faixa etária, mas me atingiu de uma maneira incrível. É importante a gente
acompanhar os grupos de resistência, grupos culturais que fazem esse tipo de trabalho”,
explicou.

 

Dois momentos

 

A ação é dividida em dois momentos: primeiro a apresentação do espetáculo e em seguida a
interação, no qual ocorre a livre experimentação das crianças com os brinquedos criados por
Gabriel Guirá. Esses brinquedos são originados de ilustrações e dobraduras cujo design
remete à estética de Brasília e se tornam instrumentos de uma narrativa autoral em um diálogo
poético entre o real e o imaginário da criação da cidade.

 

Esse é um projeto em que a identidade territorial, a poética infantil e o brincar livre surgem
como os verdadeiros três poderes” destaca Gabriel Guirá, reafirmando que as crianças têm
autonomia para criar suas próprias narrativas a partir da leitura visual múltipla que esses
objetos oferecem. “Estará assegurado neste trabalho, o espaço da subjetividade e da poesia
para facilitar a livre narrativa desse público tão deliciosamente poroso à experimentação
estética”, conclui Ana Flávia Garcia.

 

Serviço

Brasília Brinquedo de Ler

Data: De 28 de abril e 02 de junho (sábados), com duas sessões às 15 e 17 horas
Local: Gramado do Panteão da Pátria (Centro Cultural 3 Poderes – Praça dos Três Poderes)
Ingressos gratuitos
O público é ilimitado, em quantidade e idade, mas para a interação com os brinquedos cada
sessão comporta no máximo 15 crianças (3 a 6 anos), mediante agendamento prévio (por e-
mail:brinquedodeler@gmail.com ou pelo WhatsApp: (61) 99997-5969
Informações: (61) 99997-5969
brinquedodeler@gmail.com