Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/06/20 às 10h38 - Atualizado em 25/06/20 às 18h09

Sinfônica grava “Concerto de Aranjuez”, clássico universal, em mensagem de paz na pandemia

COMPARTILHAR

VT que vai ser veiculado nas redes da Secec e de parceiros do governo espanhol traz violão virtuoso de Fábio Zanon

 

Os primeiros arpejos de violão que abrem o segundo movimento do “Concerto de Aranjuez” (1939, Joaquín Rodrigo) tocam o ouvinte com um misto de paz e melancolia. “Qualquer momento de dificuldade e incerteza encontra eco em determinadas músicas que nos permitem elaborar sentimentos de dor. O concerto de Rodrigo é um desses casos”, diz o violonista Fábio Zanon sobre fazer o solo em uma das obras mais populares do repertório clássico universal, no momento em que o mundo atravessa a pandemia do coronavírus.

 

Nascido em Jundiaí (SP), com mais de 40 concertos e formação no Brasil e em Londres, Zanon se junta a 43 músicos da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) e, sob a regência do maestro Cláudio Cohen, produzem um vídeo com a joia da música erudita espanhola para ser veiculado nas redes sociais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), do Instituto Cervantes e da embaixada da Espanha.

 

“Rodrigo foi muito feliz na concepção dessa peça num momento especialmente triste para ele pessoalmente”, conta Zanon. O instrumentista se refere ao fato de que Aranjuez – que dá nome ao concerto para violão mais popular do século 20 –, é a cidade a cinquenta quilômetros de Madri onde o compositor passara felizes momentos em lua de mel.

 

Paradoxalmente, no momento da criação da peça, havia acabado de perder um filho no parto da esposa. O contexto era o de ascensão do fascismo, o que fica legendado no VT pela alusão à tela “Guernica” (1937), de Picasso, um protesto da arte contra o bombardeio da cidade de mesmo nome naquele ano pelos nazistas na Guerra Civil Espanhola.

 

Cego desde a infância, Joaquín Rodrigo foi responsável por dar ao violão o status de um instrumento sinfônico, ensina Zanon. “Até os anos 20, pairava um ponto de interrogação sobre o violão, que não era considerado muito apropriado para as salas de concerto, seja pelo pouco volume, pela falta de repertório ou por que tinha reputação duvidosa dada sua popularidade”, conta o solista, que já se apresentou nos principais teatros em mais de 50 países e é, segundo o regente da OSTNCS, “nosso principal violonista da atualidade”.

 

Zanon também fala da dificuldade que a obra representa para solistas do instrumento: “exige do violonista a bravura que se espera da música espanhola, mas também uma certa elegância e estabilidade na interpretação. É uma obra muito encrencada, com escalas rápidas e alternância entre técnicas que desestabilizam umas as outras”.

 

O violonista, que já se apresentou com Yamandu Costa e cantores de todos os estilos – Claudia Riccitelli, Carole Farley, Rosana Lamosa, Rodrigo del Pozo, Toquinho, Ney Matogrosso e Maria Mulata –, anota que o concerto escrito por Joaquín Rodrigo também é complexo por, a um só tempo, beber nas fontes da música folclórica espanhola, dentro da qual pontifica o flamenco, e render tributo ao estilo neoclássico do século 18.

 

O “Concerto de Aranjuez” é uma das obras mais representativas da cultura musical espanhola, e o segundo movimento é admirado por ouvintes de todo o mundo. A interpretação de Zanon agrega ainda mais força a escolha desta belíssima obra”, diz Cohen. Além do mais, acrescenta o maestro, “a música traz uma mensagem poética de paz e reflexão adequadas para esse momento de isolamento social”.

 

O trompista da Sinfônica, Ellyas Lucas Souza e Veiga, trabalhou três horas por dia na edição do VT, que contará com parcerias do Instituto Cervantes (mais de 25 mil seguidores, somados os perfis nas redes sociais do Facebook, Instagram e Twitter) e da embaixada da Espanha (quase 50 mil de seguidores no FB e Insta juntos) para divulgar a gravação pelo mundo. Assista a seguir:

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=up-pcenGL8U&feature=youtu.be

 

#agendacultural