Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/10/19 às 17h36 - Atualizado em 9/10/19 às 18h09

Secretário Adão Cândido e deputado Chico Vigilante debatem projetos para a cultura no DF

COMPARTILHAR

Durante visita, o distrital elencou as prioridades para as celebrações de termos de fomento com Secec
O secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec), Adão Cândido recebeu nesta quarta-feira (09), em seu gabinete o deputado distrital Chico Vigilante e sua assessoria técnica para debater projetos e celebração de termos de fomento para a cultura do Distrito Federal.

 

O encontro teve como destaque as prioridades execução de projetos culturais destinados como a Feira Cultural da Ceilândia, Feira Cultural do Gama, Lazer da Quebrada, Tardezinha do Samba, Repente na Escola, Círculo em Arte e A Escola no Cinema.

 

Vigilante também ressaltou o apreço pela Região Administrativa de Ceilândia e sua preocupação com a movimentação da cultura local e com a conservação e fomento cultural para monumentos históricos, como a Casa do Cantador. Para Vigilante, existem inúmeras manifestações culturais fora do Plano Piloto, que necessitam de valorização. “Me emocionei muito com a última feira cultural que realizamos em Ceilândia, onde batemos o recorde de público de vários lugares do DF”, relatou.

 

Outro projeto prioritário para o distrital é o “A Escola no Cinema”, que consiste em proporcionar uma sessão de cinema para estudantes das escolas públicas do DF, envolvendo o transporte, os filmes escolhidos e o lanche oferecido aos estudantes. O deputado relata que muitos alunos das áreas carentes do DF nunca fizeram um passeio ao Plano Piloto, muito menos para uma sessão de cinema, que envolve cultura e entretenimento. “Para este projeto, também focamos em alunos de ensino especial e do Ensino de Jovens e Adultos”.

 

Nesse sentido, o secretário Adão Cândido concordou com a importância dos projetos apresentados pelo parlamentar e afirmou que as prioridades serão atendidas em tempo hábil. Cândido apenas alertou sobre o rigor burocrático para a admissibilidade dos projetos culturais, desde a apresentação do plano de trabalho, escolha da Organização de Sociedade Civil, até a apresentação das diligências solicitadas pela área técnica. “Com a pertinência cultural identificada e diligências apresentadas, creio que não haverá nenhum impedimento para a execução das prioridades solicitadas”,

concluiu.

 

 

 

Fotos: Ludimila Barbosa SECEC/DF