Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/10/20 às 14h44 - Atualizado em 1/10/20 às 14h48

Secec repudia a demolição da “Casa da Dona Negrinha”

COMPARTILHAR

Ascom/Secec

01/10/2020

09:37:15

 

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec) informa, com pesar, que tomou conhecimento da demolição da “Casa da Dona Negrinha”, realizada na quarta-feira (30.09), pelo proprietário do imóvel, sem o conhecimento da pasta.

 

O imóvel, particular, fazia parte da área de tutela do tombamento do Museu Histórico e Artístico de Planaltina (Decreto nº 6.939/1982), constituindo-se de significativo valor histórico e arquitetônico para o patrimônio cultural do Distrito Federal. Após vistoria realizada na semana passada, pela

 

Diretoria de Preservação da Secec (DIPRES), foi detectado desabamento em uma das fachadas da casa, logo depois de se desprender da estrutura de madeira.

 

Verificou-se também que o patrimônio estava fechado há mais de uma década, sofrendo lenta degradação por falta de manutenção preventiva e corretiva por parte do proprietário, tendo sido recentemente adquirido por um novo comprador, descendente de Delmira Fernandes Guimarães, conhecida como Dona Negrinha.

 

Por meio do Sistema Eletrônico de Informação (SEI), a Diretoria de Preservação – DIPRES, da Subsecretaria do Patrimônio Cultural – SUPAC, notificou a Administração Regional de Planaltina sobre o estado de conservação do imóvel. A RA, por sua vez, contatou a Defesa Civil, que notificou o proprietário. Apesar destas tratativas, os órgãos do GDF foram surpreendidos pela demolição da casa.

 

O titular da pasta, Bartolomeu Rodrigues, lamenta o ocorrido, indicando que o fato se trata de crime que merece apuração e punição aos envolvidos no ato ilegal. “Derrubar um imóvel, seja ele qual for, principalmente uma casa que abrigou histórias e pessoas já é um ato de violência. Agora, derrubar um patrimônio histórico do Distrito Federal, como é o caso da ‘Casa da Dona Negrinha’, é um crime e nos e causa muita indignação e dor”, desabafou.

 

A Secec acionará as autoridades jurídicas e de fiscalização competentes, para apuração da situação, que pode ser configurada como crime contra o patrimônio cultural do DF.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br

Leia também...