Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/04/20 às 16h27 - Atualizado em 30/04/20 às 17h41

Secec celebra os 22 anos da Escola de Choro Raphael Rabello

COMPARTILHAR

Espaço é dedicado a um dos ritmos mais populares da capital

 

Tombada pelo Governo do Distrito Federal como Patrimônio Imaterial de Brasília, a Escola de Choro Raphael Rabello completou na última quarta-feira (29), 22 anos. Primeira escola dedicada ao ensino do choro no Brasil, foi criada pelo músico, jornalista e produtor cultural Reco do Bandolim.

 

Localizada no Clube do Choro, espaço cultural projetado por Oscar Niemeyer, a Escola abriu suas portas inicialmente para oferecer cursos de instrumentos como bandolim, cavaquinho, pandeiro, saxofone e violão de seis e sete cordas. Hoje, além de aulas de musicalização infantil, história do Choro e música e cultura popular brasileira, o local também dá cursos de gaita, viola caipira, violino e acordeon.

 

Exaltar a Escola de Choro Raphael Rabello e seu legado é, na visão do secretário de Cultura e Economia Criativa Bartolomeu Rodrigues, uma forma de valorizar trabalho que permite divulgar o legado de gênios musicais como Pixinguinha, Garoto e Pernambuco do Pandeiro, por exemplo. “Nesse período, o gênero que expressa a rica e autêntica música instrumental brasileira chega às novas gerações, revelando talentos que hoje compõem a cena artística nacional. Uma centena de ex-alunos hoje desenvolve carreira profissional, disseminando a cultura brasileira através de instrumentos, alguns esquecidos”, diz.

 

Para Bartolomeu Rodrigues, a Escola também tem um papel fundamental na cena artística da capital, uma vez que se um pronto de troca de saberes e de encontro para os chorões e amantes da cultura. “Parabéns, Escola de Choro, que, ainda, tem a grande responsabilidade de honrar o nome do grande violonista Raphael Rabello”, celebra.