Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/07/14 às 13h37 - Atualizado em 13/11/18 às 14h49

Livro com fotos do Mané Garrincha é lançado em Brasília

COMPARTILHAR


As imagens mostram obras do Estádio, operários e primeiras partidas

A obra “As Ondas do Mané Garrincha: os Novos Candangos e a Construção de um Gigante do Futebol” foi lançada nesta quinta-feira (3) no Mezanino da Torre de TV. Com o patrocínio do Governo do Distrito Federal (GDF), os irmãos Alan e Lula Marques fotografaram a construção da arena, que já recebeu 5 dos 7 jogos previstos para a Capital Federal na Copa do Mundo.

Os operários que participaram da edificação são personagens com grande importância no livro. É o que explicou o fotógrafo Alan Marques, 43. “A gente trata da construção de forma humanizadora. O Estádio não é só concreto. Ele vai muito além disso. Fomos atrás das histórias dos operários”.

Enquanto autografava alguns livros, Lula Marques, 52, disse o quanto foi prazeroso realizar o projeto. Orgulhoso, falou da foto preferida dele na obra. “A imagem que eu mais gosto é a que mostra os operários colocando a trave. Todo jogador quer aquele espaço: quer fazer um gol.”

O Secretário de Cultura, Hamilton Pereira, foi ao lançamento e falou da importância de se registrar esse momento. “É necessário contar para a população como é que o terreno, que era uma terra batida, depois da demolição, se converteu nessa maravilha para o país e para o mundo”, explicou.

Cláudio Monteiro, secretário extraordinário da Copa, reafirmou a posição de destaque que o monumento traz para a cidade. “O Mané Garrincha foi construído com o objetivo de ser um instrumento de desenvolvimento econômico para Brasília e ter um livro retratando essa construção é importantíssimo”. Os 5 mil exemplares não estão à venda, mas haverá distribuição em embaixadas, hotéis, bibliotecas e órgãos públicos.

A colombiana Paola Morales, 37, passeava pela Torre de TV quando viu a movimentação e resolveu participar. “Gosto muito de fotografia e da história dessa cidade. Quando olhei o livro, falei: Oh, foi feito assim? Vou levar essa bonita lembrança para a Colômbia”, destacou a advogada.