Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/05/13 às 15h42 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Quatro novos cursos em tear manual iniciam atividade no Museu Vivo da Memória Candanga

COMPARTILHAR

Uma das mais antigas expressões do artesanato, a tecelagem sempre esteve presente na grade de cursos oferecidos pelo Museu Vivo da Memória Candanga. Espaço dedicado ao registro, preservação e difusão da história, o MVMC entende que com a arte de entrelaçar fios para produzir tecidos atinge sua meta de resgatar processos históricos e promover a troca de saberes, o desenvolvimento e ou o aprimoramento destes fazeres.

Neste sentido, iniciam agora em maio quatro novos cursos na Oficina de Tecelagem: Tear de Pente Liço, Tear de Pregos, Tear de Pedal e Tear de Padronagem.

Os cursos de iniciação, com duração média de até três meses, serão coordenados por profissionais com reconhecida proficiência na área: Malena Macedo, Ana Izaura, Luciana de Maya Ricardo e Nilde França. Programada para se realizar as terças e quintas feiras, das 14h às 17h, a classe de iniciação no Tear de Pente Liço, da professora Malena Macedo vai introduzir o aluno  ao histórico da tecelagem, abordando também as técnicas mais conhecidas de padrão, urdume, acabamentos, pontos e produção de peças. Com mais de 27 anos de experiência na arte de tecer, a artista plástica Malena Macedo tem se dedicado ultimamente a produzir peças que utilizam materiais recicláveis como fitas cassete, sacola plástica e outros materiais descartados.

Já o curso em que se vai usar Tear de Pregos será ministrado por Ana Izaura Rodrigues e terá atividades aos sábados, das 14h às 17h, entre 18 de maio e 31 de agosto. O objetivo é oferecer aos participantes uma abordagem do desenvolvimento da tecelagem artesanal ao longo da história do homem, sua contextualização cultural, especialmente no Brasil, no Distrito Federal e Entorno. Classificado como Tear de Alto Liço, o Tear de Pregos se presta a tecelagem de painéis, quadros e peças utilitárias em que se pode ainda aplicar ao tecido materiais como plantas secas, fibras, bambu, penas, contas, etc.

De acordo com Ana Izaura, a vantagem deste tear é a economia e a praticidade. “É fácil de construir, bastam quatro hastes de madeira, cruzadas entre si. Com isso o aluno tem a possibilidade de adquirir renda com a comercialização dos produtos têxteis feitos em engenhos de tecer acessíveis e de baixo custo”, afirma. Conteúdos como utilização do tear de quatro e de dois liços, história do tear, nomenclaturas, preparação do tear para tecer, confecção de tecidos com materiais diversos estão no programa do curso de iniciação no Tear de Pedal, bem como a história regional da tecelagem e os primórdios da tecelagem no Brasil. Coordenado pela doutoranda em educação pele Universidade de Brasília, mestre e tecelã Luciana de Maya Ricardo, o curso pretende ainda estimular a pesquisa de materiais e promover visitas a  diferentes tecelagens em cidades de Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal.

Com 36 horas aula, a iniciação ao Tear de Pedal começa em 11 de junho e se estende até 18 de julho, com encontros as terças e quintas feiras das 9h às 12h. A iniciação à padronagem dos tecidos produzidos em teares manuais ficará a cargo de Nilde França. Em classes de até 10 participantes, a professora pretende mostrar que no  Tear de Padronagem  o aluno pode produzir um trabalho artesanal passível de atingir inclusive o mercado internacional.

De acordo com a artesã, “o único produto brasileiro que não sofre restrição alfandegária, nos países de todos os continentes, são os produzidos em tecelagem manual” Portanto, acredita ela, “o mercado se abre aos produtos de inúmeros artesãos brasileiros”.

Assim, Nilde França pretende trabalhar no  Tear de Padronagem, entre 13 de maio e 17 de julho, em encontros às quartas feiras, das 14h às 17h,  a realização de tecidos que primem pelo padrão de qualidade, zelem pela inovação e que acompanhem as tendências de mercado da moda casa. Tudo isso de forma sustentável e ecologicamente correta, afinal o produto artesanal não degrada nem polui o meio ambiente. Para ajudar o interessado em tecelagem a escolher a turma e a técnica que mais condiz com seu interesse o Museu Vivo fará no sábado, dia 11 de maio, uma demonstração pública e gratuita dos quatro tipos de tear com que pretende trabalhar nos cursos acima anunciados.

O evento se realiza das 9h às 12h na Oficina de Tecelagem do Museu Vivo da Memória Candanga.

Na ocasião, os interessados terão contato com as instrutoras e poderão efetivar inscrições para os cursos já com inscrições abertas ou pré inscrever-se nos demais,  seja para o gratuito (tecelagem em Tear de Pedal), seja para aqueles em que há taxa de inscrição.

Todas as atividades se realizam nas dependências do Museu Vivo de Memória Candanga, na VIA EPIA SUL Lote D – Núcleo Bandeirante.

Serviço Curso: Tear de Pente Liço – Iniciação Professora: Malena Macedo Data: 07 de maio a 04 de junho Dias: Terças e Quartas-feiras Horário: 14h às 17h Valor: R$ 256,00

Curso: Tear de Pregos- Iniciação Professora: Ana Izaura Data: 18 de maio a 31 de agosto Dias: Sábados Horário: 14h às 17h Valor: R$ 210,00.

Curso: Tear de Pedal- Iniciação Professora: Luciana de Maya Ricardo Data: 11 de junho a 18 de julho Dias: terça e quintas Horário: 09h às 12h Valor: GRATUITO

Curso: Tear de Padronagem – Iniciação Professora: Nilse França Data: 13 de maio a 17 de julho Dias: Quartas-feiras Horário: 14h às 17h Valor: R$ 360,00 Os valores, que podem ser negociados, serão recolhidos pelos professores que emitirão recibo.