Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/09/19 às 10h32 - Atualizado em 13/09/19 às 10h32

Secec promove seminário com escolas de samba

COMPARTILHAR

O modelo dos desfiles das escolas de samba em 2020 começou a ser desenhado nesta quinta-feira (12) durante seminário promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa. Representantes das 21 agremiações dos grupos de acesso e especial se reuniram durante todo o dia para apontar sugestões e discutir mecanismos para viabilizar a festa.

 

Durante a abertura, o representante da subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural Sandro Melo destacou a importância do carnaval tradicional para o Distrito Federal e reafirmou o compromisso do Governo do Distrito Federal em retomar os desfiles. “A realização dos desfiles é uma meta desta gestão, e estamos concentrados todos os esforços para devolver à cidade este evento tão tradicional”, disse.

 

Os participantes também puderam conhecer os resultados da pesquisa realizada pela Codeplan durante o carnaval de rua deste ano que apontou a percepção da população de todas as Regiões Administrativas sobre a folia. Os dados são fundamentais para nortear o planejamento dos eventos, uma vez que indicam a receptividade da comunidade a respeito do trânsito, ruídos e mesmo da limpeza urbana no período.

 

Para o secretário de Cultura e Economia Criativa Adão Cândido o encontro é fundamental para começar a preparar o carnaval de 2020. Ele afirmou que o ambiente é favorável para a troca de ideias e experiências a fim de amadurecer as propostas e consolidar um projeto viável para o GDF, agremiações e população. “Este é um espaço para ouvir vocês e construirmos juntos, passo a passo, um desfile imponente como a nossa cidade merece”, afirmou.

 

Ele também falou sobre os esforços da Secec para contribuir com o fortalecimento das agremiações. A ideia é construir modelos de negócios sustentáveis, que possibilitem profissionalizar ainda mais as atividades, garantindo que a atuação nas comunidades seja potencializada. “Existe um enorme potencial de tornar as escolas ainda mais diversificadas e produtivas”, assegurou.

 

O seminário também deu oportunidade para que os representantes das agremiações expusessem suas ideias para realização de um evento de qualidade que atenda tanto aos anseios das comunidades quanto às expectativas do público. Para Luciano Ibiapina, da Unidos de Vicente Pires, entre essas demandas está a garantia do desfile das 21 escolas do DF. “Nossa expectativa é que todos possamos sair com nossas comunidades. E agradecemos o empenho da Secec, que mostrou muita coragem para retomar o carnaval tradicional na cidade”, disse.

 

Geomar Leite,  o Pará da Água Imperial, celebrou a realização do seminário e enalteceu a volta do carnaval das escolas de samba do DF após 5 anos. Ele assegurou que os grupos já se articulam junto à parceiros da iniciativa privada e mesmo órgãos públicos para conseguir recursos para financiar a festa usando mecanismos de fomento da Secec como a Lei de Incentivo à Cultura. “É um momento mágico, de alegria e satisfação. Vamos ter a volta triunfal do carnaval das escolas de samba e as empresas terão um bom produto para associar às suas marcas”.

 

O momento de troca de experiências dos participantes do seminário focou em temas essenciais, como o local para a realização dos desfiles em 2020. De acordo com a chefe da Assessoria de Articulação de Política Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa Sol Montes, é preciso debater junto com as comunidades todos os aspectos, de maneira a incluir todos os agentes no planejamento. “A opção pelo retorno do carnaval tradicional para a Ceilândia, por exemplo, foi feita pela maioria das escolas, e vamos respeitar essas decisões. Afinal, o carnaval deve acontecer onde o povo está”, disse.

 

A representante da Secec comentou ainda que além das discussões para a retomada da festa, a pasta prepara um amplo programa de capacitação para as escolas de samba. O Laboratório do Carnaval, promoverá, a partir de outubro, oficinas de formação para os dirigentes das escolas em áreas de gestão e captação de recursos, por exemplo. “E teremos cursos para multiplicadores em temáticas específicas do carnaval como samba-enredo, passista, costura, bordados, criação de carros alegóricos e bateria”, completou.

 

As oficinas serão ministradas por especialistas das escolas de samba do Rio de Janeiro, e serão possíveis graças ao convênio assinado pelo governador Ibaneis Rocha com a Vila Isabel que prevê a transferência de conhecimento e tecnologia para o Distrito Federal. “Será uma experiência nova e que mostra o compromisso desta gestão com esse evento tão importante e tradicional para o DF, que tem um impacto muito significativo nas comunidades”, finalizou Sol Montes.