Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/02/14 às 15h30 - Atualizado em 13/11/18 às 14h45

Secretário de Cultura lamenta a morte de Glênio Bianchetti

COMPARTILHAR


Artista plástico morreu nesta terça-feira (18)

O secretário de Cultura, Hamilton Pereira, lamenta a morte do artista plástico, gravador, pintor, ilustrador e professor da Universidade de Brasília (UnB), Glênio Bianchetti.

Para Hamilton, conhecido também como o poeta Pedro Tierra, Bianchetti era o “mais importante artista vivo” e, com sua morte, “Brasília pede o silêncio de todos”.

“Morreu a mão do arco-íris, Glênio Bianchetti. A dignidade do traço e do talento leva consigo as alvoradas que não pode pintar”, afirmou o secretário.

Conhecido como um dos artistas plásticos mais importantes da arte brasileira contemporânea, Glênio Bianchetti morreu, aos 86 anos, na noite desta terça-feira (18).

A causa da morte foi uma hemorragia interna, após um cateterismo realizado no final da última semana, no Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul.

Bianchetti deixou o Rio Grande do Sul e mudou-se para capital federal em 1962 atendendo a um convite do professor Darcy Ribeiro, fundador da UnB. Deu aulas na universidade, onde foi responsável pela criação do Ateliê de Arte e o Setor Gráfico.

Porém, foi demitido durante o governo militar e só foi readmitido na Universidade em 1988. Bianchetti sempre foi um humanista e usou a arte com esse fim.