Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/04/13 às 18h22 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Projeto financiado pelo FAC, “Contação de Histórias” faz sucesso com alunos das escolas públicas do Distrito Federal

COMPARTILHAR

Um susto no início da sessão de contação de histórias não foi suficiente para acabar com a alegria dos alunos do Centro de Ensino Fundamental 01 do Cruzeiro.

As contadoras do Grupo Paepalanthus começavam animar a turma quando, na rua em frente à biblioteca do Cruzeiro, um caminhão que carregava um trator rompeu a rede elétrica. Uma explosão foi o que se ouviu de dentro do auditório da biblioteca. A luz acabou, mas não foi desculpa para encerrar a sessão.

A alternativa foi levar a criançada para o hall de entrada. Sentados no chão, a contação de histórias pareceu ficar mais interessante.

Olhares atentos nas contadoras, meninos e meninas com idade média de 9 anos, caiam na gargalhada, ficavam assustados, boquiabertos e, claro, fascinados com tudo aquilo que viam.

As contadoras, todas caracterizadas com figurino e maquiagem apropriados, davam vida a personagens que poucos alunos da rede pública estão acostumados a conhecer.

Letícia de Brito, de 10 anos, disse que ficou encantada. “Adorei as histórias e aprendi muitas coisas legais com elas.”

A participação das crianças não se restringe a ouvir as histórias. Há o momento da interatividade, como na brincadeira com o barbante colorido, que parece ter sido a preferida da turma.

O barbante entra na história da pulga e da lagarta, resumida assim pela aluna Fernanda Queiroz: “elas eram muito amigas. As duas brincavam juntas e um dia até o dia que a pulga se machucou e teve de engessar o braço.”

A contação de histórias é um dos projetos desenvolvidos com recursos do FAC – Fundo de Apoio à Cultura nas bibliotecas públicas do DF com o nome de Biblioteca Viva. A apresentação aos alunos das escolas de ensino fundamental faz parte da contrapartida do Grupo Paepalanthus.

Para a contadora de histórias, Carleuza Farias, o projeto resgata histórias do arco da velha, populares, que demandaram um trabalho de pesquisa e também o resgate da relação de troca entre quem conta e quem ouve. “Essa troca de emoção é o grande lance da contação de histórias, que é a coisa que não tem no filme, então você cria uma relação mais íntima.”

Carleuza conta que ouviu de uma mãe que a filha dela, bem pequena, quando voltou pra escola queria contar pra todos os colegas de tão empolgada que ela ficou.

Carleuza destaca ainda que o projeto tem uma importância maior que é a formação de público, plateia para esse nicho que de certa forma está esquecido nos dias atuais.

MAIS PROJETOS DO FAC NO CRUZEIRO

Além da contação de histórias, a biblioteca do Cruzeiro tem oferecido os espaços pra vários outros projetos culturais financiados pelo FAC.

Antes do Grupo Paepalanthus, a biblioteca já recebeu o evento musical “Poeirão do Rock”, uma apresentação teatral do “Bloco Musical Existencialista Quântico”. Ainda está por vir a encenação das montagens teatrais “Encantos dos mamulengos”, “O menino que visitou a lua” e “Nas bagagens de Darwin”, além de apresentação de outro grupo musical.

“As apresentações vão acontecer até agosto e a expectativa é que tenhamos outros projetos aprovados pelo FAC até o fim do ano”, disse o gerente de cultura da Administração do Cruzeiro, Rafael Fernandes, para quem o FAC é o principal programa de fomento à cultura do DF.