Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/08/13 às 17h42 - Atualizado em 13/11/18 às 14h39

Secretaria de Cultura apoia Mostra de Cinema Ibero-americano

COMPARTILHAR

Quatorze países estarão representados entre 27 de agosto e 1º de setembro durante a Mostra de Cinema Ibero-americano, que será realizada no Centro Cultural Banco do Brasil.

Serão, ao todo, 15 filmes de Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Espanha, México, Panamá, Portugal, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

A mostra faz parte do acervo do programa Ibermedia destinado ao apoio à produção e distribuição das realizações ibero-americanas.

Por meio de seus filmes, o Ibermedia está presente nos principais festivais de cinema do mundo, como o de Berlim, Roterdam, Cannes, Havana, Los Angeles, Mar del Plata, Huelva, Sundance, Toronto, San Sebastián, Tóquio, Veneza, Nova Iorque e Valladolid.

Para a Mostra de Brasília foi reunida uma ampla variedade de filmes ibero-americanos: desde um drama histórico, passando por dramas contemporâneos, uma divertida comédia com um alto conteúdo social, fábulas e até um documentário.

Filmes/Sinopses/Classificação
*(todos os filmes são legendados)

La ciénaga (O pântano) 
LUCRECIA MARTEL. 2001. Argentina. Duração: 103 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
A apática e decadente vida de duas mulheres e as suas respetivas famílias numa pequena cidade da província de Salta, onde o calor e a pressão ambiental afetam as relações que se estabelecem entre todos eles.

American Visa (American Visa) 
JUAN CARLOS VALDIVIA. 2005. Bolívia. Duração: 100 minutos. Classificação indicativa: 16 anos.
Depois de o visto americano lhe ser recusado, o professor boliviano Mario Álvarez vê-se envolvido numa rede de atividades criminosas que o colocam numa situação delicada. Nesta perigosa aventura, Mario terá de decidir se o seu destino está nos Estados Unidos ou junto da mulher que o ama.

Brava gente brasileira 
LÚCIA MURAT. 2000. Brasil. Duração: 103 minutos. Classificação indicativa: 16 anos.
1778. Diogo, astrônomo, naturalista e cartógrafo, chega de Coimbra ao Pantanal para fazer uma análise topográfica para a coroa portuguesa. Os conflitos crescem entre os soldados que o acompanham e os índios que habitam as terras. O encontro entre os dois mundos leva ao surgimento de um terceiro, onde os conceitos de ambos os lados começam a desintegrar-se.

Satanás (Satanás) 
ANDRÉS BAIZ, 2007. Colômbia. Duração: 95 minutos. Classificação indicativa: 18 anos.
Uma bela burladora de homens. Um sacerdote loucamente apaixonado pela sua ama de chaves. Um professor, veterano de guerra, ressentido com a vida e as circunstâncias. As três histórias entrecruzam-se para mostrar a interligação de eventos no nosso mundo e o efeito dominó que as ações de uma pessoa podem ter sobre a vida de outrem.

Agua fría de mar (Água fria de mar) 
PAZ FÁBREGA. 2010. Costa Rica. Duração: 83 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
Mariana e Rodrigo visitam a costa do Pacífico nas férias de Ano Novo. À noite, no meio do nada, encontram Karina, que está a fugir de casa. O casal decide ficar com ela nessa noite e procurar ajuda de manhã. Mas, quando acordam, a menina já não está.

La edad de la peseta (A Idade da peseta)
PAVEL GIROUD, 2006. Cuba. Duração: 90 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
Havana em 1958. Alicia e o seu filho Samuel regressam mais uma vez, após o último fracasso amoroso da jovem e insegura mãe, a casa da avó Violeta. Mas deparam-se com a rejeição da arisca e maníaca senhora. O menino tenta adaptar-se a esse ambiente de conflito e contradição, passando da submissão e da conformidade a uma rebeldia que marcará a sua vida para sempre.

Prometeo deportado (Prometeu deportado) 
FERNANDO MIELES, 2009. Equador. Duração: 112 minutos. Classificação indicativa: 12 anos.
Num aeroporto da União europeia ouve-se a chegada de um avião. Os Membros da União Europeia passam, enquanto os Outros, numa fila diferente, esperam. No meio de súplicas e reclamações, um grupo de equatorianos é detido. Vão ser deportados, todos ocultam algo, como Prometeu, um jovem com as mãos acorrentadas como se fosse um delinquente e um baú de magia como bagagem que afirma ser apenas um mágico escapista. Como não há voos para os devolver imediatamente, são trancados dentro de uma sala de espera, que pouco a pouco começa a reproduzir-se dentro da prisão todo um país: o EQUADOR.

Los Lunes al Sol (Segunda-feira ao sol)
FERNANDO LEÓN DE ARANOA, 2001. Espanha. Duração: 113 minutos. Classificação: 16 anos.
Uma cidade costeira no norte da Espanha sofre com seu isolamento quando seus estaleiros começam a ser fechados, deixando vários trabalhadores desempregados à mercê de pequenas ocupações temporárias. Entre eles está Santa (Javier Bardem), um machão rebelde e autossuficiente que se recusa a admitir o fracasso. Mas a verdade é que ele e seus companheiros, dos quais ele se torna uma espécie de líder, são perdedores completos, mergulhados no alcoolismo e em crises familiares.

Cuento de hadas para dormir cocodrilos (Contos de fadas para ninar crocodilos)
IGNACIO ORTIZ, 2002. México. Duração: 108 minutos. Classificação indicativa: 16 anos.
História que traça a jornada de um homem às suas origens, em busca de salvação e de seu filho, que tem autismo. Arcanjo não dorme bem e desmembra sua família por causa de sua insônia. A maldição pesa sobre o seu sono bisavô perdeu quando se olha nos olhos de um enredo coyote. La está entrelaçada com vários eventos históricos no México: A Guerra da Reforma, A Revolução Mexicana, a migração para os Estados Unidos e o tempo atual , que mudar o destino de um homem e seus descendentes.

Espiral (Espiral) 
JORGE PÉREZ SOLANO, 2009. México. Duração: 100 minutos. Classificação indicativa: 16 anos.
Com o desejo de melhorar de vida, os homens migram para outras cidades sem perceber o quanto essa decisão destrói suas famílias. Essa é a história de Diamantina e Araceli, duas jovens de Mixtec Oaxaca que veem seus maridos viajarem para o norte. Santiago tenta arrumar dinheiro para se casar com Diamantina. Macario quer tirar sua família da pobreza. Quando eles voltam para suas cidades de origem, nada mais é o mesmo. Ambos querem recuperar o que deixaram para trás, Santiago cortejando a filha de Diamantina, Macario buscando o perdão de sua esposa e seus filhos.

Chance (Chance) 
ABNER BENAIM, 2009. Panamá. Duração: 90 minutos. Classificação indicativa: 16 anos.
Toña e Paquita são as empregadas domésticas dos González-Dubois, uma família aristocrática panamense. Fartas dos maus-tratos que recebem, urdem um plano. Quando a família organiza uma viagem de compras a Miami, Toña e Paquita tomam a casa decididas a mudar o seu destino. Chance aborda as complexas diferenças de classes na América Latina através de uma comédia, a primeira a chegar ao Panamá.

A outra margen (La otra orilla) 
LUÍS FILIPE ROCHA, 2007. Portugal. Duração: 106 minutos. Classificação indicativa: 12 anos.
Uma história de compreensão, carinho e amizade entre um travesti e uma criança com Síndrome de Down, contada com um profundo respeito pelas personagens.

La hija natural (A filha natural) 
LETICIA TONOS, 2011. República Dominicana. Duração: 97 minutos. Classificação indicativa: 12 anos.
María, una humilde jovem de 18 anos que tem o estranho hábito de levar as joaninhas à boca, decide ir em busca do irresponsável pai que nunca a reconheceu depois de a mãe ter morrido num acidente. Viaja até uma pequena e supersticiosa aldeia onde encontra o pai a viver com um enigmático haitiano coxo como única companhia. Ao não ter mais ninguém no mundo, María não tem outra opção senão ficar a viver com este velho bêbedo e recentemente enviuvado que é o seu pai. A chegada de um jovem e bem-parecido Boricua tornará a sua reconciliação ainda mais difícil.

El círculo (O círculo) 
JOSÉ PEDRO CHARLO Y ALDO GARAY, 2008. Uruguai. Duração: 75 minutos. Classificação indicativa: 10 anos.
Documentário acerca da vida do doutor Henry Engler, dirigente tupamaro e refém da ditadura militar uruguaia; médico reconhecido pela sua investigação sobre o mal de Alzheimer.

Postales de Leningrado (Postais de Leningrado) 
MARIANA RONDÓN, 2007. Venezuela. Duração: 90 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
Disfarces, esconderijos e falsos nomes servem para que a MENINA, junto com o primo TEO, reinvente a vida dos pais, guerrilheiros nos anos 60 na Venezuela. Mas o jogo infantil não consegue esconder as contradições das guerrilhas. O medo está sempre lá, mais ainda nos dias em que chegam os Postais de Leningrado.