Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/05/13 às 19h00 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Museu Nacional recebe exposição do acervo de filmes e vídeos de artistas do Itaú Cultural

COMPARTILHAR

De 9 de maio a 23 de junho, o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República recebe a mostra Filmes e Vídeos de Artistas na Coleção Itaú Cultural com 11 obras do acervo do instituto desse gênero.

Com curadoria de Roberto Moreira S. Cruz, doutorado pela PUC-SP em Comunicação e Semiótica essa exposição reúne trabalhos que compõem essa coleção e revelam, pelas qualidades estéticas, a relevância da produção brasileira contemporânea de filmes e vídeos de artistas. No ano passado, ela foi exibida, no Paço das Artes, em Belo Horizonte. Em Brasília é apresentada com uma obra a mais: Amoahiki – Árvores do Canto Xamânico, de Gisela Motta e Leandro Lima.

Realizadas nos últimos 50 anos, as obras apresentadas perpassam dos primórdios desse tipo de mídia aos trabalhos mais contemporâneos, que se aproximam da linguagem do cinema. A linha curatorial de Cruz segue dois temas: um abrange obras sensoriais, o outro foca o olhar cinematográfico. De acordo com ele, a primeira é formada por aquisições históricas das décadas de 1960, 1970 e 1980, em que as produções eram feitas em VHS, Super 8, 16 mm e portapack. “Os próprios autores haviam esquecido de grande parte desse material, como Homenagem a Steinberg – Variações sobre um tema de Steinberg: As Máscaras Nº 1, obra de Nelson Leirner, que estava perdida em sua casa e fizemos o restauro e a remasterizacão”, conta.

Essa, conforme analisa o curador, foi uma fase difícil para os artistas pela inexistência de um mercado que pudesse dar visibilidade a esta produção, em primeiro lugar. Também porque o cenário cultural brasileiro estava fortemente submetido à censura imposta pelo regime militar. “Os filmes e vídeos mais originais e inventivos, realizados neste contexto, permaneceram durante muito tempo desconhecidos do público e praticamente abandonados nas gavetas dos estúdios e ateliês dos próprios artistas.”

Como a obra de Leirner citada, pode se destacar como pioneiros no uso desse suporte artístico Letícia Parente, Regina Silveira e Anna Bella Geiger, cujos trabalhos podem ser conferidos na mostra. Essas obras fazem parte do acervo do Itaú Cultural que, além de adquiri-los, também se preocupa em recuperá-los e preservá-los. Como é vocação do instituto, o objetivo da formação de um acervo desse porte é justamente o de recuperar, preservar e difundir o patrimônio cultural brasileiro.

A segunda divisão da exposição joga o foco em obras contemporâneas realizadas a partir da década de 1990 até os dias atuais por uma nova geração de artistas. Esses trabalham com o audiovisual e tem inserção no mercado, e também o usam como suporte para criar sons, imagens e linguagens muitos particulares.

“Nesse caso, selecionamos os trabalhos com base na representação antológica e na forte questão mercadológica que representam atualmente”, conta o curador. Nesta categoria e por apresentarem modos originais de trabalhar, destacam-se criações de Eder Santos, Cao Guimarães, Brígida Baltar, Sara Ramo e Luiz Roque. “Estas obras não são expressamente cinematográficas e o tempo da projeção pode ser indeterminado, o filme pode não ter início, meio ou fim, mas todas apontam para o cinema em sua totalidade”, analisa Cruz, que, de 2001 a 2011 foi gerente do Núcleo de Audiovisual do Itaú Cultural, onde coordenou projetos na área de cinema e video, como o festival ON_OFF – Experiências em Live Image (de 2005 a 2011) e, com Arlindo Machado e Jorge La Ferla, idealizou e fez a curadoria da mostra itinerante VISIONARIOS – audiovisual na América Latina.

Cruz é, ainda, consultor da Coleção de Filmes e Vídeos do Itaú Cultural e curador de Cinema Sim: narrativas e projectões (Itaú Cultural – 2008); Fluxus 2011 (Oi Futuro – BH); Fluxus Black an White (Oi Futuro – BH, 2012) Coleção Itaú Cultural de Filmes e Vídeos (Palácio das Artes – BH – 2012; Museu Nacional – DF – 2013).

Acervo
A Coleção Itaú Cultural de Filmes e Vídeos de Artistas começou a ser formada em maio de 2011, com o seminário Filme, Vídeos e Arte: Compartilhando Experiências. No encontro, ocorrido no Itaú Cultural, representantes de centros culturais e galerias, colecionadores e especialistas debateram sobre melhores práticas voltadas para constituição de acervos e das metodologias de conservação e difusão de obras de arte audiovisuais. O instituto vem formando esse acervo consciente da importância dessa produção pioneira no país, e, fundamentalmente, de sua conservação, valorização, preservação e difusão. A iniciativa é inédita no Brasil, pois não se tem notícia de outras instituições culturais que possuam esse tipo de coleção, que traz ao observador a força inventiva destas imagens.

Iconoclássicos 
Em junho, o Museu Nacional também recebe a Mostra ICONOCLASSICOS, uma seleção de cinco filmes sobre importantes artistas brasileiros contemporâneos, produzida pelo Itaú Cultural, com produção executiva e idealização de Cruz. As exibições acontecem do dia 5 ao 7, no Auditório 2, do Museu. No primeiro dia, é exibido o longa-metragem Ex isto, seguido de palestra com o diretor do filme Cao Guimarães, que na exposição assina a obra O pintor joga o cinema no lixo, e com o curador da motra em cartaz. Eles falarão sobre videoarte, a exposição e a série de filmes.

Para produzir o ICONOCLASSICOS, o instituto convidou seis diretores a registar a vida e a obra de iconoclastas: Daquele Instante em Diante, dirigido por Rogério Velloso sobre o músico Itamar Assumpção; Ex isto, de Cao Guimarães livre adaptação de Catatau do poeta Paulo Leminski; Assim É, Se Lhe Parece, em que o artista plástico Nelson Leirner tem seu universo criativo filmado por Carla Gallo; EVOÉ! Retrato de um Antropófago, documentário sobre o dramaturgo Zé Celso, dirigido por Tadeu Jungle e Elaine Cesar e, por fim, Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz, um retrato de Rogério Sganzerla sob o olhar de Joel Pizzini.

Com exceção de Ex isto, que se inspira em uma obra literária, os filmes estão repletos de informações, contendo amplo material de arquivo e entrevistas. Ao ser realizado por um diretor de destaque no meio cinematográfico brasileiro, cada obra aporta uma carga de qualidade autoral. Todos esses artistas homenageados são referências importantes no contexto da produção cultural brasileira e as obras são um legado para as novas gerações, o que está de acordo com o conceito do Itaú Cultural de preservar a memória artística.

Serviço
Exposição: Filmes e Vídeos de Artistas na Coleção Itaú Cultural
Data;horário: De 9 de maio a 23 de junho, Terça-feira a domingo, das 9h às 18h30
Entrada franca
Classificação indicativa: livre
Museu Nacional do Conjunto Cultural da República Setor Cultural Sul – lote 02

Mostra de filmes: ICONOCLASSICOS
5 de junho
17h – Ex isto, de Cao Guimarães
19h – Palestra com Roberto Moreira S. Cruz e Cao Guimarães
6 de junho
17h – Daquele Instante em Diante, de Rogério Velloso
19h – Assim É, Se Lhe Parece, de Carla Gallo
7 de junho
17h – Evoé – Retrato de um Antropófago, de Tadeu Jungle e Elaine Cesar
19h – Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz, de Joel Pizzini
Auditório 2 do Museu Nacional Setor Cultural Sul – lote 02 Esplanada dos Ministérios – Brasília
Informações: (61) 3325-6410