Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/02/14 às 19h27 - Atualizado em 13/11/18 às 14h45

Unidos da Vila Paranoá exaltará os negros na Passarela da Alegria

COMPARTILHAR
Agremiação aposta na força do samba e nos orixás para chegar à elite do carnaval brasiliense
BRASÍLIA – (23/2/14) – As história de conquistas dos negros será contada em desfile da Unidos da Vila Paranoá, que entra na avenida em 2014 com a certeza de que será a grande campeã e subirá pela primeira vez ao Grupo Especial, após oito anos de luta. A força do samba é a grande aposta da agremiação para o carnaval deste ano, que promete surpreender no arranjo.
 
Com o enredo “Quem é Rei jamais perde a Majestade. Da África ao Brasil, Negro Rei, Negro Escravo, Negro Sociedade”, a escola pretende mostrar ao público a trajetória de importantes personagens da nossa história. “Sou negro, de família pobre e, com muita dificuldade venci na vida. Baseei a escolha do enredo em minha vida”, explicou o presidente da escola, David Santos.
 
A comissão de frente trará a criação do mundo por meio dos Orixás. Já os três carros alegóricos contarão, em sequência, um pouco da história da África, o sofrimento dos escravos e a conquista dos negros, que marca os tempos atuais. “Fomos reis, fomos escravos e agora estamos mais que inseridos na sociedade. É isso que queremos mostrar”, destacou.
 
Aproximadamente 500 pessoas se dividirão em 13 alas, fora a alegoria. Para transportar o público a um ambiente bem africano, a escola abusará das cores e reforçará os batuques. “Esse ano investimos em uma estrutura melhor, como também na equipe de trabalho. Essa é a primeira vez que essa equipe trabalha junta e tenho certeza que será sucesso.”
 
HISTÓRICO – Carioca de raiz, David Santos chegou a Brasília em 2003 à procura de um local para dar continuidade ao seu amor pelo samba. Como era morador do Paranoá, cidade que ainda não tinha representação no carnaval, encontrou refúgio na escola da Asa Norte, rotina de folia que foi logo mudada com a chegada de um novo amor.
 
“Todo o carnaval ia para o Plano Piloto e por lá ficava até o final da festa. Essas viagens estavam deixando meu relacionamento abalado e, por isso, resolvi investir na fundação dessa escola. Juntei alguns amigos da cidade em 2007 e concretizamos esse sonho. Ficamos um ano como bloco e estamos há sete no Grupo de Acesso”, destacou.
 
(K.I./I.M.*)o.