Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/06/19 às 17h25 - Atualizado em 2/07/19 às 14h18

“Rhapsody in Blue” e “Porgy in Bess”, de Gerswhin, ganham concerto no Cine Brasília

COMPARTILHAR

Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro dedica noite ao compositor jazzista dos EUA

 

A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro (OSTNCS) abre o mês de julho com o compositor George Gerswhin. A apresentação da próxima terça-feira (2) traz uma amostra da obra do compositor de “Rhapsody in Blue”, música que será regida pelo maestro Claudio Cohen, com a participação especial da solista norte-americanda Solungga Fang-Tzu Liu ao piano.

 

Para quem é fã de cinema, “Rhapsody in Blue” é a sinfonia que abre o cult de Woody Allen “Manhattan”, filmado num contraponto em preto e branco, uma marcante sequência de abertura da Sétima Arte. “Gershwin é um dos mais conhecidos compositores dos Estados Unidos, na fronteira entre o erudito e o popular. Este concerto, que poderia se chamar Festival Gershwin, é dedicado a ele, que também era pianista e arranjador, com incursões importantes no cinema”, explica o regente da OSTNCS.

 

Outra música do compositor imortalizada na tela, também no programa do recital, é “Americano em Paris”, do filme de Vincente Minnelli “Sinfonia de Paris” (1951), composta em parceria com o irmão Ira.

 

Cohen destaca que o concerto americano desta semana volta a tratar da intertextualidade cultural, pois a obra de Gerswhin carrega, além do jazz, influências da música caribenha, como mostra a “Abertura Cubana”, com forte percussão e sonoridade centro-americana, a ponto de ter sido comparada à rumba.

 

O maestro acredita que o concerto repetirá a história de sucesso de público de audições passadas da sinfônica porque Gerswhin lembra clássicos de grande sonoridade e instrumentação, como o de Maurice Ravel e seu “Bolero”, autor e obra que o músico dos Estados Unidos admirava.

 

Um encontro entre os dois músicos alimenta o anedotário universal. Cohen conta que “Gershwin chegou a procurar Ravel para aprender música com o francês, mas dizem que foi o autor do ‘Bolero’ que quis saber como o colega americano ganhava mais dinheiro que ele”.

 

Ainda no programa do concerto, está a trecho da ópera “Porgy in Bess”, que passará pela clássica ária “Summertime”, a mais conhecida da clássica suíte.

 

Os amantes da música erudita e do jazz já têm compromisso para terça-feira à noite.

 

Serviço
Concerto Americano
2 de julho, às 20h
Cine Brasília. Entrequadra Sul 106/107
Telefone: (61) 3244-1660
Entrada franca sujeita à lotação