Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/08/15 às 15h03 - Atualizado em 13/11/18 às 14h49

Juventude que sonha – Márcia Paixão

COMPARTILHAR

“Uma baiana encantadora que chegou em Brasília para iluminar nossas mentes com seu canto arrebatador” – essa é a definição de Márcia Paixão em sua página no Facebook, onde divulga seus trabalhos como intérprete de canto popular. Natural de Bom Jesus da Lapa, veio pra Brasília quando era adolescente, aos 13 anos. Agora com 26, Márcia é educadora social no Centro de Assistência Social Francisco de Assis (CASFA), que faz um trabalho voltado para crianças, adolescentes e jovens de comunidades carentes do Paranoá e do Itapoã. O Centro oferece atividades lúdicas, incluindo música – que é a parte que Marcia mais domina.

Cursando o quarto semestre de Serviço Social, Márcia já trabalha como educadora há mais de cinco anos no Paranoá e no Itapoã, onde também desenvolve atividades culturais com o Coletivo B.Rocker's. O Coletivo atua há mais de três anos, promovendo ações socioculturais mais voltadas para a juventude na região. O evento mais recente foi o aniversário do Coletivo: o Festival B. Rockers 3 anos, que contou com várias atrações, inclusive artistas locais. “É importante pra gente essa questão da valorização do músico da comunidade, a visibilidade pra esses jovens, pra esses artistas. O nosso intuito é esse, resgatar a cultura local, inclusive brincadeiras. A gente promove jogos e brincadeiras que se perderam ao longo do tempo, brincadeiras infantis, a gente tá tentando resgatar essas culturas que se perderam”, detalhou.

Marcia não gosta da palavra “sonho”, porque “parece que é algo longe, que não vai ser alcançado, que não vai ser realizado. Parece que fica mais distante, como se houvesse mais obstáculos do que já têm. Eu vou atrás, tento realizar”, explicou, determinada. Por isso, ela afirma que não tem um sonho específico: “não é bem um sonho. A nossa intenção é ampliar, levar o Coletivo pra outras cidades, promover ações em parceria com outros coletivos por Brasília, quem sabe pelo Brasil… Essa questão de valorização mesmo, de poder mostrar o poder que o jovem tem, poder mostrar pro jovem que ele não é um problema social, e sim, o futuro do país realmente”.

Se você também tem planos, projetos, ou sonhos, conta pra gente! Poste uma foto, a sua história e a hashtag ?#?juventudequesonha?.