Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/06/19 às 15h14 - Atualizado em 7/06/19 às 15h24

35ª Feira do Livro de Brasília homenageia bibliotecas públicas e escolares

COMPARTILHAR

A valorização das bibliotecas e seu papel na formação de cidadãos críticos deu o tom da abertura da 35ª Feira do Livro de Brasília (Felib), na quinta-feira (06). O evento realizado pela Câmara do Libro do Distrito Federal e pelo Instituto Latinoamerica e apoiado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF, abre as portas ao público a partir de hoje, no Complexo Cultural da República.

 

Escritores, editores, contadores de histórias e autoridades se reuniram na Biblioteca Nacional de Brasília para a solenidade que apresentou a Cidade da Leitura, que durante 10 dias receberá programação intensa com contação de histórias, palestras e debates. Com o tema “Biblioteca, espaço do prazer e do aprender”, a feira valoriza em 2019 as bibliotecas públicas e escolares.

 

De maneira lúdica, a contadora de histórias do Guará, Nyedja Gennari abriu a cerimônia, revisitando toda a trajetória da Felib, que desde 2002 é parte do calendário oficial de eventos do DF, e destacou seu papel essencial na valorização do livro e no estímulo à leitura e à literatura. “Esta é a ação mais democrática do gênero no Centro Oeste”, disse.

 

O diretor do instituto Latinoamerica, Atanagildo Brandolt e o presidente da Câmara do Livro, Ivan Valério, agradeceram o apoio do Governo do Distrito Federal para a realização da 35ª Felib. Segundo Valério, o governo se mostrou disposto a ajudar a democratização do evento, ao promovê-lo em um local de fácil acesso, próximo à rodoviária do Plano de Piloto, permitindo que toda a população possa visita-la. “Acreditamos na Cultura, no livro, na leitura e que através desses instrumentos vamos fazer cidadãos críticos e que pensam”, afirmou.

 

O coordenador de comunicação da Felib, Marcos Linhares, enalteceu a proposta da feira este ano, que tem um projeto integrado com as escolas. De acordo com ele, essa coordenação pedagógica vai permitir a realização de uma série de atividades para alunos e professores da rede pública de ensino. Ele também comentou a diversidade da programação. “Teremos um estande focado em literatura, negra, feminina e indígena, obras voltadas para pessoas com deficiência e feitas por autores com deficiência, além de vasto conteúdo geek e independente”.

 

O secretário de Cultura e Economia Criativa, Adão Cândido, comemorou a realização da Felib no Complexo Cultural da República. “A ocupação deste espaço com uma atividade tão rica faz com que mais pessoas frequentem equipamentos públicos como a Biblioteca Nacional de Brasília e o Museu da República”.

 

Ao celebrar o tema da feira, ele homenageou a Mala do Livro, programa mais antigo da Secec que leva livros à parcela da comunidade que não tem acesso a bibliotecas. Cândido pontuou a importância da iniciativa, que tem “raízes profundas na sociedade” e anunciou medidas de fortalecimento da ação, que atende ainda presídios, unidades hospitalares e estações do metrô.

 

O secretário também falou sobre as ações do GDF em prol da valorização do livro e leitura, com realização de investimentos e políticas públicas para o setor. Ele citou, por exemplo, o aporte de R$ 1 milhão da Secretaria de Educação para que as escolas da rede pública adquiram livros na feira, promovendo giro econômico e melhorando as bibliotecas escolares. Nesse sentido, ele adiantou que será feito um esforço para fortalecer os mecanismos de financiamento para a área. “Lançaremos até o fim do ano, uma linha do Fundo de apoio à cultura voltada ao apoio de feiras literárias. Nossa ideia é incentivar a realização de eventos que levem a literatura para as regionais, uma vez que entendemos que o livro é instrumento básico da formação da Cultura e para a formação de público”, afirmou.

Outro importante anúncio foi feito durante o evento pelo secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, ao comentar sobre uma das homenageadas da Falib, a bibliotecária Maria da Conceição Moreira Salles, que dá nome à Biblioteca Demonstrativa de Brasília. Ele afirmou que em 29 de outubro deste ano, data em que se comemora o dia do livro, este importante equipamento cultural será reaberto ao público. “O Governo Federal está em tratativas para que a Biblioteca Demonstrativa seja gerida pelo GDF e volte a cumprir seu papel inicial”, completou.

 

Homenageados

A edição desse ano homenageia o poeta Maílson Furtado, de 27 anos que recebeu o prêmio Jabuti em 2018, por seu livro “À cidade”. Outra homenageada, a bibliotecária Maria da Conceição Moreira Salles, falecida em 2012, que dá nome à Biblioteca Demonstrativa, uma das mais representativas da capital federal. Além deles, o ilustrador André Cirino, que preenche com cores e alegria os painéis da 35ª Felib.