Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/07/16 às 19h22 - Atualizado em 13/11/18 às 14h50

Monólogo sobre Glauber Rocha no Pé Direito

COMPARTILHAR

Apoiado pelo FAC, Adeilton Lima dá vida ao cineasta precursor do Cinema Novo

Glauber Rocha, O Profeta do Delírio é o novo espetáculo escrito e organizado pelo ator, dramaturgo e poeta Adeilton Lima, com estreia nesta sexta (8), no Espaço Pé Direto. O monólogo, dirigido pelo ator e diretor Abaetê Queiroz, teve como embrião o projeto de pesquisa Eu Sou Deus, Eu sou o Diabo: GlauberRocha, pesquisa acadêmica de mestrado deAdeilton, na Universidade de Brasília.

Projeto ainda raro no Brasil, a montagem sobre a vida e obra de Glauber Rocha ajuda a pensar conceitos como identidade e valores culturais, exercício sempre necessário e complexo nos nossos dias no Brasil. “A obra de Glauber Rocha ainda é atual e impactante para a realidade e cultura brasileiras. A base para as nossas reflexões está exatamente nesse cinema e nessa forma inquieta de se discutir o Brasil e o mundo em que vivemos: atual e vigorosa”, comenta Adeilton Lima.

Adeilton Lima sempre teve a preocupação de criar espetáculos com conteúdo e de qualidade, levando ao palco temáticas de fácil assimilação, que dialogam com todos os públicos. “Quero sempre descobrir uma maneira eficaz de despertar o interesse das pessoas para um debate sobre temas atuais”, ressalta.

Glauber Rocha, O Profeta do Delírio tem patrocínio do Fundo de Apoio a Cultura do Distrito Federal – FAC/DF.

Adeilton e o desejo de encenar Glauber

“Há mais de dez anos, o desejo de montar um espetáculo teatral sobre Glauber Rocha permaneceu em repouso nas minhas gavetas afetivas da poesia ao lado de tantos outros projetos. Desde o mestrado, na UnB, com a dissertação A Estética Teatral na Obra de Glauber Rocha, iniciada em 2005 e defendida em 2007, quando me coloquei diante da difícil tarefa de investigar o diálogo entre sua cinematografia e as propostas de Antonin Artaud, com o teatro da crueldade, e Bertolt Brecht, com o teatro dialético, a vontade de levar à cena aspectos de sua rica linguagem foi ganhando maturidade e fundamentação. Finalmente, neste ano, apresentamos ao público, aos estudantes e estudiosos de teatro, cinema e literatura nossa singela contribuição para que o pensamento e a obra de Glauber Rocha não caiam no esquecimento. Este projeto que agora levamos ao palco é fundamentalmente, também, uma defesa de nossas raízes, referências e memórias culturais. O Brasil precisa conhecer o Brasil! Os jovens precisam conhecer Glauber Rocha! Dessa obra imensa e inesgotável, apresentamos uma de tantas leituras possíveis com respeito, afeto e gratidão ao homem e artista Glauber Rocha” (Adeilton Lima)

Um pouco sobre Glauber Rocha

Glauber Rocha (1939-1981), cineasta brasileiro, foi um dos principais responsáveis pelo movimento de vanguarda intitulado Cinema Novo, do qual destacam-se também Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Carlos Diegues, Paulo Cesar Saraceni, Leon Hirszman, David Neves, Ruy Guerra e Luiz Carlos Barreto.

Seu primeiro contato com o cinema foi na produção dos documentários “O Pátio”, em 1959 e “Cruz na Praça”, em 1960. Em 1961 dirigiu seu primeiro longa-metragem “Barravento”, que foi premiado na Checoslováquia. Em 1964, foi reconhecido internacionalmente com o filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, quando recebeu prêmio do Festival de Cinema Livre, da cidade de Porretta, na Itália. O filme mostra, numa estética inovadora, as visões e alucinações provocadas pela situação vivida pelo povo no sertão brasileiro.

Glauber dirigiu outros filmes que tiveram grande destaque, “O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro” (1964), com o qual recebeu o Prêmio de Melhor Diretor do Festival de Cannes, e “Terra em Transe” (1967), vencedor do Prêmio da Crítica Internacional.

Nos anos 70, Glauber Rocha rodou o “Leão de Sete Cabeças”, que foi gravado no Quênia, e “Cabeças Cortadas”, produzido na Espanha. O seu último filme foi “Idade da Terra”. Em 22 de agosto de 1981, ele faleceu no Rio de Janeiro.

Ficha Técnica

Pesquisa, roteiro e interpretação: Adeilton Lima

Textos: Murilo Mendes, Glauber Rocha e Luiz Carlos Maciel

Direção: Abaetê Queiroz

Trilha Sonora e áudios originais: Jorge Brasil

Tema da partitura inicial: Manassés (Valsa para Gibran)

Vídeos e imagens: Thiago Cardoso

Iluminação: Moisés Vasconcelos

Figurino e cenografia: Cyntia Carla

Consultoria técnica: Fernando Villar, João Antonio, Marcus Mota

Assessoria de Imprensa: Tato Comunicação

Designer: Lucas Moll

Fotografia: Débora Amorim

Administração: Clayton Lira

 

Serviço

Espetáculo: Glauber Rocha, O Profeta do Delírio

Local: Espaço Pé Direito – Rua, 1 – Casa 23 – Final da L4 Sul – Vila Telebrasília

Apresentações: De 8 a 24 de julho, sextas e sábados, 21h; domingos, 20h.

Sessões fechadas para escolas públicas: sextas, às 15h

Valores: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada para doares de 1kg de alimento, exceto sal)

Ingressos: Espaço Pé Direito, Central de Ingressos do Brasília Shopping ou ainda pelo

http://www.ingresso.com/brasilia/home/espetaculo/teatro/glauber-rocha-o-profeta-do-delirio

Classificação indicativa: 14 anos