Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/02/13 às 19h24 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Riqueza de detalhes esquenta briga no grupo de Acesso

COMPARTILHAR

As cinco escolas que buscam lugar na elite do carnaval brasiliense levaram para a Passarela do Samba fantasias e carros alegóricos bastante criativos

As cinco escolas que buscam lugar na elite do carnaval brasiliense levaram para a Passarela do Samba fantasias e carros alegóricos bastante criativos
No segundo e último dia de desfile das candidatas ao título de campeã do grupo de Acesso, a riqueza de detalhes das fantasias e dos carros alegóricos foi um espetáculo à parte. Flores se abrindo, dragões soltando fumaça, plumas multicoloridas, tudo com material e acabamento de primeira. Além da beleza, o carnaval apresentado nesta segunda-feira pela Unidos da Vila Paranoá, Unidos da Vila Planalto e Lago Sul, Aruremas, Dragões de Samambaia e Unidos do Riacho Fundo I chamou a atenção pela segurança e desenvoltura das escolas.

Ao abrir os desfiles na Passarela do Samba, a Unidos da Vila Paranoá cantou a luta do trabalhador do campo para colher o pão de cada dia. A comissão de frente homenageou outros profissionais como professores, cozinheiros e militares. Um carro alegórico representando Morpheu, o Deus do Sono, e encerrou a apresentação da escola, que levou 600 componentes, 12 alas e três alegorias para a avenida. ''Ele representa o sonho utópico desse trabalhador camponês'', explicou o carnavalesco Luíz Carlos Lima. A agremiação entra na luta para subir ao grupo Especial com 12 alas e 600 componentes.

A Unidos da Vila Planalto e Lago Sul desfilou o enredo De Kubitscheck a Silva, os sabores da Vila Planalto na festa do seu decênio, em exaltação à culinária que fez a fama da Vila. Personagens como Rosenthal, dono do primeiro restaurante de lá, que já serviu o então ex-presidente Juscelino Kubitschek, Tia Zélia, que já atendeu o ex-presidente Lula, foram reverenciados em duas das três alegorias da escola, que entrou com nove alas e 350 componentes.

Terceira escola a pisar na Passarela do Samba, a Aruremas detalhou o enredo Sou Recanto, sou feliz – A emoção que faz cantar as quatro estações em suas três alegorias, nove alas e 400 componentes. O segundo carro foi um dos que mais chamou a atenção na avenida. A alegoria representava a primavera e trazia uma flor gigante, que abria e fechava em harmonia com a estação das flores.

A Dragões de Samambaia investiu em cores e preciosismo nos detalhes para defender o enredo Chapéu: o que protege, enobrece e enfeita as civilizações, que resgata a história do acessório. O abre-alas da quarta escola a entrar na avenida levava, em grande estilo, o mascote da agremiação, com dragões soltando fumaça. Plumas, elmos, perucas e cartolas abriram caminho para o carro da Colombina e do Arlequim, o último dos três levados pela escola. Com 700 componentes e 10 alas, a Dragões foi a agremiação mais numerosa na avenida.

Chico Mendes, o guardião da floresta foi o enredo apresentado pela última escola a entrar na avenida. Em dois carros alegóricos, sete alas e 360 componentes, a Unidos do Riacho Fundo I homenageou o ativista ambiental Chico Mendes. Com duas alegorias, a escola exaltou o esplendor da natureza, a vida, o trabalho e a atuação como líder sindical do seringueiro e ativista ambiental do Acre.

Público – Na plateia, o empresário Beto Karangas, 46 anos, elogiou a estrutura e tinha expectativa de encontrar mais gente nas arquibancadas. ''É importante que o público compareça. Quem está em casa, está perdendo um grande show.”

O administrador de Brasília, Messias Souza, foi com a família à Passarela do Samba e ressaltou a importância da festa. '' Espero que o nosso seja a síntese das outras folias do país. Representantes de embaixadas estão observando os desfiles para difundir o carnaval em seus países.”

Segurança – A Polícia Militar não registrou nenhuma ocorrência até o fechamento desta edição. ''O público da Passarela do Samba é bem familiar. Não tivemos ânimos exaltados, pouca incidência de consumo de álcool e nenhum problema'', relatou o comandante do policiamento do dia, major Carlos Antero.

Fonte: Agência Brasília
Foto: Mary Leal