Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/11/19 às 16h13 - Atualizado em 25/11/19 às 16h48

Ambiente de Negócios do Festival de Brasília busca fomentar negócios no mercado audiovisual

COMPARTILHAR

A 3ª edição do Ambiente de Negócios do Festival de Brasília do cinema Brasileiro começou nesta segunda-feira (25) no Espaço Cultural Renato Russo e trouxe, logo na abertura, uma excelente notícia para empreendedores brasileiros de audiovisual. A representante da emissora pública Rádio Televisão Portuguesa (RTP), Alice Milheiro, informou à plateia da Sala Marco Antônio Guimarães, onde se realizam as atividades da rodada com 25 entre os principais players nacionais e internacionais, que o mercado do país ibérico está aberto a coproduções com realizadores do Brasil.

 

Os projetos devem estar associados a produtores portugueses, para que tenham acesso aos recursos na casa de €$ 13 milhões (treze milhões de euros) por ano. “Estou aqui para perceber o que os brasileiros têm para oferecer”, disse à plateia. O produtor nacional familiarizado com Portugal, André Luiz Oliveira, que participou da mesa, entende que esse é um diálogo que precisa ser incrementado, dadas as afinidades entre os dois países.

 

O evento contou com a participação do curador do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) Marcus Ligocki, da subsecretária de Economia Criativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Erica Lewis, e da gerente do Sebrae para gestão e empreendedorismo no setor audiovisual, Juliana Mota. Ligocki afirmou que a iniciativa de colocar os participantes da cadeia produtiva do audiovisual em contato com importantes compradores nacionais e internacionais é um passo importante para alavancar o desenvolvimento do setor na capital federal. “Nós aqui teremos oportunidade de nos debruçar sobre que realidades o segmento está vivendo, de que conexões precisa e quais são as narrativas que estão apontando as tendências de mercado”.

 

Segundo Érica Lewis, o ambiente de mercado no Festival de Brasília visa consolidar o potencial da economia criativa do Distrito Federal. “É nossa intenção fortalecer as conexões de negócios na área audiovisual para garantir futuras produções e estimular todos os elos da cadeia produtiva”, afirmou.

 

Ainda pela manhã, participantes também participaram de estudos de caso, como o do lançamento bem-sucedido no Brasil do longa-metragem queniano Rafiki, um filme fora do eixo e de baixo orçamento, e que teve o desafio de pensar estratégias de comunicação para gerar interesse de audiência.

 

Houve espaço dedicado a ateliês com clínicas one to one entre especialistas e projetos pré-selecionados. Felipe Lopes (Vitrine Filmes) tratou de marketing audiovisual, Mary Morita (Brazilian Content) da comercialização para o mercado internacional e Leo Garcia (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre – Frapa) fez diagnósticos para quem quer tirar uma ideia do papel. “Roteiro não é uma ciência exata, e claro que as pessoas não precisam seguir o que eu digo, mas meu conhecimento do mercado ajuda a alavancar algumas propostas”, afirmou Garcia.

 

Juliana Verdovato veio de São Paulo para avaliar um projeto sobre modelistas nipobrasileiros, “Seibi-Kai”. Trata-se de organização criada em São Paulo em 1935, congregando artistas plásticos japoneses imigrantes, como Manabu Mabe (1924 – 1997) e Tomie Ohtake (1913). A proposta de produtos sobre o movimento é multimídia – série para TV com podcast, longa, telefilme, exposição e livro. Juliana opinou que a clínica com Mary Morita valeu a pena. “Ela é incrível, maravilhosa”.

 

No Teatro de Bolso, aficionados por minisséries absorviam cada palavra da aula de Júlia Priolli na mesa “Teoria de séries: desenho de temporada”. Gerente de conteúdo original do Canal Fox, com especialização em Columbia, ela falou sobre os pilares que mantêm séries consagradas como “Breaking Bad” (2008) e “Big Little Lies” (2017). Conteúdos como gênero, conflito central, personagem, universo e motor guardam as chaves do sucesso.

 

O 3º Ambiente de Mercado reúne realizadores, especialistas e compradores até a próxima quarta-feira (27). A programação completa está disponível no site do Festival.

 

 

Fotos: Ludimila Barbosa SECEC/DF