Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/06/19 às 9h03 - Atualizado em 25/06/19 às 9h03

Museu Nacional da República recebe obras de Farnese de Andrade e Thiago Martins de Melo

COMPARTILHAR

A partir desta terça-feira (25), o Museu Nacional da República recebe simultaneamente exposições dos artistas brasileiros Farnese de Andrade e Thiago Martins de Melo. Até 4 de agosto, as exposições ficam abertas ao público com entrada gratuita. 

 

De acordo com o diretor no Museu Nacional da República (MNdR), Charles Cosac, as exposições vão ocupar os espaços principais da casa, e reforçam o papel do museu como expoente da cultura para os brasilienses e para os visitantes.

 

Ele explica que as duas mostras de curadoria de Denise Mattar são bastante relevantes para a arte no Brasil, e abordam temáticas e visões de artistas de épocas distintas. “A exposição do Thiago Martins de Melo, a Necrobrasiliana, apresenta  assuntos relacionados aos Brasil sendo uma visão mais pessimista de um país otimista. Já Memórias Imaginadas, do Farnese de Andrade, carrega uma arte mais pessoal, contida no estilo de vida dele, com uma infância conturbada, doenças. Isso tudo vem à tona de uma forma muito sutil”, comenta.

 

Memórias Imaginadas

A exposição do artista Farnese de Andrade é inédita e aborda sua obra bidimensional, como objetos, desenhos, gravuras e quadros do artista que, segundo Charles Cosac, sempre ficaram em segundo plano. “Existem gamelas, objetos em 3D soltos, objetos de vidro e resina e algumas boas paredes devotadas à obra bidimensional, com desenhos feitos nos anos que ele morou em Barcelona, as poucas gravuras que ele fez e ilustrações que ele realizou para jornais e revistas, que também era uma forma de sobrevivência dele”, conta.

 

Em mais de 100 peças, o público poderá conhecer um período distinto da obra de Farnese de Andrade. Cosac explica que em 1964, quando Farnese de Andrade fez seu primeiro objeto, já tinha ganhado todos os prêmios como pintor, desenhista e gravador. Ele passou por uma fase figurativa e abstrata e que foi para uma fase obsessiva, que paulatinamente voltou a figura. “Ele começou a incorporar estes objetos mais finos nas gravuras, como marcas de pneus, marcar de sandálias, mas o que mais o fascinou foram os objetos tridimensionais”.

 

Necrobrasiliana

O neologismo que dá nome à exposição de Thiago Martins de Melo traz trabalhos do jovem artista que aborda a memória com carga história grande de consciente coletivo, com retratos da vida cotidiana, como aponta o diretor do Museu Nacional da República. A obra de Thiago fala de artistas que vieram para o Brasil na época das expedições, como franceses, holandeses, ingleses e que passaram pelo nordeste e fizeram retratos da vida cotidiana, pois não havia máquina fotográfica. “Ele retrata os artistas emblemáticos que caracterizam as condições sociais e econômicas do país naquela época – Século XVII XVIII, contrastado com o Brasil de hoje e tentando mostrar que é a mesma violência ocorrida nas duas épocas”, diz Charles Cosac.

 

Cosac faz um paralelo entre as duas exposições, que abordam preocupações similares seja na temática, seja na forma. “Thiago nasceu em 1981 e Farnese faleceu há 24 anos, sendo que os dois possuem uma preocupação similar, mas de temperamento único. O Thiago em contrapartida faz uma arte muito parecida com o moralismo mexicano como uma arte política”.

 

Serviço 

Memórias Imaginadas – Farnese de Andrade

Necrobrasiliana – Thiago Martins de Melo 

Local: Museu Nacional da República

Endereço: Conjunto Cultural da República próximo à Rodoviária do Plano Piloto, Brasília – DF

Abertura: 25 de junho, terça-feira, a partir das 19h

Período expositivo: de 25 de junho a 4 de agosto

Visitação: de terça-feira a domingo, das 9h às 18h30

Entrada gratuita