Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/10/13 às 12h37 - Atualizado em 13/11/18 às 14h39

Museu Nacional recebe projeto contra exclusão social

COMPARTILHAR


Música, dança, literatura e artesanato estão na programação

O Museu da República recebe, nesta sexta-feira (25), às 20h, o Projeto Sarau Exclusão, da Casa da Cultura da América Latina da Universidade de Brasília (UnB). O evento será no auditório 2, com entrada franca, e pretende mostrar a força e capacidade criativa de grupos excluídos da sociedade.

Minorias étnicas ou culturais, deficientes físicos e mentais, desempregados, analfabetos, idosos, homossexuais, que podem fazer parte de grupos excluídos socialmente, são o foco do projeto.

Uma pessoa é considerada socialmente excluída quando está impedida de participar plenamente da vida econômica, social e civil de uma comunidade, ou quando o seu acesso ao rendimento e a outros recursos é considerado insuficiente, não lhe permitindo usufruir de um nível de vida considerado aceitável pela sociedade em que vive.

Feito em parceria com o Programa Música no Museu, o Sarau Exclusão terá na sua programação inúmeras linguagens artísticas: música, dança, cinema, literatura, pintura, escultura e artesanato inspiradas nessas minorias, ou produzidas por integrantes desses grupos vítimas de preconceito.

Estarão expostos no hall de entrada do auditório, na noite do evento, obras das artesãs do grupo Concretamente Brasília; bonecos que retratam heróis anônimos esquecidos e excluídos da história oficial da Venezuela; objetos de cerâmica da artista Marta Guedes; pinturas acrílicas de Clênio Ventura e esculturas figurativas do artista deficiente visual, Flávio Luís Silva.

O poema A infanticida Maria Ferrar, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, interpretado pela deficiente visual Noeme Rocha da Silva, abre o Sarau. A leitura será seguida pelo curta-metragem De muro a muro (2008, 20 minutos), das cineastas brasilienses Rebeca Damian e Marina Watanabe, sobre as experiências, anseios, angústias e sonhos de três mulheres que passaram pelo Presídio Feminino de Brasília.

Logo depois, estará no palco o grupo da Associação Cultural Namastê, voltado para a inclusão das pessoas com deficiências, apresentando uma dança cigana. O violonista Danilo Froes também vai se apresentar, mostrando as distinções entre o violão clássico e popular.

O Grupo Mafuá, criado em 2012, conhecido pela confusão que provoca quando troca seus instrumentos em diferentes momentos do show, será o responsável pelo momento da Exclusão Musical Histórica.

Para encerrar a noite, sobe ao palco o cantor brasiliense Fernando Cabral, que vai interpretar um personagem anônimo, escravo da bebida e excluído do amor e do afeto, com sucessos de compositores discriminados por parte da elite social como Garçom (Reginaldo Rossi), Boate azul (Joaquim & Manoel), Pra não morrer de tristeza (João Silva e Caboclinho), Lama (Aylce Chaves e Paulo Marques) e Na hora do adeus (Chico Roque e Carlos Colla).

Serviço

Projeto Sarau Exclusão

Data: Sexta-feira (25)

Horário: 20h

Local: Auditório 2 do Museu Nacional da República

Entrada franca / Classificação livre

Mais informações: Antonio Carlos Maranhão (coordenador): 3321.5811, 8506.4606

Rômulo Juracy (subcoordenador ): 3321.5811, 8623.1391