Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/07/14 às 13h46 - Atualizado em 13/11/18 às 14h49

Vitória da Alemanha contra França é comemorada em grande estilo

COMPARTILHAR

Embaixada da Alemanha promove evento com direito a telão e comidas típicas

A Embaixada da Alemanha organizou na tarde de ontem (04) uma grande festa para brasileiros e alemães torcerem juntos pela seleção europeia. A Alemanha enfrentou a seleção francesa pelas quartas de final da Copa do Mundo e levou a melhor. Cerca de mil pessoas participaram da festa com direito a comida típica alemã e muita cerveja.

Segundo a embaixada, além de brasileiros e alemães, pessoas de diversas partes do mundo participaram do evento. Durante o primeiro tempo de jogo, período em que a Alemanha marcou o primeiro e único gol da partida, a torcida estava tranquila, mas com os olhos vidrados no telão. No final do segundo tempo, os nervos já estavam a flor da pele, mas ao final, tudo virou festa.

A servidora pública Vanessa Vaz, 33 anos, afirmou que a organização do evento estava excelente. No entanto ela estava achando um pouco estranho torcer por outro país, na casa do outro país. Vanessa ficou sabendo da transmissão do jogo na embaixada pela irmã e as duas se cadastraram no site para participar.
De acordo com a embaixada, quem tivesse interesse de assistir a partida tinha que mandar uma solicitação por e-mail para a embaixada. No entanto, se o próximo jogo for Brasil e Alemanha, caso o Brasil passe hoje pela Colômbia, essa opção não estará disponível. Desde o início da Copa do Mundo mais de quatro mil pessoas já passaram pelo local.

A analista de relações internacionais, Renata Rudolf, 31 anos, e o analista de sistemas Marcos Rudolf, cidadão alemão, 36 anos, acompanharam quase todos os jogos da embaixada. Segundo Marcos, hoje ele está tranquilo porque dá para torcer tanto para a Alemanha quanto para o Brasil. “O difícil vai ser se o Brasil for para a semifinal, terei que ver na hora”, disse.

As amigas Natália Morato, jornalista, e Carla Aguiar, engenheira, também se inscreveram pelo site para assistir ao jogo na embaixada. Segundo elas, é uma oportunidade de ver pessoas de outros países e sentir um pouquinho do que é estar no estádio. “Geralmente assistimos os jogos em bares e só tem brasileiro, aqui dá para ver um pessoal diferente”, destacou Natália.

Pessoas de todos os credos, cores, nacionalidades , idades e interesses passaram pelo local durante a exibição da partida. Estudantes brasileiros que moraram na Alemanha, alemães que trabalham no Brasil, brasileiros em busca de diversão, turistas alemães, entre outros. O arquiteto alemão Nicolas Potent, 48 anos, por exemplo, voltou para Brasília para reencontrar amigos e não voltou mais para o seu país.

Nicolas contou que morou na capital na década de 1980 e em 2002 retornou para a cidade. O coração do torcedor está dividido, mas garante que ficará feliz se qualquer um dos países (Alemanha e Brasil) à final. “Uma amiga que joga tarô disse que o Brasil irá perder hoje para a Colômbia. Eu não acredito”, riu.

A brasiliense Laura Muradi, jornalista, 36 anos, e o alemão Kai Kundrat, designer de madeira, 37 anos, representavam a união entre Brasil e Alemanha. O casal torcia junto pela Alemanha e farão o mesmo mais tarde pela Seleção Brasileira. Laura confessa que no jogo do Brasil ficará muito nervosa.

“Se ficar muito tensa acho que andarei pela rua sozinha”, brincou. Logo foi advertida pelo marido, “você não pode fazer isso. Tem que torcer, assistir e torcer muito como fazem todos os brasileiros”, disse o designer. Kundrat acrescentou ainda que espera que o Brasil ganhe esta Copa “pelo bem do mundo e do próprio Brasil. O país, que já é uma referência para o mundo, ainda tem muito a dizer”, destacou o alemão.