Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/08/19 às 16h45 - Atualizado em 6/08/19 às 16h50

Secretário discute parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação

COMPARTILHAR

Na manhã de hoje (06), o secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec) Adão Cândido, recebeu em seu gabinete o secretário adjunto de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Gustavo Alvares, o subsecretário de Programas Estratégicos da pasta, Rafael de Sá e o representante da Mobile World Conference, Samuel Possebon. O encontro teve como pauta o alinhamento de estratégias envolvendo tecnologia e entretenimento para conferências mundiais, como a Mobile World Conference, SXSW e Campus Party.

 

Na ocasião, Adão Cândido sugeriu a realização de parceria entre as pastas, unindo as produções culturais e as novidades tecnológicas. “Acredito que juntos podemos formar um grupo com o que há de melhor, unindo as duas expertises, tecnologia e cultura. Assim tomamos o protagonismo e construímos um relacionamento em grandes rodadas de negócios”, conta.

 

O representante da MWC Samuel Possebon falou sobre a conferência, que acontece todos os anos na cidade de Los Angeles e que combina exposição para a indústria móvel e relacionamento com chefes executivos das operadoras móveis, fabricantes de dispositivos, provedores de tecnologia, fornecedores e proprietários de conteúdo de todo o mundo.

 

Ele sugeriu a participação de uma delegação brasileira formada pelas duas secretarias com o objetivo de expor as plataformas e serviços locais, aproximando a conectividade móvel do mundo com as produções de audiovisual, games e aplicativos. “A ideia é fazer uma apresentação sobre o que Brasília e o Brasil dispõem para o conteúdo mobile, envolvendo avanços tecnológicos e produtos artísticos”, destaca.

 

Para o secretário adjunto de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Gustavo Alvares, a ideia é totalmente relevante, tendo em vista a interação entre as duas pastas, no universo de produção e formação de startups e criação de projetos de diversidade cultural e economia criativa, além de Brasília ser um grande cenário de produtores de canais digitais.

 

Alvares propôs, ainda, discutir alternativas de financiamento junto à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX). “A partir da apresentação e aprovação de financiamento, podemos selecionar empresas e agentes do mercado mobile para preparar a delegação de eventos de tecnologias internacionais”, pontua.